COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Inteligência

05 de Julho, 2019 - 10:55 ( Brasília )

Venezuela - Relatório dos Direitos Humanos Crise Inamaginável

Michelle Bachelet apresentou na ONU informe que denuncia mais de 6.800 execuções extrajudiciais cometidas pela ditadura de Nicolás Maduro


UN News



As autoridades venezuelanas devem tomar medidas imediatas para impedir que violações generalizadas de direitos sejam perpetradas contra o povo do país e trabalhar para resolver "essa crise que tudo consome", disse na quinta-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

O apelo de Michelle Bachelet ao governo de Nicolas Maduro vem antes de seu discurso no Conselho de Direitos Humanos na sexta-feira e segue sua visita oficial à Venezuela de 19 a 21 de junho.

Seus comentários seguem a publicação de um novo relatório do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) sobre a Venezuela, mandatado pelo Conselho de Direitos Humanos, em resposta às preocupações de longa data dos Estados Membros. (Ver íntegra abaixo)
 
Relatórios anteriores do OHCHR destacaram as mortes, o uso de força excessiva contra manifestantes, detenções arbitrárias, maus-tratos e tortura.
A última publicação adverte que “se a situação não melhorar, o fluxo sem precedentes de migrantes e refugiados venezuelanos continuará, e as condições de vida dos que permanecerão piorarão”.
 
Em junho, a agência de refugiados da ONU, o ACNUR, disse que acredita-se que cerca de quatro milhões de pessoas tenham deixado o país nos últimos quatro anos, em meio a escassez de alimentos e serviços básicos.
 
“Durante minha visita à Venezuela, pude ouvir em primeira mão os relatos das vítimas da violência do Estado e suas demandas por justiça”, disse Bachelet. “Transmiti fielmente as suas vozes e as da sociedade civil, bem como as violações dos direitos humanos documentadas neste relatório, às autoridades relevantes.”
 
As conclusões do relatório do OHCHR baseiam-se em mais de 550 entrevistas com vítimas e testemunhas de abusos e na deterioração da situação econômica na Venezuela e outros oito países.
 
Além de detalhar como as instituições do Estado têm sido “progressivamente militarizadas” na última década, afirma que as forças civis e militares foram supostamente responsáveis ??por “detenções arbitrárias, maus-tratos e tortura” de críticos do governo; violência sexual e de gênero na detenção e “uso excessivo da força durante as manifestações”.
 
Grupos civis armados pró-governo em destaque

Citando 66 mortes durante protestos entre janeiro e maio de 2019, dos quais 52 foram atribuídos a forças de segurança do governo, ou grupos civis armados pró-governo conhecidos como "colectivos", OHCHR sustenta que, em 31 de maio de 2019, 793 pessoas permaneceram em detenção arbitrária, incluindo 58 mulheres. "Eles contribuíram para a deterioração da situação exercendo controle social e ajudando a reprimir manifestações", diz o relatório do ACNUDH sobre os "colectivos".

Alegações de execuções extrajudiciais por parte das forças de segurança têm sido "chocantemente altas", continua o relatório, citando o envolvimento de forças especiais (FAES).
 
Em 2018, o governo registrou 5.287 assassinatos, supostamente por “resistência à autoridade” durante as operações, o relatório continua, acrescentando que entre 1º de janeiro e 19 de maio deste ano, outras 1.569 pessoas foram mortas, segundo dados do governo.
 
Voltando-se para a crise política do país, o relatório observa que até agora este ano, 22 deputados da Assembleia Nacional foram privados da sua imunidade parlamentar, bem como ao líder do fórum e Presidente interino autonomeado, Juan Guaido.
 
As pessoas "têm que fazer fila 10 horas por dia por comida"

Sobre a situação dos venezuelanos comuns, o OHCHR insiste que “grandes setores da população não têm acesso à distribuição de alimentos.
 
As mulheres são particularmente duramente atingidas, continua, em meio a uma “escassez progressiva e inacessível de alimentos” e relata que algumas estão “gastando uma média de 10 horas por dia em espera por comida”.
 
A provisão de saúde também é descrita como “péssima, com hospitais sem pessoal, suprimentos, remédios e eletricidade para manter a maquinaria vital funcionando”.
 
Entre novembro de 2018 e fevereiro de 2019, 1.557 pessoas morreram por causa da falta de suprimentos em hospitais, observa o relatório, citando uma pesquisa hospitalar nacional.

Minorias perderam terras para grupos militares armados

Também se mostra que os povos indígenas foram desproporcionalmente afetados, em meio a uma perda de controle de suas terras para as forças militares, gangues criminosas organizadas e grupos armados.
 
“A mineração, particularmente no Amazonas e Bolívar… resultou em violações de vários direitos coletivos, incluindo direitos de manter costumes, modos de vida tradicionais e um relacionamento espiritual com suas terras”, acrescenta o relatório.
 
Em resposta às conclusões do relatório, o Alto Comissário instou o governo a seguir suas recomendações. "Devemos todos concordar que todos os venezuelanos merecem uma vida melhor, livres do medo e com acesso a alimentos, água, cuidados de saúde, moradia e todas as outras necessidades humanas básicas", disse Bachelet. “Chamo todos aqueles com poder e influência - dentro da Venezuela e de outros lugares - a trabalhar juntos e a fazer os compromissos necessários para resolver essa crise que tudo consome. Meu escritório está pronto para continuar fazendo sua parte”.


A_HRC_41_18 Human rights in... by on Scribd



Esquadrões da morte da Venezuela matam jovens e forjam circunstâncias¹

Forças de segurança da Venezuela estão enviando esquadrões da morte para assassinar homens jovens e forjar as cenas para parecer que as vítimas resistiram à prisão, disse a Organização das Nações Unidas (ONU) em um relatório emitido por sua chefe de direitos humanos nesta quinta-feira.

Números do governo mostraram que as mortes atribuídas a criminosos que resistiram à prisão alcançaram 5.287 no ano passado e 1.569 até 19 de maio deste ano. O relatório da ONU disse que muitas delas parecem ter sido execuções extrajudiciais.

As famílias de 20 homens descreveram como mascarados das Forças de Ação Especial da Venezuela (FAES) vestidos de preto chegaram em picapes pretas sem placas. Segundo os relatos, os esquadrões da morte invadiram as casas, levaram pertences e agrediram mulheres e meninas, às vezes arrancando suas roupas.

“Eles separavam homens jovens de outros familiares antes de baleá-los”, disse o relatório. “Em todos os casos, testemunhas relataram com o FAES manipulou a cena do crime e as provas.

Eles plantavam armas e drogas e disparavam contra as paredes ou para o alto para insinuar um confronto e para mostrar que a vítima ‘resistiu à autoridade’”.

A chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, visitou a Venezuela no mês passado e apresentará o relatório ao Conselho de Direitos Humanos da entidade na sexta-feira.

O relatório disse que os assassinatos são parte de uma estratégia do governo do autocrata Nicolás Maduro que visa “neutralizar, reprimir e criminalizar oponentes políticos e pessoas críticas do governo” que se acelerou desde 2016.

A ONU também divulgou uma resposta por escrito do governo venezuelano às suas conclusões, que classificou o relatório como uma “visão seletiva e abertamente parcial” sobre a situação dos direitos humanos no país sul-americano e argumentou que a ONU contou com “fontes que carecem de objetividade” e que ignorou informações oficiais.

¹com agência Reuters