COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

27 de Abril, 2014 - 14:10 ( Brasília )

INFORME OTÁLVORA - Rebelião inspirada em Chávez sacode quartéis na Bolívia

Governo chinês oferece “apoio e compreensão” a Rául Castro e Nicolás Maduro.

Para o texto original em espanhol publicado no Diario Las Américas

Rebelión inspirada en Chávez sacude cuarteles en Bolivia Link




EDGAR C. OTÁLVORA.- ANALISTA
@ecotalvora


Os governos da Venezuela e da Colômbia tentam que o Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, viaje à Caracas para participar de uma reunião do mecanismo de diálogo entre o governo e a Mesa da Unidade Democrática (MUD) . A ministra das Relações Exteriores da Colômbia Maria Angela Holguin, e o venezuelano Elias Jaua, que estão em Roma para a canonização do Papa João XXII e o Papa João Paulo II marcada para 27ABR14.

Ambos solicitaram audiências ao Cardeal Parolin . O governo colombiano estima que a presença do chefe da diplomacia do Vaticano, em Caracas, poderia acelerar ainda mais o mecanismo , que consideram rodando a uma velocidade muito baixa.

*****

O presidente chinês visitará a América Latina em julho próximo , o que confirma o grande interesse de Beijing em expandir sua influência política e econômica na região. Xi Jinping vai chegar em Havana e Buenos Aires para visitas oficiais. Então vai para Fortaleza , Brasil, onde se reunirá com os líderes da Rússia , Índia , África do Sul e a anfitriã Dilma Rousseff, em uma cúpula do Grupo dos países BRICS.

Depois viajará para Brasília, onde terá uma visita oficial . Na capital brasileira concluirá uma reunião multilateral com os presidentes da Costa Rica , Cuba, Equador, Brasil e Antígua e Barbuda. Durante a sua viagem , o líder chinês estará em duas ocasiões distintas com Raul Castro .

*****

Apoio e compreensão são duas palavras que o ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, ofereceu a Havana e Caracas durante uma turnê que começou em Cuba , 20ABR14, e o levou para Venezuela, Argentina e Brasil. Em Caracas, se reuniu com o ministro do Exterior Elias Jaua, 21ABR14. Wang disse: "Nós somos amigos e parceiros. Compreendemos e apoiamos o socialismo do século XXI ".

Um dia antes , em sua reunião com o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, Wang disse que "é muito importante para fortalecer a relação estratégica e de cooperação entre a China e Cuba " , um país que ele descreveu como " amigo de confiança " e que também ofereceu " apoio e entendimento. " Exceto pela escala em Caracas , onde visitou Nicolas Maduro, o ministro das Relações Exteriores chinês visitou apenas os países que fazem parte da turnê de Xi Jinping . A presença de Wang no Palácio de Miraflores, depois de meses de protestos nas ruas da Venezuela, foi interpretada como um renovado apoio político de Pequim ao regime de Chávez.

*****

Forças Armadas "descolonizadas ,anti-imperialista e anti-capitalista" é o jargão do alto comando atual da Bolívia. Estes conceitos foram expressos , em 07ABR14,  pelo almirante Victor Baldiviezo Hache, que desde dezembro é o Comandante em Chefe das Forças Armadas. As reformas no aparato militar, que serão incorporadas  a uma nova Lei Orgânica em fase de elaboração , mostram a clara influência Castro-Chávez nos quartéis bolívianos.

Por decisão de Evo Morales, na sua qualidade de Comandante em Chefe, desde 2010 a saudação militar boliviano para o slogan de inspiração cubana "Patria o Muerte, Venceremos". No entanto, as reformas doutrinárias não satisfazem um grupo de sargentos, que em 21ABR14, convocaram  uma " greve nacional " militar exigindo mais " descolonização" .

*****

Na terça-feira 22ABR14 as ruas do centro de La Paz foram palco de um protesto sem precedentes. Vestindo o uniforme , centenas de soldados de baixa patente , muitos vindo de cidades como Santa Cruz e Cochabamba, marcharam em sinal de rejeição aos líderes militares e ministros da Defesa e da Presidência. Desde o dia anterior,concentraram-se, na frente da  Asociación Nacional de Suboficiales y Sargentos de las Fuerzas Armadas del Estado (Ascinalss), um grande grupo de soldados se reuniram para protestar. Mesmo a milícia paramilitar pró-governo, os "Ponchos Rojos", enviaram representantes para apoiar a ação da polícia.

Um dos meios para expressar seu descontentamento e suas propostas era um vídeo mostrando o falecido Hugo Chávez como ele falou de reformas militares na Venezuela. Esposas de militares permaneceram em greve de fome em várias cidades do país, enquanto as autoridades militares ordenaram ação disciplinar contra quatro sargentos acusados de liderarem os protestos. Também foram expulso dezenas de sargentos que cursavam a Escola  Militar de Engenharia . Contra o racismo e a discriminação é o slogan proposto pelos militares bolivianos com o apoio ativo da associação que reune as suas esposas.

*****

Durante março, os sargentos e suboficiais da Bolívia apresentaram à consideração do comandante das forças armadas, um projeto de lei para a reforma militar. O projeto inclui várias reivindicações , como o acesso aos estudos universitários e provisão de habitação.

Mas o ponto focal é uma reforma do sistema de hierarquias que copia o modelo imposto por Chávez às Forças Armadas venezuelanas em 2008. Os sargentos bolivianos esperam que a sua categoria desapareça e sejam classificados como "Oficiais Técnicos" equiparados em prerrogativas a aos oficiais oriundos das  academias militares . Outra proposta dos rebeldes seria a criação de uma " guarda nacional ".

*****

Ruben Saavedra, ministro da Defesa da Bolívia, e ex-ativista trotskista , rejeitou a reforma proposta pela sargentos alegando que " pretendia  diluir a disciplina no seio das forças armadas e de quebrar a estrutura da instituição militar". Chávez inspirou a reforma da hierarquia militar boliviana, rejeitada pelo alto comando, e estava nas mãos de Evo Morales,   cujo apoio os militares rebeldes exigiram . É uma reforma que já causou desconforto nos quartéis da Venezuela, já que a oficialidade oriunda  de escolas militares se ressentia do fato de que o " oficial técnico" poder comandar oficiais e soldados de carreira.

*****

Durante a semana aumentaram as medidas disciplinares. Na quarta-feira, 23ABR14, foram expulsos nove sargentos da Força Aérea . Na quinta-feira , uma declaração oficial do Alto Comando, anunciou  "a  aposentadoria compulsória" de 702 sargentos e suboficiais sob a acusação de " sedição , motim, realizarem  atividades políticas e violarem  coletivamente a dignidade e a honra das forças armadas". Número que representa cerca de nove por cento dos desta categoria nas Forças Armadas Bolivianas.

Dos expulsos 381 são oriundos do Exército e 300 são da Força Aérea. Enquanto isso, uma marcha de centenas de soldados, desta vez em uniformes de campanha , acompanhados pelos Ponchos Rojos e alguns membros do partido do governo MAS, percorreram na quinta-feira(24ABR14),  a distância entre El Alto e La Paz . Logo depois, o ministro da Defesa acusou grupos de oposição e " agitadores trotskistas" de promoverem e financiarem os protestos militares , enquanto os militares estavam recebendo apoio de setores pró-governo de esquerda. O almirante Baldivieso foi encarregado, na noite de 24ABR14, de proferir  as “palavras-chave” para justificar a expulsão em massa, acusando-os de "promoverem um golpe de Estado."

*****

A Política Militar de Morales tem sido influenciada por Hugo Chávez. O início do governo , em 2006, foi marcado pela ida para a reserva de trinta oficiais superiores, tornando assim o Alto Comando seria composto por  oficiais confiáveis, aos olhos de  assessores venezuelanos e cubanos. Seguindo o conselho de Chávez, Morales manteve-se na proximidades dos quartéis, promovendo e participando de incontáveis ações militares e proporcionando mais recursos para os comandantes militares.

Em agosto de 2013, durante manobras do Exército, Morales começou a usar uniforme militar, emulando seu guia venezuelano. Morales impôs mudanças na "doutrina" militar boliviana que definem as Forças Armadas como " nacionalista, socialista e anti-imperialista"  imitando a pregação de  Chávez. Além disso, Morales anunciou, em 2013,  a organização de milícias armadas estilo chavista, que serão denominadas de "comités de defensa patrióticos” (comitês de defesa patriótica),  serão incoporados à população civil em tarefas militares.

A cópia do modelo militar de Chávez, por Morales, sofreu um percalço esta semana, ao optar por manter sua aliança com os oficiais superiores, em vez de apoiar a tese dos sargentos inspirada em Chávez. Na sexta-feira, 25ABR14, durante uma cerimônia militar em La Paz, em um discurso para o Alto-Comando , Morales disse que si no hay disciplina no hay Fuerzas Armadas”.Arebelião chavista dentro das forças armadas da Bolívia foi umatentaiva sem o apoio de Evo Morales.