COBERTURA ESPECIAL - Guerra Hibrida Brasil - Segurança

09 de Agosto, 2018 - 21:15 ( Brasília )

Policial Juliane teve seus últimos momentos com bebida, pegação e dança

Soldado ficou 5 dias desaparecida após ser pega por bandidos em Paraisópolis

Notificações da Folha de São Paulo

Publicado 9.ago.2018 às 12h23


9.ago.2018 às 12h23


Rogéio Pagnan

Antes de ser capturada e depois morta por criminosos na favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, a policial militar Juliane dos Santos Duarte, 27, teve um intenso dia de férias.

O registro policial do crime contra a soldado, ao qual a Folha teve acesso, relata, com base em testemunhas, os últimos momentos da PM antes de seu desaparecimento na madrugada de quinta-feira (2) em Paraisópolis, comunidade com pouco mais de 60 mil habitantes, dominada pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Crise Militar

Crise Militar

Última atualização 18 OUT, 12:20

MAIS LIDAS

Guerra Hibrida Brasil