COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

12 de Julho, 2021 - 10:00 ( Brasília )

China desenvolve secretamente drones submarinos que usam IA para abalroar inimigos


Um artigo publicado no Journal of Harbin Engineering University na última sexta-feira (9) afirma que a China desenvolve secretamente drones submarinos que usam inteligência artificial para reconhecer, seguir e abalroar com torpedos um submarino inimigo sem instrução humana.

Financiado por militares, o projeto do veículo subaquático não tripulado (UUV) começou no início dos anos 1990 e pode ter sido testado na costa da província oriental de Fujian ou no Estreito de Taiwan em 2010.

O local é estratégico já que países como Estados Unidos e Japão levantaram a possibilidade de intervenção militar caso Pequim, que vê Taiwan como parte de seu território, tentar tomar a ilha à força.

“As necessidades da futura guerra subaquática trazem novas oportunidades de desenvolvimento para plataformas não tripuladas”, disseram os pesquisadores no artigo. “Esses drones robóticos agora estão trabalhando principalmente individualmente, mas com atualizações tecnológicas para poderem patrulhar em grupos”, detalhou o professor Liang Guolong e colegas da Harbin Engineering University, o principal instituto de pesquisa de submarinos da China.



Grande parte dos drones submarinos têm computadores para ajudar a identificar ou rastrear alvos, mas os operadores de sonar ainda precisam fazer julgamentos sobre questões importantes, como a identificação de embarcações aliadas, com as decisões finais sendo tomadas pelo capitão.

“A complexidade do ambiente externo significa que os humanos normalmente precisam ajustar o sonar de vez em quando para melhorar os resultados da pesquisa e rastreamento”, escreveu Liang.

Ele também ressalta que no submarino não tripulado, “todos os subsistemas, como aquisição de informações, detecção de alvos, avaliação, status e controle de parâmetros devem ter recursos de tomada de decisão completamente independentes”, tornando algumas tecnologias submarinas tradicionais “inúteis para uma plataforma não tripulada”.


VEJA MAIS