COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Inteligência

13 de Agosto, 2018 - 16:00 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Iniciam escaramuças entre Duque e Maduro


 

EDGAR C. OTÁLVORA
@ecotalvora


Sobre o "ataque" contra Nicolas Maduro, o Ministério das Relações Exteriores da Colômbia, obviamente, instruiu seu diplomata em Caracas para não participar de uma reunião com o chanceler chavista Jorge Arreaza que repetiu as acusações contra o Governo da Colômbia.

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>
 

Em 09AGO2018, quando tinha recém passado 48 horas de sua posse como presidente da Colômbia , Ivan Duque Márquez viajou para a fronteira com a Venezuela para uma sessão de trabalho com as autoridades locais e comandantes militares seniores. Aumentar os números de militares e forças policiais, número não especificado, foi um dos grandes anúncios Duque que visitou a cidade de Tibu, localizada a oito quilômetros da fronteira com a Venezuela, no assim - região chamada do departamento de Catatumbo Norte, de Santander. É uma zona que produz cultivos ilícitos, além de servir como um corredor entre os dois países para tráfico de drogas, guerrilha, gangues criminosas e contrabando.
 
Em seus primeiros três dias de governo, Duque esteve em três regiões de conflito. Primeiro viajou para a ilha de San Andrés (08AGO2018) com o objetivo evidente de enviar uma mensagem ao Governo da Nicarágua e suas reivindicações territoriais sobre território colombiano no Caribe. Depois Duque viajou para a fronteira com a Venezuela (09AGO2018).E por fim mudou-se para Tumaco, departamento de Nariño, na fronteira com o Equador, no Pacífico colombiano, que é outra região onde cresce a ação de grupos armados (10AGO2018). Duque e o presidente do Equador, Lenin Moreno concordou, em  06AGO2018 em esforços coordenados com Bogotá contra os "dissidentes" das FARC e outros grupos armados que operam na região da fronteira entre os dois países de fronteira.

 


*****


A primeira escaramuça entre o novo governo colombiano e o regime chavista: foi uma sutileza diplomática do Ministério das Relações Exteriores da Colômbia com uma clara rejeição ao chanceler Maduro.

Durante  a noite de sábado (04AGO2018), apenas três horas após a explosão de um aparelho voador durante um desfile militar, Maduro afirmou que "nós identificamos a situação em tempo recorde, e é uma tentativa de me matar (...) o nome Juan Manuel Santos está por trás desse ataque ". O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia divulgou na mesma noite um comunicado no qual afirmou que "é costume do presidente venezuelano culpar permanentemente a Colômbia por qualquer tipo de situação". O chefe da embaixada da Colômbia em Caracas German Castañeda, que atua como Encarregado de Negócios ai na ausência de um embaixador, não atendeu ao convite do Ministério das Relações Exteriores fez os chefes das missões diplomáticas acreditadas em Caracas, domingo (05AGO2018) para denunciar o "tentativa de assassinato contra Maduro”, onde o chanceler Jorge Arreaza repetiria as acusações contra Santos e o Governo de Colômbia. 

*****


A posse presidencial de Ivan Duque (07AGO2018), um evento para o qual não foi convidado Nicolas Maduro, nos círculos diplomáticos da região corriam especulações sobre uma possível escalada de confrontação política entre o regime de Chávez e o novo governo colombiano. Ivan Duque havia anunciado durante sua campanha eleitoral, e reiterou após ser eleito, não nomeado embaixador ao Governo da Maduro, que limita a relações de nível consulares com a Venezuela implicaria o encerramento da sua embaixada em Caracas e que o governo colombiano denunciará formalmente Nicolás Maduro perante o Tribunal Penal Internacional. 

O governo chavista acompanhou o discurso de posse que Duque pronunciou na Plaza de Bolívar, em Bogotá, para os muitos convidados que incluíam uma dúzia de presidentes latino-americanos, incluindo parceiro político do Presidente Maduro, Evo Morales da Bolívia. Em seu discurso Duque não anunciou ações específicas contra o governo Maduro e se limitou a afirmar que "vamos respeitar a Carta Democrática Interamericana, vamos promover a liberdade dos povos da região e vamos denunciar em fórum multilateral, com outros países, as ditaduras que procuram subjugar seus cidadãos ". Duque esclareceu que "faremos com palavras e argumentos, sem qualquer atitude de guerra". 

O projeto de apresentação coletiva de uma queixa contra Maduro perante o Tribunal Penal Internacional por crimes contra a humanidade foi tratado por Duque com os líderes da Argentina, Chile e Panamá, Mauricio Macri, Sebastián Piñera e Juan Carlos Varela, em reuniões realizadas, em Bogotá em 06AGO2018 antes do juramento do cargo. Da mesma forma, a retirada coletiva da UNASUL foi tema de conversa com os líderes e chanceleres sul-americanos presentes no encontro. Segundo o portal argentino Infobae, ao retornar a Buenos Aires o Presidente Macri teria analisado, em 09AGO2018, com sua equipe de política externa e de vários parlamentares, o que foi tratado com Ivan Duque e tinha dado a luz verde para participar na iniciativa judicial contra Maduro que também gostaria de acrescer os Governos do Chile, Panamá, Colômbia, Peru e Paraguai.





Presidente da Colômbia Ivan Duque e Mauricio Macri da Argentina

*****


Nicolas Maduro emitiu uma televisão, na noite de 07AGO2018, que durou duas horas em que ele se referia a eventos em Caracas, 04AGO2018. Em seu segundo discurso sobre o tema da explosão de um drone, Maduro ordenou que seu ministro das Relações Exteriores Arreaza convocasse representantes diplomáticos dos EUA e da Colômbia para entregar um relatório sobre as "investigações". Maduro mencionou que "fazendo uso dos acordos de extradição, solicitamos a prisão de todos os responsáveis, ??que financiaram e realizaram este ataque terrorista, que vivem na Flórida ou que vivem em território dos Estados Unidos e da Colômbia". O encarregado de negócios norte-americano, James Story, atendeu à convocação, em 08AGO2018, sendo recebido pelo chanceler  Arreaza e por Tarek William Saab, na condição de “Procurador Geral”, foi nomeado pela Assembléia Constituinte” nomeada por Maduro.

A chamada para que o representante diplomático colombiano participasse de uma reunião com Arreaza foi avaliado pelo Ministério das Relações Exteriores da Colômbia no contexto da relação tensa com a Venezuela e a presença de um novo presidente no Palácio de Nariño. O curso de ação foi decidida pelo novo ministro das Relações Exteriores colombiano Carlos Holmes Trujillo, que naquele dia estava fora de Bogotá acompanhando Duque durante sua visita a San Andrés. A decisão da Colômbia de comparecer à reunião com o ministro do Exterior de  Maduro, mas o enviar de uma mensagem implícita sobre a baixa relevância que  Duque dá ao governo Maduro e destacando o apoio que o novo governo colombiano dá a oposição venezuelana.


*****


O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia decidiu aceitar o convite de Arreaza, mas para a reunião convocada para o meio-dia de 09AGO2018 não enviou o Encarregado de Negócios e atual chefe da missão diplomática. A decisão tomada ao mais alto nível em Bogotá, ao compromisso com Arreaza e Tarek William Saab participou o ministro Augusto Blanco, terceiro na atual linha de comando na embaixada da Colômbia em Caracas. White recebeu um relatório e ouviu as acusações de Arreaza, que disse que "este grupo de terroristas que ameaçavam a vida do presidente Nicolas Maduro e alta liderança política e militar da Venezuela foram treinados na Colômbia, comprometendo seriamente a paz e a estabilidade do país".

Enquanto pata a reunião com o chefe da diplomacia chavista foi enviado um diplomata de escalão médio, o chefe da missão diplomática da Colômbia em Caracas, com instruções claras de Bogotá, participou de uma reunião da oposição na Assembléia Nacional. No final da manhã, de 09AGO2018, o encarregado de negócios da Colômbia, German Castañeda, participou como observador junto com seus colegas da União Europeia, EUA, México, Chile, Argentina, Brasil e seis governos da Europa, em uma sessão da Assembleia Nacional, onde os deputados debatiam e rejeitavam as ações repressivas do regime chavista contra os parlamentares Julio Borges e Juan Requesens Maduro acusados ??de envolvimento no "ataque" de 04AGO2018.

Violando as normas constitucionais, que concedem imunidades aos parlamentares, a polícia política deteve na noite de 07 de agosto o deputado da oposição Juan Requesens. No dia seguinte, o Supremo Tribunal de Justiça e a "Assembléia Constituinte" decidiram prendê-lo, retirar sus imunidades e processá-lo. A presença de representantes diplomáticos estrangeiros na sessão da Assembleia Nacional, de 09AGO2018 foi uma rejeição aberta às ações do governo de Maduro contra os líderes da oposição. O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia preferiu que seu diplomata sênior, em Caracas, participasse da sessão parlamentar enquanto um oficial de baixa patente participava da reunião com Arreaza. Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, recebeu o deputado Julio Borges, no Palácio de San Carlos, que atualmente está refugiado em Bogotá.

A política de Duque em relação a Maduro começou a usar chaves próprias de manuais de protocolo diplomático que podem ser rapidamente substituídos por ações menos diplomáticas.

*****


O Ministro das Relações Exteriores da Colômbia informou, em 10AGO2018, que irá denunciar o Tratado Constitutivo da UNASUL, com o qual a Colômbia ficará fora da organização em um prazo de seis meses. O Governo de Álvaro Uribe Vélez foi um dos doze subscritores do Tratado assinado, em Brasília, em 23MAIO2008. A Secretaria-Geral da UNASUL foi exercida por dois colombianos María Emma Mejía promovida pelo governo de Uribe Velez e Ernesto Samper Pizano, apoiado pelos governos castrochavistas.

Certamente, Evo Morales, durante sua rápida visita à Bogotá, em 07AGO2018 para assistir à posse de Iván Duque, não realizou uma reunião de trabalho com o novo presidente colombiano. Morales encontrou Ernesto Samper Pizano, na Base Aérea militar de Catam, onde o boliviano havia sido oficialmente recebido pela chancelaria colombiana. Morales também se encontrou com o ex-candidato presidencial Gustavo Petro e outros parlamentares da esquerda colombiana.
 


VEJA MAIS