17 de Setembro, 2012 - 11:42 ( Brasília )

Geopolítica

Manobras russas põem Geórgia em alerta


Os exercícios militares Kavkaz-2012 (Cáucaso-2012) começam nesta segunda-feira na região militar do Sul. Apesar de abrangerem apenas o território russo e de contarem com a participação de destacamentos nacionais, passaram a ser um alvo de polémicas a nível internacional.

A iniciativa partiu da Geórgia ao declarar que as manobras iriam ameaçar a soberania de Estados caucasianos. Os receios relacionados com a realização dos exercícios foram formulados também pelo secretário-geral da OTAN.

Do ponto de vista de Tbilissi, o evento encerra perigo, antes de mais, para a Geórgia e também para o Azerbaidjão. O chefe da diplomacia georgiana, Grigol Vashadze, anunciou que, antes do conflito de augusto de 2008, a Rússia tinha promovido os exercícios análogos. Naquela altura, o seu principal objetivo era concentrar as tropas perto da fronteira georgiana para depois, no momento oportuno, pô-las em ação.

No ano corrente, adianta Vashadze, Moscou espera "exercer pressão e influir na situação política interna a fim de afastar do poder o atual governo". Todavia, o diplomata silenciou o fato, reconhecido há três anos pela comissão de investigação internacional, das ações de combates terem sido iniciadas pela Geórgia. Por isso, não há nada de surpreendente nessa acusação a qual carece de fundamentos, refere o observador militar do periódico russo Izvestia, Ivan Konovalov.

"Era fácil de prever a reação georgiana ao evento: a Geórgia tem se preocupado sempre com as manobras militares naquela região russa. Este é mais um pretexto para atrair a atenção da comunidade mundial".

Causa uma surpresa maior o facto de que, nessa questão, Tbilissi foi apoiada pelo secretário-geral da OTAN, Andres Vog Rasmussen, conforme o qual a Rússia "tem de respeitar a integridade territorial e a soberania da Geórgia". Além disso, disse lamentar que a Rússia "não fornecesse à Aliança Atlântica informações sobre o objetivo dos exercícios".

No entanto, é pouco provável que Moscou não entenda bem as autênticas razões que originaram esta declaração, ressalta o chefe do Centro de Conjuntura Política, Serguei Mikheev.

"É uma concessão estimulante para o Sr. Saakashvili que, até hoje, continua nutrindo ilusões de estar a contar com o apoio absoluto da comunidade mundial. Na realidade, esta última não o apoiou no momento oportuno. Presentemente, o Ocidente se manifesta disposto a solidarizar-se com Saakashvili, pelo que Tbilissi requer periodicamente quaisquer sinais de atenção. A declaração de Rasmussen é um destes sinais do Ocidente".

Convém acentuar que a celeuma foi levantada por causa das manobras que, efetivamente, não terão grandes proporções. Nos exercícios militares em causa participarão apenas 8 000 soldados e cerca de 3000 carros de combate e peças de artilharia. A Rússia nem sequer convidou para o efeito os contingentes de suas bases militares na Arménia, Abkházia e Ossétia do Sul. Mais do que isso, as manobras realizar-se-ão bem longe da fronteira coma Geórgia.

Segundo esclareceu a propósito o vice-chefe do Estado-Maior General, Alexander Postnikov, "tal decisão havia sido tomada para evitar aumento de tensão na região". É pena que estes passos e asseverações fidedignas não tenham provocado um eco positivo em Tbilissi.