16 de Janeiro, 2014 - 10:19 ( Brasília )

Geopolítica

Coreia do Norte exige que Sul e EUA cancelem manobras anuais


A Coreia do Norte exigiu nesta quinta-feira que Seul e os Estados Unidos cancelem seus próximos exercícios militares, o Key Resolve e o Foal Eagle, manobras estas que no ano passado geraram uma intensa campanha de hostilidades de Pyongyang que aumentou enormemente a tensão na região.

Caso os dois exercícios anuais aconteçam, "as relações Norte-Sul chegariam a um ponto morto" provocando "um Holocausto inimaginável", advertiu o regime de Kim Jong-un através de um comunicado publicado pela agência estatal KCNA.

"Advertimos severamente às autoridades dos EUA e da Coreia do Sul que interrompam estes perigosos exercícios militares", afirmou o comunicado.

O Key Resolve, cuja data ainda não foi determinada, mobilizará durante duas semanas, provavelmente entre fevereiro e março, milhares de soldados sul-coreanos e americanos para simular cenários de combate contra o Norte, enquanto o Foal Eagle durará uns dois meses e vai acontecer entre março e abril.

No comunicado da "KCNA", a Coreia do Norte qualificou as manobras anuais como "ensaios de uma guerra nuclear" e "provocações militares", e negou que sejam "de natureza defensiva" como afirmam Seul e Washington.

O regime norte-coreano lembrou que o líder Kim Jong-un expressou em sua mensagem de Ano Novo o desejo de melhorar as relações com a Coreia do Sul, algo que não será possível se forem realizados esses exercícios, advertiu.

Em março e abril do ano passado, a Coreia do Norte empreendeu uma campanha de hostilidades sem precedentes contra Seul e Washington em resposta à realização dos exercícios militares e às novas sanções impostas pela ONU ao país comunista por seu último teste nuclear.

A agressiva campanha de Pyongyang, que incluiu ameaças de guerra constantes e o fechamento do complexo industrial intercoreano de Kaesong, elevou a tensão na península da Coreia para níveis comparáveis aos do bombardeio norte-coreano da ilha de Yeonpyeong em novembro de 2010.

Os EUA mantêm 28,5 mil efetivos militares na Coreia do Sul e se compromete a defender seu aliado em um hipotético ataque do Norte como herança da Guerra da Coreia (1950-53), que terminou com um armistício que nunca foi substituído por um tratado de paz definitivo.