06 de Abril, 2022 - 16:00 ( Brasília )

Armas

EUA anunciam teste com míssil hipersônico


As forças armadas norte-americana anunciou nesta terça-feira (5) um novo teste com um míssil hipersônico, enquanto os funcionários do Pentágono tentam igualar ou se antecipar aos avanços da China e da Rússia nesta tecnologia de vanguarda de armamento estratégico.

A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) afirmou ter concluído recentemente um teste de voo livre de um míssil hipersônico lançado de um avião que manteve uma velocidade superior a Mach 5 ou cinco vezes a velocidade do som (ao menos 6.100 km/h).

O míssil voou a uma altitude superior a 19.800 metros e acima das 300 milhas náuticas, disse DARPA, organização de pesquisa de alta tecnologia do Pentágono.

Este foi o segundo teste dentro do Programa HAWC da agência - conceito de arma hipersônica de respiração aérea, na sigla em inglês - e o míssil apresentou uma configuração diferente da primeira, testada em setembro passado.

Segundo a CNN, o último teste ocorreu em meados de março, mas foi mantido em sigilo para evitar que parecesse uma escalada das tensões geopolíticas em torno da invasão da Ucrânia.

Em março de 2020, o exército e a marinha americanos fizeram um teste conjunto de outro protótipo hipersônico.

A DARPA informou que os mísseis hipersônicos de respiração aérea usam ar capturado da atmosfera para ajudar a manter a propulsão.

"Este teste de voo do HAWC da Lockheed Martin foi uma demonstração bem sucedida de um segundo desenho que permitirá a nossos combatentes selecionar de forma competitiva as capacidades adequadas para dominar o campo de batalha", disse Andrew Knoedler, encarregado do programa HAWC, em um comunicado.

Os mísseis hipersônicos supõem uma ameaça potencial para o equilíbrio militar mundial, já que podem ser dirigidos para lançar armas nucleares com precisão sobre o objetivo, a velocidades muito rápidas para ser interceptadas.

O Pentágono está sob pressão para igualar o aparente sucesso de um teste chinês com um míssil hipersônico no ano passado, que deu a volta ao mundo e alcançou um alvo na China.

A Rússia também afirmou há duas semanas ter disparado dois mísseis hipersônicos em ataques contra a Ucrânia.

EUA testaram míssil hipersônico dez dias após a Rússia invadir a Ucrânia


O governo dos Estados Unidos informou nesta quarta-feira ter realizado com sucesso um teste de míssil hipersônico em 5 março, dez dias após tropas da Rússia terem invadido a Ucrânia. Este tipo de armamento viaja a mais de cinco vezes a velocidade do som e dificilmente é detectado por defesas antiaéreas.

O anúncio foi feito pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, da sigla em inglês), vinculada ao Departamento de Defesa dos Estados Unidos. A arma foi desenvolvida em parceria com a empresa Lockheed Martin.

O Hypersonic Air-breathing Weapon Concept - HAWC (Conceito de Arma Aérea Hipersônica, em tradução livre) foi lançado a partir de um bombardeiro B-52. De acordo com a DARPA, após a liberação da aeronave transportadora, o míssil foi impulsionado, e "acelerou rapidamente e manteve o cruzeiro mais rápido que Mach 5 (cinco vezes a velocidade do som) por um longo período de tempo".

Após massacre, moradores de Bucha revelam terror da invasão russa: 'Atirador com raiva disparou sobre a nossa cabeça'

O míssil hipersônico também atingiu altitudes superiores a 65 mil pés e voou por mais de 300 milhas náuticas, segundo a agência americana.

Este é o segundo teste bem sucedido no programa HAWC, da DARPA. Em setembro do ano passado, uma versão diferente do míssil também foi testada com sucesso, informou a agência do governo dos EUA.

— O teste do HAWC, da Lockheed Martin, demonstrou com sucesso um segundo design que permitirá que nossos combatentes selecionem competitivamente as capacidades certas para dominar o campo de batalha — disse Andrew Knoedler, gerente do programa HAWC, da DARPA.

Mísseis hipersônicos utilizam o ar capturado da atmosfera para obter propulsão. A velocidade e a capacidade de realizar manobras com esses armamentos permitem tanto a evasão de defesas antiaéreas quanto ataques rápidos.

— Ainda estamos analisando os dados dos testes de voo, mas estamos confiantes de que forneceremos à Força Aérea e à Marinha dos EUA excelentes opções para diversificar a tecnologia disponível para suas futuras missões — disse Knoedler.

Armamento usado pela Rússia

O Ministério da Defesa da Rússia admitiu em 19 de março que o país realizou o primeiro ataque utilizando mísseis hipersônicos contra a Ucrânia. A ofensiva ocorreu com o intuito de destruir um local de armazenamento de armas no Oeste do país, segundo o próprio governo russo.

"O sistema de mísseis de aviação Kinjal, com mísseis balísticos hipersônicos, destruiu uma grande instalação subterrânea de armazenamento de mísseis e munição de aviação das tropas ucranianas em Delyatin, região de Ivano-Frankovsk", disse Igor Konashenkov, porta-voz do ministério. A afirmação, porém, não pôde ser verificada de forma independente.

O Khinjal, modelo usado no ataque e chamado por Putin de "arma ideal", tem capacidade para atingir um alvo a mais de 2 mil quilômetros de distância. Konashenov informou ainda que as forças russas utilizaram o sistema de mísseis antinavio Bastion para atacar instalações militares ucranianas perto do porto de Odessa, no Mar Negro.



ÚLTIMAS

Armas

MAIS LIDAS