COBERTURA ESPECIAL - Brasil - Rússia - Geopolítica

11 de Julho, 2014 - 13:30 ( Brasília )

BRICS - Não admiram o Brasil

Em virtude da Copa do Mundo de 2014 o Pew Research Center, baseado em Washington, realizou uma pesquisa em 37 países, e em 24 deles as opiniões foram favoráveis. Os resultados merecem uma análise detalhada.


Nicholle Murmel
Dados do Pew Research Center

 
 
A Copa do Mundo de 2014 é a segunda a acontecer no Brasil, e as percepções de outros países acerca da casa do Mundial são as mais diversas. O Pew Research Center, baseado em Washington, realizou uma pesquisa em 37 países, e em 24 deles as opiniões sobre o Brasil foram favoráveis, especialmente em nações da Ásia e da América Latina. Em alguns dos locais pesquisados boa parte dos entrevistados não deram opinião, e a popularidade se mostrou baixa em algumas grandes nações do oriente Médio. Porém, o levantamento apontou que o Brasil é especialmente atraente para as populações jovens ao redor do mundo.
 
Ao todo foram coletadas respostas de 41.408 pessoas entre 17 de março e 23 de maio deste ano. Em média 54% dos entrevistados nas 37 localidades têm uma visão positiva do Brasil. Enquanto 76% dos brasileiros acreditam que seu país deveria ser mais respeitado no cenário internacional.
 
A percepção mais positiva do nosso páis vem do Chile, onde 74% dos estrevistados mostraram opinião favorável. Cerca de dois terços dos participantes da pesquisa no Peru e na Venezuela também têm uma percepção positiva. Ao longo da América Latina, Nicarágua (59%), Colômbia (56%) e Argentina (56%) também têm impressões boas do Brasil. Porém, em 2013 o índice de argentinos favoráveis a nós era de cerca de 75%.
 
Em El Salvador (44%) e no México (41%), menos da metade dos entrevistados são favoráveis ao Brasil, e muitos dos entrevistados não manifestaram opinião. No México, as impressões positivas caíram 17 pontos percentuais desde 2002, quando 58% dos mexicanos viam com bons olhos o gigante sul-americano. Nos Estados Unidos, cerca de metade (51%) das pessoas pesquisadas vêem o Brasil positivamente, enquanto 26% têm uma percepção negativa, e os 24% restantes não opinaram.
 
Na França e na Polônia, em torno de seis em cada dez entrevistados se mostraram favoráveis ao Brasil - 66% e 62%, respectivamente. Já em outras nações da União Europeia as percepções positivas foram mais ou menos metade - 51% no Reino Unido, 49% na Alemanha e 47% na Espanha.


 
Ja no Oriente Médio as impressões acerca do Brasil são diversas. Mais da metade dos entrevistados de Israel (59%) se mostrou favorável ao nosso país, assim como no Líbano (54%). Mas no Egito, Jordânia e Turquia a grande maioria expressou opiniões negativas.
 
Em grande parte das nações da Ásia o público vê o Brasil sob uma luz positiva. Essa percepão é majoritária na Coreia do Sul (63%), no Japão (61%), Vietnã (59%), nas Filipinas (57%) e em Bangladesh (55%). As opiniões tabém pendem a nosso favor na Indonésia e na Malásia. Na China, principal parceiro comercial do Brasil, as opiniões são divididas - 41% positivas e 43% negativas. Na Índia e no Paquistão a maioria dos entrevistados não opinou.
 
Para as nações africanas nosso país se tornou cada vez mais um parceiro de comércio, o que contribui para impressões positivas do Brasil no continente. Apesar da abstenção de muitos dos entrevistados, os países pesquisados onde somos melhor vistos são a Tanzânia, 61% favorável, e Senegal, com 59% de impressões positivas.


 
Somos populares entre os jovens
 
Em 22 dos 37 países que a pesquisa abrange, as populações jovens - entre 18 e 29 anos - tenderam a expressar opiniões mais favoráveis ao Brasil do que entrevistados com 50 anos ou mais. A diferença de impressões de acordo com a idade é particularmente forte no Reino Unido, com uma diferença de 33 pontos percentuais, assim como no Vetnã. Na Tunísia a oscilação foi de 23 pontos percentuais, 22 pontos no México, 21 na Coreia do Sul e no Senegal, e 20 pontos na Alemanha. No geral, a maioria da população jovem em 23 dos 37 países pesquisados mostrou impressões positivas do Brasil.
 



Quem queremos, não nos quer


Os resultados dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que estarão reunidos em Fortaleza, dias 14 e 15 Julho, são o foco da política externa brasileira nos últimos anos .

Na Ásia o percentual dos dois membros dos BRICS são menores dos países da região. A população da Rússia dá os maiores sinais de aprovação ao Brasil. Não há dados disponíveis para a África do Sul.
 

Páis % Favoravel
Brasil -
Rússia 63
Índia 24
China 43
África do Sul -

 

O caso do Oriente Médio
 
Se há uma região do mundo em que as administrações Luiz Ignácio  / Dilma Rousseff apostaram foi o Oriente Médio. Aqui a percepção de apoio ao Brasil é uma das menores e são alarmantes.

Os acordo trabalhados em conjunto com a Turquia, Primeiro-Ministro Recip Erdogan, para resolver a questão do enriquecimento do urânio do Irã não ajudou, ou talvez precipitou o Brasil ter o menor índice de apoio em todos os países pesquisados (20%).

Mesmo nos Territórios Palestinos onde o Itamaraty procura influenciar o resultado é regular (45%). Na região, a maior admiração, está em um país que a administração do Itamaraty e do Palácio do Planalto, em muitos momentos, trata com hostilidade. Em Israel o Brasil tem 59% de apoio.

Dos países líderes mundiais a Alemanha é o país que tem o menor percentual de apoio ao Brasil (49 %).

Os líderes

Os maiores índices de apoio são interessantes. Geralmente em países industrializados e líderes econômicos são aqueles, que as administrações do Itamaraty e do Planalto têm em muitos momentos hostilizado.

Dos países industrializados a Alemanha é que tem o menor índice de apoio com (49%).

País Industrializados Índice
França 66
Coréia do Sul 63
Japão 61
USA 51
UK 51
Itália 50

 















 



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 22 JUN, 13:20

MAIS LIDAS

Brasil - Rússia