24 de Janeiro, 2014 - 09:48 ( Brasília )

Geopolítica

Coreia do Norte pede a Seul fim de "atos militares hostis" e reconciliação


A Coreia do Norte enviou uma carta aberta a Seul pedindo por uma reconciliação e o fim de “atos militares hostis”. A mensagem, publicada pela agência estatal de Pyongyang, chega semanas antes dos exercícios militares conjuntos já programados entre Coreia do Sul e Estados Unidos, de acordo com a rede BBC.

A tensão na península coreana costuma se elevar bastante antes das manobras militares, realizadas todos os anos e que o regime norte-coreano chama de provocação. No ano passado, a situação chegou a um aumento acima do normal, com a Coreia do Norte ameaçando realizar ataques nucleares preventivos.

“O que é importante para pavimentar uma larga avenida para remendar as relações Norte-Sul é tomar uma corajosa decisão de parar todos os atos militares hostis, o maior obstáculo que alimenta a desconfiança e os confrontos”, diz a carta da Comissão Nacional de Defesa da Coreia do Norte publicada pela KCNA.

A mensagem acrescenta que, “infelizmente, as autoridades da Coreia do Sul ainda permanecem inalteradas em suas atitudes impróprias”. Seul não deveria duvidar, interpretar de forma errada ou precipitadamente rejeitar a “sincera e importante proposta” do regime norte-coreano, de acordo com a carta.

Na semana passada, o governo de Seul rejeitou a proposta oficial da Coreia do Norte na qual o país comunista se comprometia em reduzir as tensões na fronteira, caso Seul cancelasse suas manobras militares com os Estados Unidos.

Pyongyang prometeu, na ocasião, "realizar a primeira ação prática para tornar a proposta uma realidade", além de abrir a possibilidade de retomar os encontros das famílias separadas pela Guerra da Coreia (1950-53) se as relações melhorarem.

Diante da negativa por parte do vizinho do sul, a Coreia do Norte prometeu responder ao "Key Resolve" e ao "Foal Eagle" deste ano com "fortes medidas de autodefesa". Coreia do Sul e Estados Unidos suspeitam que a proposta de paz norte-coreana possa servir como justificativa para futuras hostilidades, já que Pyongyang sabe que os aliados dificilmente aceitariam cancelar seus exercícios anuais de defesa.

Com informações da agência EFE



ÚLTIMAS

Geopolítica

MAIS LIDAS