COBERTURA ESPECIAL - Crise Militar - Defesa

16 de Agosto, 2019 - 14:52 ( Brasília )

PL1645 - Riscos de Tsunami para a Estrutura Militar

A discussão do PL1645 tem inúmeros riscos que podem gerar significativos tumultos na área militar

 

 
Nelson F Düring
Editor-Chefe DefesaNet


Às vésperas do início da tramitação da PL1645/2019. os líderes das três Forças Militares emitiram duros comunicados, nos dias 12 e 13 de Agosto, através de seus canais internos para os: Comandantes / Chefes / Diretores de Organizações Militares.

O foco mesmo era o início do 1º Congresso Nacional de Associações Militares, realizado em Brasília, nos dias 13 e 14 de agosto. Entre várias atividades no Congresso e também de articulação com os políticos estavam previstas manifestações reivindicatórias, como um evento na frente do Ministério da Defesa.

Assim através dos seus canais a Marinha, usando o BONO, a FAB através da Voz de Comando (Mensagem ao Efetivo), ambos no dia 12 e o Exército no dia 13AGO2019, quando iniciou de forma extraordinária a Reunião do Alto Comando do Exército (RACE), distribuiram os comunicados para o público interno.

As três notas têm praticamente o conteúdo idêntico, só adaptadas às questões específicas de cada força. Em comum o tom duro e imperativo nas questões disciplinares. (texto da nota do Exército abaixo nesta matéria)

Ao iniciar a discussão da PL1645/2019 várias questões relevantes afloram, e cuja discussão terão o efeito de granadas, que prontas a explodir na mesa de negociações.

As questões mais relevantes são:

Primeira- E mais relevante é a defasagem salarial dos Militares (Oficiais e Graduados). Item que não está em discussão mas é o pano de fundo de todo o cenário (ver tabela atual válida Link)

Segunda-  O início da tramitação do PL de Reestruturação das Forças Armadas e do Sistema de Proteção Social dos Militares, nomeada como PL1645/2019. (ver PL1645 - Sargentos, cabos e soldados criticam novas carreira e Previdência de militares Link)

Terceira -   A liberalidade com que os comandos militares permitiram que oficiais e graduados, assim como os Clubes Militares, e em certa medida também, das Forças Auxiliares, ativamente se engajassem no processo eleitoral de 2018. Pouca vozes alertaram para o risco destas mobilizações e ativismos.

Cada um destes itens têm vários desdobramentos.

Uma outra luta surda também está em curso. Nesta a figura do presidente Jair Bolsonaro é significativa. A publicação Sociedade Militar, que foca os graduados das Forças Armadas, o trata como:”o primeiro líder de associações de militares a chegar ao cargo máximo do executivo nacional”. Jair Bolsonaro foi Vice-Presidente de associação de Militares da reserva e em 1989 lutou muito para que uma Federação de Associações de Militares (FAMIR) pudesse representar nacionalmente a tropa diante do Ministério da Defesa.

É evidente que os graduados buscarão pressionar o Presidente, assim como fizeram os Policiais Civis / Militares / Federais foram eficazes nas suas manifestações, em obter vantagens na Reforma da Previdência.


Preventivamente o Comando do Exército emitiu uma Portaria no início de Agosto para regulamentar o emprego e uso das Redes Sociais pela Força Terrestre, mas também pelos oficiais na ativa (Redes sociais no Exército: normatizando para permitir Link)

O Projeto da Reforma da Previdência dos Militares traz um amplo campo de discussões e conflitos em potencial. O jornal O Globo publicou na edição em 13AGO2019: “O valor está estimado em R$ 10,45 bilhões e poderá ficar entre R$ 4,5 bilhões e R$ 6 bilhões, com mudanças no adicional pela realização de cursos classificados como altos estudos e na gratificação por representação, restrita a oficiais generais.” (PL1645 - Economia com projeto de reforma dos militares pode cair para R$ 4,5 bi a R$ 6 bi Link)

E fica a provocativa e debochada fala do Presidente da Câmara Federal o Deputado Rodrigo Maia:"O problema é que estamos no fim da festa. O Brasil quebrou e eles (os militares) estão querendo entrar nesta festa no finalzinho, quando já está amanhecendo, a música está acabando e não tem mais ninguém para dançar". (MAIA - Militares chegaram no finalzinho da festa Link)

 


Do:      Comandante do Exército
Para:   Todas as Organizações Militares (OM)
Assunto: Msg nº 11 de 13 de agosto de 2019
Distribuição: Lista F
Difusão: Comandantes/Chefes/Diretores de OM e Comandantes de SU (isoladas e incorporadas)
 

NORMAS DE CONDUTA APLICADAS AOS MILITARES

 
Sr Comandante / Chefe / Diretor,
 

O Exército Brasileiro tem cumprido sua missão constitucional com total comprometimento e responsabilidade, contando com o trabalho profissional daqueles que honram as tradições da nossa Força, forjada em experiências de paz e de guerra. Todas as nossas experiências só puderam ser bem-sucedidas por estarem calcadas em valores e princípios que norteiam cada uma de nossas ações.

São aspectos de extrema relevância e que devem ser constantemente reforçados, como lealdade, integridade moral, patriotismo, espírito de corpo, justiça, profissionalismo, entre tantos outros que incluem, principalmente, os basilares hierarquia e disciplina.

Devemos embasar absolutamente todos os nossos atos nesses princípios e jamais deixar de lembrar o que nossa Constituição Federal (CF) estabelece, que as Forças Armadas “são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina”.

Assim, devem se manter isentas de questões político-partidárias, sindicais e corporativas. Dessa maneira, tanto a Constituição quanto o Estatuto dos Militares vedam e limitam determinadas condutas dos militares ativos ou inativos.

Diante do exposto, oriento a todos os Comandantes, Chefes e Diretores que atentem para o cumprimento das normas estabelecidas, com especial atenção para o que segue:
 
ao militar, ativo ou inativo, está vedada a sindicalização e a greve (inciso IV do § 3º do art. 142 da CF), quaisquer manifestações coletivas, tanto sobre atos de superiores quanto as de caráter reivindicatório ou político (art. 45 do Estatuto dos Militares); e, aos militares da ativa, é proibida a filiação a quaisquer partidos políticos (inciso V do § 3º do art. 142 da CF); e
 
- são vedadas associações de militares para defesa de interesses corporativos, mas autorizadas tão somente associações, clubes, círculos e outras organizações civis destinadas, exclusivamente, a promover intercâmbio social e assistência entre os militares e suas famílias e entre esses e a sociedade civil (parágrafo único do art. 151 do Estatuto dos Militares).
 
Ressalto, ainda, que as normas de conduta devem ser observadas e aplicadas em todos os momentos da carreira militar, independente se em contexto real ou virtual, por meio de mídias sociais ou outros meios de comunicação. Continuemos, portanto, honrando a história de nossa Instituição e orgulhando aqueles que têm nas Forças Armadas um exemplo de comprometimento e integridade em prol de todos os cidadãos brasileiros. 

Por fim, recomendo aos Comandantes / Chefes / Diretores que seja reforçada a divulgação entre os militares ativos e inativos das citadas normas de conduta e comportamento acima mencionadas, que devem ser rigorosamente observadas, pela sua condição de militar das Forças Armadas.

 

Gen Ex EDSON LEAL PUJOL
Comandante do Exército

 




NORMAS DE CONDUTA APLICADAS...
on Scribd


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Cyberwar

Cyberwar

Última atualização 13 DEZ, 10:50

MAIS LIDAS

Crise Militar