COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

18 de Março, 2016 - 10:00 ( Brasília )

VALEMAX - China ridiculariza o Brasil, adquire 30 Navios após destroçar a frota da VALE

China paga US$ 2,5 bilhões por 30 supernavios mineraleiros VALEMAX para controlar fretes

As gigantes chinesas do transporte marítimo Cosco Group, China Merchants Group e ICBC Financial Leasing Co. fizeram encomendas para 30 navios mineraleiros VALEMAX avaliadas num total de US$ 2,5 bilhões, dizem pessoas envolvidas no negócio.

A medida vai ampliar o controle da China sobre as exportações de minério de ferro do Brasil nos próximos dez anos e aumentar a pressão sobre as transportadoras marítimas ocidentais, que vêm penando para encontrar cargas em meio a uma das crises mais duradouras do setor.

As fontes disseram que as três titãs do transporte marítimo da China fizeram pedidos de dez navios cada uma para quatro estaleiros locais — Shanghai Waigaoqiao Shipbuilding, Behai Shipbuilding, CIC Jiangsu e Yangzijiang Shipbuilding — com entregas programadas a partir de 2018.

“Apesar do colapso do mercado a granel, os chineses estão encomendando novas embarcações para efetivamente controlar as taxas de frete de minério de ferro nos próximos dez anos ou mais”, diz Basil Karatzas, da Karatzas Marine Advisors & Co., consultoria nova-iorquina do setor. “Isso vai pôr mais pressão sobre dezenas de transportadoras independentes às voltas com uma mínima recorde nas tarifas de frete.”

Os navios mineraleiros classe VALEMAX foram lançados no mercado em 2010 pela mineradora brasileira Vale SA . O plano era construir cerca de 60 navios, mas apenas 18 foram entregues. A VALE sofreu um golpe quando a China proibiu esses navios de grande porte de atracar em seus portos, afirmando que eles eram inseguros. O embargo foi suspenso em julho do ano passado, mas naquele momento a VALE já havia vendido ou alugado os cargueiros para proprietários chineses, inclusive a Cosco.

O mineraleiro VALEMAX pode transportar até 360 mil toneladas de carga. Eles são duas vezes maiores que os navios Capesize (aptos a cruzar a rota do Cabo), os maiores cargueiros de granéis sólidos de produção comercial, que possuem capacidade para 180 mil toneladas.

A China é a maior importadora de commodities e a desaceleração de sua economia é a principal razão dos problemas vividos pelas transportadoras marítimas. As importações de cimento e minério de ferro do país recuaram 46% e 38% em valor no ano passado, respectivamente, ante 2014, segundo a alfândega chinesa. Donos de navios de carga de granel sólido que transportam produtos como esses para a China vêm operando a um custo quase quatro vezes maior que as tarifas que cobram pelos fretes.

Dezenas de transportadoras de granéis sólidos estão em recuperação judicial, enquanto outras estão atrasando o pagamento de empréstimos para os bancos, deixando grandes quantidades de navios ociosos ou vendendo os cargueiros a preço de banana.

Corretores de Cingapura e Londres afirmam que as novas compras dos navios VALEMAX darão às transportadoras chinesas o controle de cerca de 30% do total das importações de minério de ferro do país, em termos de volume. Karatzas diz que tal domínio vai reprimir as tarifas de fretes durante anos.

“No auge do mercado, em 2007 e 2008, nós costumávamos pagar fretes diários de mais de US$ 200 mil por um navio Capesize”, diz um executivo de uma das empresas compradoras do VALEMAX. “Estamos nos precavendo para que isso não aconteça novamente, quando o mercado se recuperar.”

Os fretes diários de navios Capesize estão atualmente abaixo de US$ 3 mil.
 

Nota DefesaNet

No dia 10 de Março 2016, a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, do Senado Federal realizou a Audiência Pública sobre os Acordos com a China.

Foram palestrantes as personalidades abaixo listadas. Ao lado os links para as suas apresentações no You Tube.

Embaixador Sérgio Silva do Amaral ( Link You Tube)

Presidente Emérito do Conselho Empresarial Brasil China

Embaixador José Alfredo Graça Lima (Link You Tube)

Subsecretário-Geral para Ásia, Oceania e BRICS do Ministério das Relações Exteriores

Larissa Wachholz (Link You Tube)

Sócia Diretora, Vallya Negócios e Investimentos

Roger Agnelli (Apresentação abaixo)

Presidente da AGN Participações
(Quando presidente da VALE foi o formulador da Estratégia VALEMAX)

Comentário DefesaNet

A Audiência Pública, realizada no dia 10 de Março 2016, pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, do Senado Federal trouxe importantes subsídios e uma visão sobre a Economia e os Acordos com a China.

O Editor de DefesaNet enviou pergunta ao Sr Roger Agnelli, que foi lida pelo presidente da Comissão, o Sen Aloysio Nunes (PSDB/SP).

A pergunta questionava a postura da VALE, a formulação da estratégia e as perdas incorridas pela pressão chinesa para o fim da frota dos mineraleiros VALEMAX.

A resposta do Sr Roger Agnelli, após uma laudatória apresentação sobre a economia chinesa (ver video abaixo), foi o exemplo típico da atual postura governamental e empresarial brasileira frente à China: "Evasiva" e "Tíbia".

Talvez a presença de assessores da Embaixada da China, na platéia, tenha constrangido o Sr Roger Agnelli, temendo a possibilidade de retaliações com a perda de futuros negócios naquele país.

É triste ver que ao Brasil restou somente a Tragédia de Mariana.

O Editor

Matérias Relacionadas

DefesaNet recomenda a leitura das matérias:

BR-CN – China torpedeia a frota dos VALEMAX  Maio 2015 DefesaNet Link

VALE – A epopéia dos navios VALEMAX Stratfor 2014 Link