COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Editorial

24 de Fevereiro, 2019 - 20:20 ( Brasília )

Editorial DefesaNet Punam-se o Brigadeiro e o Coronel

Posição de DefesaNet referente aos acontecimentos na Fronteira Brasil - Venezuela


Editorial DefesaNet
Punam-se o Brigadeiro e o Coronel

 
O dia 23 de fevereiro de 2019, dois após comemorarmos 74 anos da maior conquista recente, em campo de Batalha, a Tomada de Monte Castelo, as Forças Armadas não tiveram um dia dos mais felizes.

A decisão pelo governo de participar da Ajuda Humanitária à Venezuela desencadeou uma fúria de agressões ao governo, desmerecimento dos militares, ofensas e, em um amplo espectro político e da imprensa, ataques insanos.

Começa com o Brasil ser lacaio dos americanos e por aí vai.
 
A Grita é Geral:    “O Brasil não tem nada com isso!”


Entre muitos relacionamentos DefesaNet cita só um: o retorno do Sarampo importado da Venezuela devido às más condições sanitárias daquele país, que recolocoram o país na rota desta doença. E já causou centenas de mortes de brasileirinhos, brasileirinhas e indígenas.

(Ver matéria do Estadão - OMS alerta para proliferação de surto de sarampo na fronteira entre Brasil e Venezuela)

Do espectro político temos a declaração do Deputado Federal Orlando Silva (PCdoB/SP) em palavras desairosas às Forças Armadas Brasieliras em sua conta de twitter.  Posição contestada de forma brava e altiva pelo Tenente-Brigadeiro-do-Ar Carlos Baptista Jr., atualmente vinculado ao Ministério da Defesa.
 


Mais tarde, o Coronel do Exército Brasileiro José Jacaúna - Chefe da Operação Acolhida, em Paracaima (RR) - foi de uma clareza espetacular no seu comentário ao Estadão, muito similar ao do Jornal Nacional:

“Foi um episódio lamentável. Ninguém esperava que isso acontecesse no nosso território. Recebemos uma chuva de gás lacrimogêneo vindo do território venezuelano e esperamos que isso não fique assim”, disse o coronel José Jacaúna, chefe da Operação Acolhida, que, segundo ele, foi afetada e paralisada neste sábado. “Algo deve ser feito em termos de relações internacionais. Alguma ação diplomática em face a esse governo (Maduro) que nos atacou. Não há uma ofensa ao território nacional, mas há rusga.”
 
“Quem vai dizer que foi uma agressão ao País é o presidente (Jair Bolsonaro), nosso comandante. Não reconhecemos o governo Maduro. A diplomacia já disse isso e é quem deve se manifestar”, completou.”


No Domingo (24FEV2019) o Coronel Jacaúna estava novamente em missão na fronteira e sua ação serviu para afastar grupos que atiravam pedras no blindados chineses V4N, da Policia Nacional Bolivariana.

Esta foto reproduzida abaixo é icônica e representa a ação e momento das Forças Armadas Brasileiras.


Os homens de frente isolados de TODA a estrutura de comando militar.

O Coronel Jacaúna frente à Força Nacional Bolivariana, excepcional foto   de Tiago Orihuela, via @MatheusSchuch, ambos de Zero Hora.

Estes dois oficiais merecem uma Corte Marcial!

Como ousam posicionar-se em defesa do Brasil e de suas instituições?

Realmente impensável que algo tão grave possa acontecer aos militares Brasileiros.

Refazemos a primeira frase deste editorial:  O dia 23 de Fevereiro foi um dos dias mais “Felizes” para as Forças Armadas Brasileiras por ter oficiais como o Brigadeiro e o Coronel."

 


Nota DefesaNet

Ao mesmo tempo que publicávamos o Editorial DefesaNet o Ministério da Defesa lançou uma Nota à Imprensa

Ministério da Defesa Nota à Imprensa Link

Matérias Relacionadas

BR-VE - Comandante do Exército não considera que houve invasão venezuelana em território brasileiro Link

BR-VE - Militares na fronteira veem agressão ao Brasil e pedem declaração de Bolsonaro Link

BR - VE - Sandro Schmitz - E a situação se deteriora...

BR-VE - Itamaraty - Atos de violência do regime de Maduro

Gen Ex Azevedo - 'Não há nenhuma possibilidade de confronto'

S-300VM -Militares brasileiros trabalham com hipótese de bateria antiaérea na fronteira com RR

Exclusivo – Venezuela Posiciona Mísseis S-300 na Fronteira com o Brasil


VEJA MAIS