16 de Julho, 2014 - 11:20 ( Brasília )

SOF

As tropas de elite das Forças Armadas do Brasil

Interessante nota do Portal do Brasil do governo tratando das SOF Brasileiras.

Nota DefesaNet  : leia também a entrevista Exclusiva do Gen Arruda – Comando de Operações Especiais do EB (Link)



General-de-Brigada Júlio Cesar de Arruda, Comandante do Comando de Forças Especiais. Foto - DefesaNet

As Forças Armadas do Brasil contam com tropas de elite para missões especiais, de alto risco e grau de dificuldade. A seguir, a Marinha, o Exército e a Força Aérea Brasileira elencam algumas de suas principais forças de proteção ao País.

Força Aérea


Dedicada a resgates e operações especiais há 50 anos, a unidade de elite da Força Aérea Brasileira (FAB) atua em ambientes de acidentes, calamidades, locais inóspitos e de difícil acesso. Eles são o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS), também conhecido como PARA-SAR, união de PARA, de paraquedismo, e SAR, da sigla em inglês para busca e resgate (Search And Rescue).

Entre as muitas histórias de salvamento dos integrantes do EAS, destacam-se as missões de busca após o acidente com as aeronaves da Gol, em 2006, e da Air France, em 2009. Outras missões recentes foram as de socorro às vítimas dos deslizamentos na região serrana do Rio de Janeiro, em 2011, e das enchentes de Santa Catarina em 2008.

O PARA-SAR faz parte de um contexto de busca e salvamento, e é uma tropa especializada em operações especiais que participou de eventos como a Copa das Confederações 2013, Rio+20, Copa do Mundo 2014, além de estar presente nos Jogos Olímpicos 2016.

Para atuar em situações limite, os militares recebem treinamento especializado, com técnicas de aperfeiçoamento avançadas. Eles passam por cursos de paraquedismo, saltos, busca e resgate, treinamentos em ambientes de água, montanha e selva aprendendo técnicas de socorro pré-hospitalar, além de busca subaquática, salvamento e orientação noturna no mar.

A formação para o resgate termina com o aprendizado das técnicas de C-SAR, ou Combat-SAR. Além das dificuldades normais de um resgate, o cenário neste caso é de conflito, quando por exemplo um piloto abatido precisa ser resgatado antes de ser encontrado pelo inimigo. É quando o PARA-SAR deixa de ser somente uma unidade de salvamento para se tornar um grupo de operações especiais. Além de exigir resistência física e psicológica, o curso inclui situações táticas avançadas, como a infiltração em território hostil.

O treinamento só acaba depois da conclusão dos sete cursos obrigatórios. O militar que atinge o grau máximo na progressão operacional do Esquadrão recebe o título de “Pastor”. Em 50 anos, apenas 183 homens completaram este ciclo de treinamento e conquistaram o título, uma referência ao cão de caça da raça pastor alemão. De acordo com a tradição, espera-se que o detentor deste nome seja amigo, leal, vigilante e, se necessário, agressivo.

Exército

Criada em 2002, a Brigada de Operações Especiais (Bda Op Esp) é o escalão responsável pela coordenação e controle das operações especiais na Força Terrestre do Exército Brasileiro. A Bda Op Esp conduz o planejamento, o preparo e o emprego de suas organizações militares (OM) subordinadas, podendo, em algumas ocasiões, integrar tropas de outras Forças Armadas.

A Brigada de Operações Especiais compõe a Força de Ação Rápida do Exército Brasileiro. Isso significa que seus soldados estão em permanente estado de alerta, prontos para responder de imediato sempre que o País necessitar.

Os militares desta brigada têm uma capacitação técnico-profissional diferenciada, o que amplia significativamente suas possibilidades de emprego. Desta forma, a brigada pode atuar de forma isolada ou em conjunto com as demais Forças Armadas ou policiais, funcionando como um importante instrumento de coordenação das operações especiais no Brasil.

No mês de abril deste ano, o Comando de Operações Especiais do Exército Brasileiro reuniu mais de 250 agentes de forças de operações especiais, militares e policiais em um Exercício Conjunto Interagências no Comando de Operações Especiais - Goiânia (GO).

O objetivo deste encontro foi promover a integração das instituições que atuaram na prevenção e combate ao terrorismo durante a Copa 2014. Nos cinco dias de exercícios, entre 31 de março e 4 de abril, integrantes das Forças Armadas, da Polícia federal e de policiais civis e militares de 15 estados brasileiros realizaram atividades práticas explorando técnicas, táticas e procedimentos.

O Exército Brasileiro conta também com a Brigada de Infantaria Paraquedista, que fica no Rio de Janeiro (RJ). Seu objetivo  é enviar forças-tarefa no prazo máximo de 24 horas após o seu acionamento, para qualquer parte do território nacional ou em outras regiões de interesse estratégico no exterior, para:

  • Executar operações de combate para destruir e vencer forças inimigas, podendo empregar o lançamento aeroterrestre e/ou o aerotransporte;
  • Participar de operações de ampla magnitude integrando forças multinacionais; e
  • Conduzir operações de garantia da lei e da ordem. 

Marinha

Desde 1983, o Grupo de Mergulhadores de Combate da Marinha do Brasil (GRUMEC) integra o Comando da Força de Submarinos, participando a partir de então de todas as operações de lançamentos de torpedos e mísseis, exercícios de ataque a navios, operações ribeirinhas na Amazônia e no Pantanal, além de exercícios de retomada de navios, plataformas de petróleo e resgate de reféns.

Este profissionais são formados pelo Curso de Mergulhador de Combate, que tem o objetivo de habilitá-los para operar equipamentos de mergulho, armamentos, explosivos, utilizar técnicas e táticas para guerra não convencional e conflitos.

Durante o treinamento, são criadas situações específicas para preparar e testar a habilidade dos alunos em suportar situações operacionais de extremo desconforto, em condições psicológicas adversas, avaliando-os com a exposição ao frio, sono escasso, cansaço e ao racionamento de comida e água.

A atividade de mergulho de combate exige do militar uma formação continuada, aprimoramento profissional através de cursos complementares e realização de missões e adestramentos para ganho de experiência e maturidade.

Em 2013, o GRUMEC participou de treinamento para atuação na Copa das Confederações. A tarefa era tomar o comando de um navio, suspeito de transportar materiais ilícitos. Capuzes, armamentos, voos rasantes, acompanhados de agilidade e efeito surpresa, compuseram o cenário criado pela equipe no dia 23 de maio, na Baía de Guanabara (RJ).

De acordo com a Marinha, o GRUMEC pode ser empregado em atividades de retomada e resgate com foco em ações contra-terroristas, de desativação de artefatos explosivos e em operações de interdição marítima. Na Copa das Confederações, eles atuaram no Rio de Janeiro e em Salvador (BA). Cada equipe contou com especialistas nas áreas de mergulho, operações aéreas, comunicações, inteligência, armamento, embarcações e motores e primeiros socorros em combate.

Nota DefesaNet - Em Novembro de 2013 ocorreu um incidente na Plataforma Petrolífera Frade, localizada na Bacia de Campos.

A operação envolveu cerca de 300 militares da MB. Entre eles: 2 Grupos Especiais de Retomada e Resgate de Mergulhadores de Combate (GERR-MEC), equipes de Fuzileiros Navais, da Força de Fuzileiros da Esquadra, além de equipes da Polícia Federal (PF) e da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (CORE/PCRJ).

A operação ainda contou com os seguintes meios da MB: Navio Patrulha Oceânico (NPaOc) “Amazonas”, Corveta “Barroso”, Navio Patrulha “Gurupá” e os helicópteros “UH-14” e “UH-15”.

Mais detalhes

NOTA MB - PLATAFORMA FRADE II Link


Matérias sobre SOF brasileiras:


- GRUMEC realiza adestramentos com equipe SEAL da Marinha dos Estados Unidos da América (Link)

- Brigada de Infantaria Paraquedista realiza infiltração noturna durante a Operação Laçador (Link)

- Operações Especiais do Exército realizam treinamento na Operação Laçador (Link)

- Preparação de equipes de alta performance sob estresse (Link)


- Vídeo GRUMECs Retomam Plataforma de Petróleo P43 Link