COBERTURA ESPECIAL - BRICS - Defesa

26 de Janeiro, 2020 - 20:00 ( Brasília )

BR-IN - Brasil vai assinar dois acordos de defesa com a Índia, diz secretário

Governo estima aumentar exportação de armamentos ao país para US$ 1 bi em 5 anos


Patrícia Campos Mello
Déli

 
O governo brasileiro tem como meta aumentar para US$ 1 bilhão em cinco anos a exportação de armamentos para a Índia, o segundo maior importador do mundo de produtos de defesa.

Segundo afirmou à Folha Marcos Degaut, secretário de produtos de defesa do Ministério da Defesa, o Brasil está na fase final de negociação de dois acordos com a Índia, que serão assinados nos próximos meses pelo ministro da pasta, Fernando Azevedo.

Um deles prevê um fundo para financiar projetos estratégicos, produção e exportação de produtos resultantes. O outro é para cooperação no desenvolvimento e comercialização de equipamentos de defesa.

“A base industrial de defesa do Brasil quer ter acesso ao gigantesco mercado indiano e, por conseguinte, ao mercado asiático, além de formar parcerias estratégicas para desenvolvimento tecnológico, captar investimentos e desenvolver instrumentos de financiamento à exportação”, diz Degaut.

Ao lado do secretário da defesa da índia, Ajay Kumar, Degaut abrirá nesta segunda-feira (27) o Primeiro Diálogo da Indústria de Defesa Brasil-Índia. Uma delegação de empresários de dez grandes empresas de armas, munição, vigilância e aviação (ALTAVE, ATECH, AVIBRAS , CBC, CONDOR, EMBRAER, IVECO, Macjee, OMNISYS e TAURUS) acompanha a comitiva do presidente Jair Bolsonaro na visita oficial à Índia.

A Taurus, empresa brasileira que é uma das três maiores produtoras de armas leves do mundo, está em fase final de negociação de uma joint-venture com a siderúrgica indiana Jindal.

Quando concretizada a joint-venture, a Taurus passará a fabricar revólveres e pistolas   para os mercados civil e militar do país. Para o segundo, também vai participar de licitações para armas táticas.

Segundo disse à Folha o presidente da Taurus, Salésio Nuhs, o acordo se encaixaria no programa Make in India do primeiro-ministro Narendra Modi, que estimula a substituição de importações e instalação de indústrias no país, com transferência de tecnologia.

No acordo, a Taurus seria dona de 51% da nova empresa, e a Jindal, de 49%.
Hoje, o Brasil exporta para a Índia um valor muito pequeno em produtos de defesa: em 2019, foram apenas US$ 427 mil. Segundo Degaut, um dos principais obstáculos para o aumento de vendas é a escassez de mecanismos de financiamento à exportação no Brasil, incluindo instrumentos de seguro e crédito.

Nota DefesaNet


Esquecido pela comitiva o desenvolvimento da Agência de Defesa DRDO da Índia de uma aeronave de alerta antecipada utilizando a plataforma EMBRAER 145. O radar é um desenvolvimento da DRDO da ìndia.  Foto EMBRAER


Matérias Relacionadas

 

EMBRAER - Entrega o primeiro EMB 145 AEW&C para a Índia 16 Agosto 2012 Link

EMBRAER - Delivers First AEW&C Aircraft to India 16 August 2012 Link

EMBRAER - Primeiro Vôo do EMB 145 AEW&C Desenvolvido para a Índia - Entrega da aeronave está prevista para o primeiro semestre de 2012 - 06 Dezembro 2011 Link



 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Presidência da República

Presidência da República

Última atualização 01 JUN, 14:30

MAIS LIDAS

BRICS