COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Segurança

21 de Junho, 2011 - 09:41 ( Brasília )

Grupo de hacker LulzSec declara "guerra contra os governos"

Depois de derrubar mais um site governamental, grupo convoca usuários para continuar vazamento de informações confidenciais.

Computerworld/EUA

Um dia após dois grupos de crackers prometerem uma investida contra sites governamentais, o LulzSec declarou que foi o responsável por derrubar o endereço do órgão não-departamental britânico Soca (Serious Organised Crime Agency).

O grupo reivindicou a responsabilidade de um grande número de invasões recentes e ataques de negação de serviço (DDoS), incluindo a Sony, a derrubada do site da CIA, do Senado dos EUA e o roubo das senhas de mais de 62 mil usuários de sites pornográficos -- muitas delas reutilizadas em sites como Facebook e Twitter.

O ataque foi procedido de um manifesto no qual os hackers anunciaram uma nova campanha contra os governos ao redor do mundo. “Bem-vindos à Operação Anti-Segurança (#AntiSec)” afirma o texto. “Encorajamos que qualquer embarcação, grande ou pequena, abra fogo contra qualquer governo ou agência que cruze seu caminho”.

Acredita-se que o grupo seja uma ramificação do Anonymous, outra organização de hackers, que ficou famosa pela derrubada dos sites da Mastercard e Visa, em ações pró-Wikileaks. “A maior prioridade é roubar e vazar informações governamentais muito confidenciais, incluindo e-mails e documentações” afirmou o LulzSec na declaração”. “Os alvos primários são bancos e outros estabelecimentos de alto nível”.

John Pescatore, analista da Gartner, afirmou que não ficou surpreso com o sucesso dos ataques “Ainda há muitos indivíduos dispostos a comprometer companhias e organizações. Infelizmente, isso é fácil de ser feito”. O que realmente preocupa Pescatore, na verdade, não são grupos como o LulzSec, mas sim criminosos semelhantes que irão aparecer, motivados pela chance de ganhar dinheiro. “Muitas outras pessoas enxergam maneiras de lucrar utilizando as mesmas técnicas” avaliou.

De acordo com a Reuters, a administração Obama está pressionando o Congresso para dobrar a pena máxima de invasão de redes governamentais e privadas para 20 anos. Pescatore acredita, porém, que outros esforços ofereceriam dividendos melhore. “Companhias precisam proteger a si mesmas ao minimizar suas vulnerabilidades” sublinhou. “Você não vê a Microsoft ou a Cisco sendo invadidas. Eles evoluíram sua segurança, mas grande parte das companhias ainda não o fez”.