18 de Julho, 2013 - 22:08 ( Brasília )

Geopolítica

Embraer defende multilateralismo e Mercosul mais "aberto"

O Mercosul é uma história de sucesso, ainda tem pontos a serem melhorados, mas não necessariamente precisa ser fechado", disse executivo da empresa

São Bernardo do Campo - O vice-presidente executivo de Pessoas, Relações Institucionais e Sustentabilidade da Embraer, Jackson Schneider, defendeu as relações multilaterais e um Mercosul mais "aberto" no âmbito do comércio global.

Segundo ele, tanto o apoio do governo quanto os acordos comerciais são fundamentais para se ter um comércio mundial lógico, sem políticas predatórias.

"Nós, da Embraer, defendemos a busca pelo multilateralismo. O Estado deve apoiar as empresas no desenvolvimento tecnológico, temos que ter políticas industriais transparentes, esforços para a estruturação de fábricas, condições comerciais equitativas. Tudo isso precisa ser feito com negociações multilaterais. Se não ocorrer, a lógica do comércio mundial não existe e aquelas empresas ou países que têm mais condições vão ter sempre vantagens no comércio global", afirmou o executivo, na "Conferência Nacional 2003-2013 - Uma Nova Política Externa", promovida pela Universidade Federal do ABC.

Ele citou tanto o desenvolvimento de produtos realizados em cooperação com outros países como um avião de mais de 20 toneladas de carga em processo de fabricação em parceria com Argentina, Colômbia, Portugal e República Tcheca - e o apoio que a Embraer recebeu do governo brasileiro no contencioso na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a Bombardier, em 1999.

Sobre o Mercosul, Schneider defendeu um bloco comercial mais "aberto".

"Eu vejo quase uma excludência do Mercosul em negociações comerciais no mundo. Eu não acho necessário. O Mercosul é uma história de sucesso, ainda tem pontos a serem melhorados, mas não necessariamente o Mercosul precisa ser fechado. Podemos ter mais diálogos multilaterais ou outras formas criativas de integração no comércio global, por exemplo por segmentos de mercados ou áreas de negócio", declarou.