COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

24 de Abril, 2016 - 13:00 ( Brasília )

UNASUL - Itamaraty Reforça Tese de Golpe

Itamaraty reforça ação pela teoria do Golpe em uma UNASUL presidida agora pela Venezuela. Declaração sobre a situação brasileira foi bloqueada pelo Paraguai




A situação no Equador, atingido por um forte terremoto há uma semana, e o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff centraram as discussões dos chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) neste sábado (23ABR2016), em Quito, Equador.

Os ministros das Relações Exteriores da UNASUL se encontraram na sede da Secretária-geral na capital equatoriana em Reunião Ordinária do Conselho de Chanceleres, que começou com um minuto de silêncio pelas vítimas do terremoto. O encontro teve início com a entrega da presidência temporária do grupo, das mãos do chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, a sua colega Delcy Rodríguez, da Venezuela, país que terá essa função por um ano.

Cidadania sul-americana

O secretário-geral da UNASUL, o ex-presidente colombiano Ernesto Samper, lançou a discussão sobre projeto de "cidadania sul-americana". Esse conceito representa que "os 420 milhões de sul-americanos que habitam nos 17.000 Km2" podem ter a "possibilidade de se movimentar para trabalhar e para escolher suas autoridades", por exemplo, no espaço sul-americano, explicou Samper.

A UNASUL como Palanque
 
Com a presença do Chanceler Mauro Vieira, retornando da Cerimônia de Alto Nível de Assinatura do Acordo de Paris sobre Mudança do Clima Nova York, realizada na sexta-feira, 22 de abril de 2016.  Também presente o Assessor Especial Marco Aurélio Garcia.
 
O objetivo da presença brasileira no momento em que a ChancelerDelcy Rodríguez, da Venezuela, recebia a presidência temporária da UNASUL, que exercerá por um ano.
 
O atual governo usará a UNASUL conduzida pelo colombiano Ernesto Sámper, alinhado ao castrochavismo e reforçado pela presidência temporária da Venezuela, como palanque diplomático para desenvolver a tese de golpe, como argumento contrário ao impeachment da Presidente Dilma Rousseff. Para isto o castrochavista Ernesto Sámper cumpre o seu papel:




Alinhados politicamente o Secretário Geral da UNASUL e a Chanceler Delcy Rodríguez, da Venezuela. Foto - UNASUL


"Vemos que o julgamento da presidente (Dilma Rousseff) está avançando rapidamente, sem que exista, a nosso ver, nenhuma prova" que determine sua culpabilidade, acrescentou Samper ao advertir que sua eventual saída do poder seria uma questão preocupante para toda a região.

Segundo ele, o Brasil está em uma espécie de "UTI da Unasul", por isso o diálogo de chanceleres para buscar estratégias de apoio à democracia brasileira.

"Esperamos que os atores (políticos no Brasil) reiterem seu compromisso com a democracia e que a presidente Rousseff possa sair bem deste impasse", ressaltou Samper.

A intenção do secretário que o Conselho de Chanceleres da UNASUL fizesse um pronunciamento oficial a respeito da situação brasileira ao final da reunião, em Quito, foi bloqueado pela delegação do Paraguai.

Na reunião de Quito participaram cinco chanceleres, quatro vice-chanceleres e três secretários de Relações Exteriores. A UNASUL é integrada por Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.