COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

04 de Novembro, 2021 - 11:11 ( Brasília )

EB - Jogo de guerra, certificação de Bda Inf Mec e Operação Carcará XVI



13ª Brigada de Infantaria Motorizada (13ª Bda Inf Mtz) iniciou, nesta segunda-feira, 1º de novembro de 2021, o exercício de simulação construtiva – jogo de guerra – no âmbito da Operação Escudo Verde. A atividade dá continuidade ao Programa de Adestramento Avançado, que começou com a participação da brigada na Operação Amazônia.

O exercício de simulação construtiva é realizado com apoio do Centro de Adestramento-Sul (CA-Sul), situado em Santa Maria (RS), começando com a preparação dos operadores e controladores para utilizar o Sistema de Simulação de Combate da Força Terrestre (COMBATER), e tem por finalidade adestrar os oficiais dos estados-maiores da 13ª Bda Inf Mtz, bem como os de suas organizações militares subordinadas, em nível tático e em ambiente de combate no amplo espectro. Tudo com a finalidade de instigar a mentalidade proativa e reativa em uma situação de combate, por meio da solução de problemas militares simulados expedidos pela direção do exercício.
 



Clique para expandir a imagem

O termo “jogo de guerra” se refere a um exercício tático realizado no contexto de adestramento de posto de comando, quando são empregados meios computacionais para a apresentação digital do cenário e para a simulação de operações continuadas de combate, apoio ao combate e logístico. O objetivo é obter o realismo dos resultados das integrações quanto ao consumo de suprimentos, de tempo e às perdas em pessoal e material.

O jogo de guerra da 13ª Bda Inf Mtz teve início com o recebimento da Ordem de Operações Escudo Verde do escalão superior, emitida pelo Chefe do Centro de Coordenação de Operações do Comando Militar do Oeste, General de Brigada Valério Luiz Lange. A atividade prosseguiu, nessa primeira jornada, com a expedição da Ordem de Operações da 13ª Bda Inf Mtz, feita pelo seu Comandante, General de Brigada Fábio Serpa de Carvalho Lima.

Operação Amazônia

A Operação Amazônia, exercício de adestramento avançado tático do Comando Militar da Amazônia (CMA), teve por objetivos estratégicos elevar sua operacionalidade, empregando meios orgânicos do CMA e grandes unidades, como a 13ª Bda Inf Mtz, em operações no ambiente de selva e no quadro de simulação de defesa externa. Naquela oportunidade, a brigada realizou o deslocamento de 2.300 km desde Cuiabá (MT) até Porto Careiro (AM).

COTER acompanha certificação da 15ª Bda Inf Mec


No período de 11 a 15 de outubro, a Chefia de Preparo da Força Terrestre/COTER acompanhou o 2º ciclo de certificação da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada (15ª Bda Inf Mec), aplicada pela 5ª Divisão de Exército (5ª DE).

A certificação do Estado-Maior da Brigada se constituiu em exercício de posto de comando, com apoio do Sistema COMBATER (simulação construtiva), e teve como objetivo de adestramento realizar ação retardadora para impedir o avanço do inimigo até o limite anterior da área de defesa avançada (LAADA).

A Divisão de Simulação de Combate (DSC), da Chefia do Preparo da Força Terrestre (Chef Prep F Ter) do COTER, incrementou a certificação com a utilização do sistema de simulação virtual VBS3, que foi utilizado com os óculos de realidade virtual HTC Vive, possibilitando sobrevoar o cenário sintético do exercício com um veículo aéreo não tripulado (VANT) para reconhecimento de inimigos na posição inicial de retardamento (PIR).

Durante a certificação, demonstrou-se que os cenários virtuais construídos no VBS3 podem servir como ferramenta auxiliar na fase inicial do planejamento das operações, permitindo aos elementos do Estado-Maior realizar sobrevoos virtuais na região onde ocorrerá o exercício, o que melhoraria a percepção do terreno, economizando meios aéreos reais.

Por fim, verificou-se que o emprego das simulações construtiva e virtual no adestramento do Comando e Estado-Maior da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada contribuiu para a melhoria contínua do processo de certificação das Forças de Prontidão, alavancando o Preparo da Força Terrestre.

 

Brigada de Infantaria encerra Operação Carcará XVI



Como parte integrante da Operação Guararapes, exercício de adestramento em operações militares no amplo espectro, coordenado pelo Comando Militar do Nordeste (CMNE), a 10ª Brigada de Infantaria Motorizada (10ª Bda Inf Mtz) finalizou, no dia 29 de outubro, a 16ª edição da Operação Carcará. A atividade foi um exercício de adestramento da tropa em operações de defesa da Pátria no nível unidade, que compôs a 3ª fase do ciclo de prontidão da Força de Prontidão (FORPRON) da brigada, nos municípios de Correntes, Garanhuns e Petrolina, em Pernambuco, e no município de Sobradinho, na Bahia.

A Operação Carcará XVI iniciou com a verificação do apronto operacional da Força-Tarefa (FT) Guararapes e contou com a participação de diversas autoridades, entre elas o Comandante de Operações Terrestres, o Comandante Militar do Nordeste e o Comandante da 7ª Divisão de Exército. A FT Guararapes foi composta por todas as tropas da 10ª Bda Inf Mtz dos estados de Alagoas e Pernambuco. Após o apronto operacional, a tropa seguiu para as suas zonas de reunião, de onde realizaram operações ofensivas nas cidades de Correntes e Palmeirina, uma ação cívico-social, no município de Correntes, e uma operação de transposição de cursos d'água, com os meios da 10ª Companhia de Engenharia de Combate, na região de Fazenda Cajueiro, zona rural de Garanhuns. 

 

Participou da Operação Carcará a FT Santos Dumont, formada por tropas da Brigada de Infantaria Pára-quedista. Essas tropas realizaram uma operação de segurança de instalação estratégica da Usina Hidrelétrica de Sobradinho por meio de um assalto aeroterrestre, e, na sequência, com o 72º Batalhão de Infantaria Motorizado (72º BI Mtz), operações de junção e substituição naquela região. Os helicópteros HA-1 Fennec, do 1º Batalhão de Aviação do Exército (1º BAvEx),  e HM-1 Pantera, do 2º BAvEx, apoiaram as ações de infiltração e exfiltração aeromóvel durante as operações ofensivas da brigada. O 3º Centro de Geoinformação (3º CGEO) participou com a cobertura de fotos e vídeos de todas as fases do exercício por meio do emprego de drone. Ao todo, participaram da operação mais de 1.400 militares e foram empregados mais de 220 veículos militares. 

 

Ao fim das operações no terreno, o Comando da 10ª Bda Inf Mtz reuniu os comandantes das organizações militares e seus respectivos estados-maiores no auditório do 71º BI Mtz para apresentar sua análise pós-ação. Nesse evento, que compõe o ciclo de toda instrução militar e marca o término da Operação Carcará XVI, foram apresentados aos participantes os pontos fortes observados, as boas práticas empregadas, as necessidades de ajustes da doutrina militar empregada e as oportunidades de melhoria.

Ainda como parte da Operação Guararapes, a 10ª Brigada segue, no período de 3 a 5 de novembro, com a realização da Operação Alagoas II, exercício de adestramento em operações de ajuda humanitária e de apoio à Defesa Civil, que ocorrerá na cidade de Maceió (AL).


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Tecnologia Disruptiva

Tecnologia Disruptiva

Última atualização 21 JAN, 11:00

MAIS LIDAS

Doutrina Militar