01 de Setembro, 2013 - 13:15 ( Brasília )

Editorial

Os Fantasmas Reais e Irreais


Editorial

Os Fantasmas Reais e Irreais

 
A presente polêmica sobre a vinda de Trabalhadores da Área de Saúde provenientes de Cuba  só mostra a habilidade de o Governo Petista pautar as discussões que lhe interessam.

A pauta menor,  em discussão desproporcional,  tem a função de levar o eixo desta para muito longe dos reais objetivos da implantação do Programa mais Médicos e os seu reais objetivos, a infiltração de milhares de agitadores, programa de subsídio aos Governos Cubano e Venezuelano. Além do mais visível a tentativa de influenciar as próximas eleições.

As discussões com o governo cubano sobre saúde remontam ao primeiro semestre de 2003, e foram agilizados  de forma supersônica ,ao menos nos últimos dois anos.

Qual a razão da implantação do Programa Mais Médicos?  Uma ação recheada de ilegalidades, inverdades e falsidades.

Em se tratando de sobrevivência política e ideológica o Regime de La Habana trabalha com mão pesada. Há dois anos o futuro de dois de seus tentáculos e que lhe sustentam, em especial  a Venezuela já era analisado como de risco. Na Venezuela a saúde de Chávez e na Argentina a instabilidade de “la Loca”.

A Venezuela envia cerca de 100.000 barris de petróleo /dia para Cuba, como pagamento dos serviços dos Trabalhadores da Área de Saúde enviados por Cuba. Isto dá cerca de U$ 100.000/200.000 por cada agente como pagamento anual. Como referência o Brasil deverá pagar oficialmente U$ 60.000/pessoa.

O regime de La Habana não tem o mínimo escrúpulo em se tratando de finanças. Não daria um abatimento ao Brasil de U$ 140.000 por cada agente infiltrado.

A necessidade urgente da implantação deste monumental programa de infiltração está na urgente necessidade de recursos em moedas fortes pelos Venezuelanos. O envio de petróleo à  Cuba e outras benemerências que são pagas com serviços ou matérias primas está deixando o  Governo Maduro sem recursos.

Junte-se a isso os danosos acordos com a SINOPEC, estatal da China, que adiantou recursos e já avisou que exige os embarques em pagamentos adicionais  aos empréstimos. E para variar mais uma ação do Grande Satã, os Estados Unidos, que tem reduzido significativamente, mês a mês, as compras de petróleo venezuelano.    

Não se preocupe o Governo Maduro, a tia Graça Forster (presidente da Petrobras), reativou a compra de petróleo venezuelano. Fato que nos últimos 6 anos era nula ou zero absoluto.

A diferença dos U$ 140.000, em cada agente, que La Habana teoricamente perde com o acordo com o Brasil, será paga com petróleo venezuelano. Além do mais irrigará com moeda forte o combalido tesouro venezuelano.
 
Bem esta é a parte econômica do acordo, mas falamos de um processo de infiltração. Como se dará?

É necessário infiltrar as Forças Militares, que relativamente ficaram imunes aos ímpetos bolivarianos nestes últimos 13 anos.  Os agentes ficarão instalados em quartéis e instalações militares.

Neste últimos dias, dezenas de comandantes de unidades e quartéis, em todo o Brasil, e seu comandados estão envolvidos em serviços de hotelaria para centenas de agentes.

Baseados nas ordens recebidas diretamente do Ministério da Defesa, teremos no futuro que unidades médica e ambulatórias sejam instaladas em instalações militares, e dada liberdade de movimentos aos estrangeiros nos quartéis.

O resultado é mais do que previsível, infiltração, doutrinação e agitação.

Um  fato de importância é a Dupla Mensagem dada pelo atual governo e Líderes Militares, que pode ser expresso nesta frase ouvida por DefsaNet nestes dias:

“Pois é, na Academia e Escola aprendemos  a lutar contra os cubanos, agora estamos ciceroneando  eles.”



Notas

Para os dados referente às exportações de petróleo da Venezuela acesse:

Especial N24: países amigos adeudan a Venezuela 20.578 millones de dólares por venta de petróleo Link