03 de Setembro, 2014 - 15:30 ( Brasília )

Geopolítica

França suspende fornecimento do primeiro Mistral destinado para Rússia

Novas sanções europeias contra Rússia podem incluir boicote ao Mundial de 2018

O presidente da França, François Hollande, anunciou hoje a suspensão do fornecimento para a Rússia do primeiro navio porta-helicópteros Mistral, comunica a agência de notícias Associated Press.

Os insistentes apelos de cancelar o atual contrato russo-francês têm sido formulados pelos EUA e alguns países da Europa. Antes, Hollande repetia que o nível das sanções aplicadas permitia fornecer pelo menos um de dois navios modernos de classe Mistral. O envio do segundo navio dependerá por completo, conforme disse em julho o líder francês, da posição russa em face do conflito na Ucrânia.

Se o contrato for rescindido, a parte francesa terá de pagar uma enorme multa no valor superior a um bilhão de euros.

Novas medidas endurecem acesso ao mercado de capitais*

O deputado ecologista Daniel Cohn-Bendit já havia defendido, no mês de março, o boicote ao Mundial para protestar contra a atitude do presidente russo Vladimir Putin na crise ucraniana.

A pedido dos chefes de Estado e do Governo, a Comissão Europeia deverá apresentar nesta quarta-feira aos países do bloco propostas para reforçar as sanções contra a Rússian acusada de enviar tropas para combater diretamente ao lado dos separatistas pró-russos no leste da Ucrânia.

A União Europeia decidiu reduzir o acesso da Rússia aos mercados de capitais europeus, impôs um embargo na venda de armas, aos bens de uso militar e civil e um limite das vendas de tecnologias "sensíveis" e de equipamento para o setor petrolífero. As próximas medidas devem tornar ainda mais difíceis o acesso da Rússia aos mercados financeiros europeus e endurecer as condições de venda de tecnologia de utilização militar.

*Com RFI

Matéria relacionada

 

Porto distante: crise da Crimeia deixa incerto destino do BPC ‘Vladivostok' Março 2014 Roberto LOpes DefesaNet Link

 

Leitura imperdível. Há seis meses o analista Roberto Lopes já mencionava a possibilidae de não ser completado o acordo das Mistral.