COBERTURA ESPECIAL - Task Force Brazil - Geopolítica

05 de Julho, 2021 - 11:00 ( Brasília )

Relatório Otálvora: CIA Inicia Diplomacia Sul-Americana de Biden

O veterano diplomata William J. Burns, nomeado chefe da CIA por Biden, desembarcou em Brasília DF, 01 de Julho 2021, após visita a Colômbia.


EDGAR C. OTÁLVORA
Diario Las Américas
03 de julho de 2021
@ecotalvora


 
 
O diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) fez uma viagem furtiva por vários países da América do Sul, tornando-se a mais alta autoridade dos EUA a visitar a Colômbia e o Brasil desde o início do governo Joe Biden.

O veterano diplomata William J. Burns, nomeado chefe da CIA por Biden, desembarcou em Bogotá, presumivelmente em 29JUN2021. O governo colombiano se absteve de comentar a visita de Burns, exceto pelas declarações do ainda embaixador colombiano em Washington Francisco Santos, que anteriormente disse que se tratava de uma "missão delicada" e "uma missão de inteligência importante que conseguimos coordenar".

A presença de Burns em Brasília foi conhecida por dois vazamentos do próprio governo brasileiro: em declarações informais a um grupo de simpatizantes, Bolsonaro revelou ter se encontrado com o enviado dos Estados Unidos com quem teria analisado "coisas na América do Sul". O encontro aconteceu no Palácio do Planalto em meados da tarde do dia 01JUL2021, com a presença do Embaixador dos Estados Unidos Todd Chapman e do Ministro-Chefe do Gabinete de segurança Institucional Gen Ex Augusto Heleno e Alexandre Ramagen,  diretor da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) . Após a reunião presidencial, já à noite, Burns teria participado de um jantar oferecido pelo Embaixador Chapman em sua residência oficial no Lago Sul de Brasília, ao qual os generais (aposentados) Luiz Eduardo Ramos e Augusto Heleno, ministros da Casa Civil e Institucional Segurança.


Nota DefesaNet

A única menção oficial à visita do Diretor-Geral da CIA ao Brasil foi publicada pelo Dirretor da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), Antonio Ramagem em suas contas no Twitter e Instagram.
Na foto a partir da esquerda: Antonio Ramaagem (ABIN, Presidente Jair Bolsonaro, Willian Burns (CIA), embaixador Todd Chapman e Gen Ex augusto heleno (GSI) 

*****

Um dia antes da viagem de Burns a Bogotá, Joe Biden havia mantido uma conversa telefônica incomum com o presidente colombiano Iván Duque. Alguns membros do ambiente próximo de Biden são hostis aos governos do Brasil e da Colômbia, mas a definição desses países como aliados estratégicos continua na prática.

Dois eventos teriam acelerado a decisão de Biden de se comunicar diretamente com Duque: a explosão de um carro-bomba dentro de um quartel do Exército colombiano, em 15JUN2021, e o ataque com disparos de arma de fogo ao helicóptero que transportava Duque e seus ministros de Defesa e Interior ocorreram em 25JUN2021. Ambos os eventos ocorreram na área da fronteira colombiano-venezuelana. O ataque com carro-bomba ocorreu contra o quartel-general da 30ª Brigada do Exército colombiano com base em Cúcuta.

Esta unidade militar está encarregada de organizar e executar as principais operações antinarcóticos na área do Catatumbo colombiano, na fronteira com a Venezuela. Militares dos Estados Unidos, pertencentes à "Brigada de Assistência à Força de Segurança dos Estados Unidos" e realizando atividades de assessoramento no terreno, estavam no quartel-general militar de Cúcuta no momento da explosão.

Por sua vez, o ataque a Duque ocorreu com tiros desde o solo, quando voltava de uma visita de trabalho à Sardinata, na área de Catatumbo de operações antinarcóticos. Sua aeronave (helicóptero Blackhawk), já estava em rota de aproximação para pouso no aeroporto de Cúcuta, a menos de dois quilômetros do rio Táchira que marca a fronteira entre Venezuela e Colômbia.

*****

Após a conversa Biden-Duque em 28 de junho, a Casa Branca emitiu um comunicado no qual se sabia que o americano expressava seu apoio "após o ataque ao helicóptero presidencial colombiano". Biden anunciou a doação de dos milhões e meio de vacinas anti Covid19 e se referiu aos “direitos dos manifestantes pacíficos” ao mesmo tempo condenou o “vandalismo” em referência aos protestos e ações de terrorismo urbano, que ocorrem na Colômbia desde fins do mês abril.
 
Biden referiu-se à “cooperação conjunta em segurança” entre os EUA e a Colômbia e a situação venezuelana durante a conversa com Duque: “o presidente compartilhou sua preocupação com a situação na Venezuela e seu impacto regional e destacou a importância de ampliar o consenso internacional para favor de negociações abrangentes que conduzam a uma eleição livre e justa ”. Foi a primeira vez que o presidente dos Estados Unidos confirmou diretamente a posição de seu governo perante a Venezuela.

Após a ligação telefônica, a imprensa de Bogotá procurou Juan González, o colombiano-americano que atua como assessor de Biden e responsável pelo Hemisfério Ocidental no Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca. Em declarações à rede Caracol, González apresentou um novo elemento em relação à posição dos Estados Unidos na crise venezuelana. González reiterou o que foi expresso por outros altos funcionários do governo Biden a respeito do fato de os Estados Unidos apoiarem "uma negociação na Venezuela, que levará a eleições livres e justas" e "considera que a Colômbia teria um papel fundamental em uma eventual negociação".

Mas González acrescentou que "a Colômbia deve ter um lugar à mesa com o resto da comunidade internacional, dada a história que a Colômbia e a Venezuela têm". Desse modo, o assessor de Biden parece ter se referido a uma espécie de mesa de negociações internacionais sobre a Venezuela, diferente do esquema de negociações promovido internacionalmente, mas limitado ao governo de fato de Nicolás Maduro e à “oposição”. Nenhum outro porta-voz dos EUA confirmou a afirmação de González.


Clique para expandir a imagem

Foto do helicóptero Blackhawk usado pelo presidente Iván Duque. ao lado algumas imagen dos impactos

*****

Enquanto Joe Biden falava, no dia 28JUN2021, com o presidente colombiano, seu secretário de Estado, Antony Blinken, estava na fase final de uma viagem pela Europa, que o levou, entre outros lugares, à Santa Sé. A visita ao Vaticano foi parte da reconstrução dos laços da Casa Branca com os principais centros de poder e alerta para uma provável visita de Biden.
 
Blinken manteve uma reunião de trabalho com os chefes do aparato político do Vaticano, o secretário de Estado Pietro Cardenal Parolín e o secretário de Relações com os Estados, o arcebispo Paul Gallagher. O “retorno à democracia” na Venezuela foi um dos temas expressamente discutidos entre os chefes da diplomacia estadunidense e o Vaticano.

Posteriormente, Blinken foi recebido pelo Papa Francisco, em uma audiência especial, no que vários participantes descreveram como um encontro muito cordial que durou quase uma hora, marcando um novo clima entre Washington e a Santa Sé. Segundo a versão do Departamento de Estado, na conversa entre o Papa e Blinken, a "questão da Venezuela" foi novamente abordada na perspectiva da "crise humanitária" que vive.

 

*****


Com a potencial dissolução do Grupo Lima na Venezuela, a diplomacia norte-americana tem buscado um novo esquema de apoio internacional em busca de uma saída para a crise venezuelana. A posição de Washington, expressa por altos porta-vozes da Casa Branca e do Departamento de Estado, é manter o esquema de sanções contra o regime chavista, promover negociações que levem a eleições presidenciais com garantias e observação internacional. A suspensão das sanções seria o incentivo, segundo o antigo e o atual governo dos Estados Unidos, para que o regime venezuelano aceitasse mudanças que pudessem levar ao seu deslocamento do poder.
 
*****

A posição dos EUA se materializou em uma declaração conjunta incomum do Secretário de Estado Antony Blinken, do Ministro das Relações Exteriores canadense Marc Garneau e do alto representante da União Europeia Josep Borrell, divulgada em 25 de junho de 21. Os três porta-vozes afirmaram que “a solução pacífica para esta profunda crise política, social e econômica [na Venezuela] deve partir do próprio povo venezuelano, por meio de amplas negociações promovidas pelos venezuelanos em que participem todos os atores interessados.

Um processo de negociação abrangente, com prazos específicos, deve permitir o restabelecimento das instituições do país e permitir que todos os venezuelanos se expressem politicamente por meio de eleições locais, parlamentares e presidenciais credíveis, inclusivas e transparentes ”.

No âmbito das negociações com os Estados Unidos, Borrell já havia anunciado, no dia 21JUN2021, o envio de uma "missão técnica" à Venezuela. Ao final do encontro de chanceleres europeus daquele dia, Borrell afirmou que “na Venezuela há uma possível abertura política. Estou enviando uma missão de avaliação técnica [exploratória] para ajudar a considerar se estão reunidas as condições para enviar uma missão de observação para as eleições de novembro.

O que estou fazendo é simplesmente enviar uma missão técnica para avaliar se as condições para o envio de uma missão de observação podem ser cumpridas. " A missão enviada por Borrell deve chegar a Caracas, no dia 06JUL2021.

O governo de facto da Venezuela convocou votos regionais para 21NOV2021, e com eles busca melhorar sua imagem internacional e argumentar contra as sanções impostas basicamente pelos Estados Unidos e em menor grau pela União Européia. Normalizar o regime é o propósito do chavismo com esses votos enquanto o arquipélago anti-chavista debate sobre sua participação.
 

*****


Um comunicado divulgado recentemente por um grupo de ex-reitores da Universidade de Los Andes, de Mérida, indica que na Venezuela “todos os partidos agora são pequenos. As únicas estruturas partidárias maiores que restam são as Forças Armadas, controladas, por enquanto, com disciplina militar, e a gigantesca burocracia estatal com disciplina mais frouxa, unidas pelos laços frágeis de dependência salarial, medo, cumplicidade tácita, vadiagem tolerada e silêncio ”. O documento é assinado por José Mendoza Angulo, Néstor López Rodríguez e Genry Vargas Contreras.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Expansão Chinesa

Expansão Chinesa

Última atualização 29 JUL, 11:11

MAIS LIDAS

Task Force Brazil

1