COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Aviação

17 de Agosto, 2013 - 10:30 ( Brasília )

Uma história secreta interna da CIA sobre o programa U-2

EUA confirmam existência de área secreta de testes associada a ETs

A CIA (agência de inteligência dos Estados Unidos) reconheceu o local de testes secretos conhecido como Área 51 em um documento interno que conta a história do programa do avião espião U-2.

O documento, obtido por uma universidade americana, descreve a aquisição de um terreno em Nevada, no ano de 1955, para testes secretos do avião espião.

Ele também explica a persistente associação do lugar com OVNIs e alienígenas. A localização desértica próxima ao lago Groom foi escolhida por ser adjacente a um local usado para testes nucleares.

"O U-2 era super secreto", afirmou Chris Pocock, um jornalista britânico especializado na área de defesa e autor de histórias sobre o programa. "Eles tinham que esconder tudo sobre isso".

O avião U-2, desenvolvido para espionar a União Soviética durante a Guerra Fria, ainda é usado pela Força Aérea americana

Relatórios sobre OVNIs

O documento, uma história secreta interna da CIA de 1992, sobre o programa U-2, foi originalmente aberto em 1998.

Muitos detalhes obscuros foram revelados neste mês depois que registros públicos requisitados pelo Arquivo de Segurança Nacional, da Universidade George Washington, localizada na capital americana, foram liberados.

O local foi escolhido para sediar o programa U-2 em 1955 depois de uma pesquisa aérea realizada por membros da CIA e da Força Aérea.

De acordo com o documento, o presidente Dwight Eisenhower assinou pessoalmente a aquisição do local

Altos funcionários da CIA, da Força Aérea e da Lockheed (empresa que detinha o contrato de construção do U-2) começaram a se estabelecer na área em julho de 1955.

O documento faz um longo relato do desenvolvimento do programa e também tenta lançar luz sobre o fascínio público pela Área 51 e as persistentes associações do local com alienígenas.

Ele diz que os testes do U-2 na década de 1950 – em altitudes superiores às usadas por aviões comerciais provocaram "um tremendo aumento nos relatos de observações de objetos voadores não identificados (ovnis)".

"Naquele momento ninguém acreditava que fosse possível voar a uma altitude de superior a 18 quilômetros, então ninguém esperava ver um objeto tão alto no céu", escreveram os autores Gregory Pedlow e Donald Welzenbach.

Inclinação para o segredo

O pedido original por partes da história do programa foi feito em 2005. Ele foi revelado para o Arquivo de Segurança Nacional há algumas semanas.

Jeff Richelson, um pesquisador sênior do Arquivo de Segurança Nacional disse que o longo período de segredo está relacionado à quantidade de pessoas pelo mundo que já estavam cientes da existência da Área 51.

Richelson especula que a CIA tenha tomado uma decisão deliberada e calculada de revelar a existência e a origem da instalação.

"Há uma inclinação geral pelo segredo", afirmou. Segundo ele, todas as agências americanas e não americanas envolvidas no programa do U-2 devem ter se manifestado sobre o processo de abertura das informações.

"Até onde eu sei, essa é a primeira vez que algo deve ter ido a um alto nível de discusão" sobre admitir formalmente a existência da Área 51.

The U-2 Dragon Lady

O design único dava ao U-2 um desempenho notável mas também o tornava uma aeronave mais difícil de pilotar.  Projetado e fabricado para o peso de estruturas mínimas, o que resulta em uma aeronave com pouca margem para erro.

 

Desenvolvimento

No início de 1950, com as tensões da Guerra Fria em ascensão, os militares E.U. exigiam um melhor estratégia de reconhecimento para ajudar a determinar as capacidades e intenções soviéticas. As aeronaves de vigilância existentes eram primeiramente convertidas em bombardeiros vulneráveis à artilharia antiaérea, mísseis e caças. Pensou-se em uma aeronave que pude-se voar a 70.000 pés (21.000 m), esta estaria fora do alcance dos caças soviéticos, mísseis, e até mesmo do radar.Isto irá permitir "sobrevoo" conscientemente violando o espaço aéreo de um país para tirar fotografias aéreas.

Sob o nome de código "Acquatone", a Força Aérea deu contratos, a Bell Aircraft, Martin Aircraft, e Fairchild Engine Airplane e elaborou propostas para o novo avião de reconhecimento. Funcionários da Lockheed Aircraft Corporation ouviram falar sobre o projeto e pediram ao engenheiro aeronáutico Clarence "Kelly" Johnson para chegar a um projeto. Johnson foi um brilhante designer, responsável pela P-38 Lightning e P-80. Ele também era conhecido por completar os projectos antes da programação, trabalhando em uma divisão separada da empresa jocosamente chamado Skunk Works.

Concepção de Johnson, chamado de CL-282,seus projetos, o F-104 Starfighter. Para economizar peso, a sua concepção inicial nem sequer tem trem de pouso convencional, decolando de dolly e aterragem em esquis. O projeto foi rejeitado pela Força Aérea, mas chamou a atenção de vários civis no painel de revisão, nomeado, Edwin Land, o pai da fotografia instantânea. Land propos ao diretor da CIA Allen Dulles, que a agência deveria financiar e operar essa aeronave. Após uma reunião com o presidente Eisenhower, Lockheed recebeu um contrato de US $ 22,5 milhões em 20 aeronaves em primeiro lugar. Ele foi rebatizado de U-2, com o "U", referindo-se à designação deliberadamente vaga de "utilidade".

O primeiro vôo ocorreu no local de teste Groom Lake (Área 51), em 1 de agosto de 1955, durante os teste de taxiamento, o planador, como as asas eram tão eficientes que o avião saltou para o ar a 70 nós (130 km / h).

James Baker desenvolveu a ótica de uma câmera de grande formato a ser usado no U-2, enquanto trabalhava para a Perkin-Elmer. Essas novas câmeras tinha uma resolução de 2,5 pés (76 cm) de uma altitude de 60.000 pés (18.000. Balanceamento era tão crítico sobre a U-2 que a câmara teve de usar um filme dividido, com bobinas de um alimentação lateral para a frente enquanto os da alimentação lado inverso, mantendo assim uma distribuição de peso equilibrado, através de todo o vôo.

Quando o primeiro sobrevoo da União Soviética, foram rastreadas pelo radar, a CIA iniciou o projeto RAINBOW para reduzir o U-2 da sua assinatura lateral de radar. Esse esforço acabou por ser vencida, e iniciou-se um acompanhamento em aeronaves, o que resultou no Lockheed SR-71 Blackbird.