COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Inteligência

02 de Julho, 2022 - 14:20 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Grupo Puebla assume governo da Colômbia

A chegada de Gustavo Petro à Presidência da Colômbia é interpretada por seus parceiros políticos regionais como um passo para a constituição de uma "unidade ideológica" na América do Sul


 

Edgar C. Otálvora
Diário Las Américas
02 de Julho de 2022
@ecotalvora

 
 
Os membros de uma delegação de alto nível enviada pelo governo dos Estados Unidos permaneceram em Caracas por quatro dias .

A delegação que esteve em Caracas até o dia 30JUN2022, foi chefiada pelo "Enviado Especial para Assuntos de Reféns" do Departamento de Estado Roger Carstens, acompanhado de James Story, embaixador responsável pela missão diplomática dos Estados Unidos na Venezuela que opera a partir de Bogotá. A visita a Caracas teria sido coordenada pelo Departamento de Estado tanto com o governo de fato de Nicolás Maduro quanto com o governo provisório de Juan Guaidó. Este fato marcou a diferença com a visita dos enviados dos EUA que visitaram Maduro em 05MAR2022, que foi organizada a partir da Casa Branca e chefiada pelo assessor presidencial Juan González.

O foco da visita de junho teria sido negociar com o governo de fato a libertação de um dos vários americanos que permanecem presos na Venezuela, que o regime chavista usa como reféns e bens negociáveis. A notícia da tentativa de suicídio do ex-fuzileiro naval Matthew Heath, preso na Venezuela desde 2020, teria aumentado a pressão política sobre a Casa Branca para buscar a evacuação do americano por razões humanitárias. Segundo várias fontes, os enviados dos EUA foram autorizados a visitar Heath em um hospital militar em Caracas e também conseguiram se encontrar com outros americanos presos nas instalações da polícia política do regime.
 
Jorge Rodríguez, que junto com sua irmã Delsy Rodríguez chefia o aparato “diplomático” do regime, foi o encarregado de negociar com os enviados do governo Biden. A questão do reatamento das “negociações” entre o regime e a “Plataforma Unitária” foi também alvo de conversas. A redução das sanções dos EUA às petrolíferas estatais continua a ser a principal condição do regime para avançar nas conversações com os EUA e concordar em voltar a sentar-se à mesa com a oposição no México.

 

*****

Nos quatro dias de permanência em Caracas, os enviados norte-americanos realizaram encontros individuais com Juan Guaidó e o principal negociador da oposição Gerardo Blyde, além de um encontro com um grande grupo de líderes dos diferentes partidos reunidos na “Plataforma Unitária”. O governo francês, por meio de seu embaixador em Caracas Romain Nadal, prestou apoio logístico à delegação norte-americana e o encontro entre Story e opositores ocorreu no dia 29JUN2022, na residência do diplomata francês.


 

 

*****


Depois de não ter feito um convite a Juan Guaidó para a Cúpula das Américas como preço para garantir a presença de vários líderes da região, o presidente Joe Biden teve uma conversa telefônica, no dia 08JUN2022 com o venezuelano. Naquela ocasião, uma visita a Washington da esposa de Guaidó, Fabiana Rosales, foi planejada como um sinal de apoio contínuo dos EUA ao "governo provisório" da Venezuela. A visita de Rosales à Casa Branca ocorreu, em 23JUN2022, com um encontro informal com Joe Biden e uma longa conversa com a primeira-dama Jill Biden.

Fontes próximas a Guaidó comentaram ao Relatório Otálvora, que sua avaliação do momento atual é de que o apoio do governo norte-americano seja mantido sem fissuras, a Casa Branca assumiu que deveria enviar mensagens públicas claras sobre essa situação e, a isso, respondeu com o convite da senhora Guaidó à Casa Branca e a coordenação da visita da delegação do Departamento de Estado a Caracas.

 

*****

 
Um dos elementos que várias chancelarias europeias e latino-americanas estão tratando em relação à Venezuela é a constituição de um novo “grupo de amigos” para servir de apoio internacional a uma hipotética nova rodada de negociações entre Maduro e a “Plataforma Unitária”.
 
A ministra chilena das Relações Exteriores, Antonia Urrejola, disse em Madri, em 01JUL2022, junto com seu colega espanhol José Albares, que o governo chileno promove "o restabelecimento de um grupo de contato internacional". Além da atividade dos diplomatas noruegueses, outros governos estudam a possibilidade de atender ao convite para participar como facilitadores, testemunhas ou garantidores das novas hipotéticas conversações. O assunto também foi analisado pelo Vaticano e em conversa telefônica, no dia 06JUN2022, o secretário de Estado norte-americano Antony Blinken teria trocado opiniões com seu homólogo da Santa Sé Petro Cardenal Parolín.
 

*****

 
A chegada de Gustavo Petro à Presidência da Colômbia é interpretada por seus parceiros políticos regionais como um passo para a constituição de uma “unidade ideológica” na América do Sul . Assim o definiu o presidente argentino, Alberto Fernández, um dos fundadores do Grupo Puebla, em entrevista em 29JUN2022.

"Os resultados desta disputa eleitoral replicam a chegada de lideranças progressistas na região que devem continuar com a próxima eleição do camarada Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência do Brasil", disse o Grupo Puebla ao saber dos resultados da eleições colombianas, em 19JUN2022.
 

*****

 
A aliança de esquerda liderada por Petro para as eleições parlamentares e presidenciais, o chamado "Pacto Histórico", é parte orgânica do "Grupo de Puebla" através da senadora eleita Clara López, que fazia parte do comando da campanha eleitoral. López e outros integrantes do pacto liderado por Petro participaram do evento organizado pelo Grupo Puebla, em 30MAR2022, no Rio de Janeiro, para demonstrar apoio internacional à candidatura de Lula da Silva. Nesse evento, de Buenos Aires, o presidente argentino interveio em franca ingerência na política do país vizinho. O colombiano Ernesto Samper Pizano e o espanhol José Rodríguez Zapatero, integrantes do Grupo, também viajaram para a capital fluminense.

Segundo o Grupo Puebla, os resultados eleitorais colombianos significam que "após 28 anos a Colômbia volta a ter um governo progressista", com o que o Grupo anuncia que o governo de Gustavo Petro tem seu antecedente no governo de Ernesto Samper Pizano, assunto que foi nunca tornado público durante a campanha eleitoral.
 

*****

 
Petro deve tomar posse em 07AGO2022. Até o momento, ele revelou apenas duas nomeações dos altos escalões do governo. O Ministério da Fazenda será ocupado por José Antonio Ocampo, economista que já ocupou o cargo no governo de Ernesto Samper, com quem trabalhou no governo de Cesar Gaviria Trujillo. Naqueles dias, Ocampo era como Samper, um forte opositor da abertura econômica que Gaviria estava promovendo em aliança com o governo venezuelano de Carlos Andrés Pérez.

A chancelaria do Petro será ocupada por Álvaro Leyva Durán, originalmente filiado ao Partido Conservador desde a década de 1970, que ao longo de sua carreira política estabeleceu uma relação pessoal com os chefes das FARC que passou a representar perante o governo de Andrés Pastrana nas tentativas de paz negociações. Além de Leyva, no grupo de ligação (“junção” dizem em Bogotá) de Petro com o governo cessante está Juan Fernando Cristo, um político próximo de Ernesto Samper que também atuou como Ministro do Interior no governo de Juan Manuel Santos .

 

*****


Em 29JUN2022, o presidente argentino Alberto Fernández participou de uma longa e agradável entrevista com Gustavo Sylvestre no programa M1 do canal C5N em Buenos Aires. No início do programa, pediu à oposição argentina que se abstivesse de comentar a situação econômica daquele país. Mais tarde, quando passou aos assuntos internacionais, afirmou que na América do Sul “pouco a pouco as coisas estão se ordenando com Gabriel Boric no Chile, que está fazendo um grande esforço, Lucho Arce na Bolívia, Castillo no Peru e agora Petro na Colômbia. E finalmente Lula, que pessoalmente espero que vença. Desta forma, poderemos ter uma lógica de unidade conceitual muito mais sólida do que temos até agora”.

Embora Fernández não tenha incluído Maduro em sua lista, ele não deixou de defender a ditadura chavista. O argentino afirmou que "as coisas na Venezuela melhoraram muito e essas denúncias [sobre violações de direitos humanos] não existem mais". Algumas horas depois do programa de TV de Fernández, a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apresentou o que será seu último relatório sobre a Venezuela mostrando um panorama muito diferente do sugerido por Fernández.

Fernández anunciou que a série de vitórias eleitorais “progressistas” no continente permitirá avançar no plano acordado com o mexicano Manuel López Obrador no final de 2019, que consiste em enfraquecer a OEA e fortalecer “institucionalmente” a CELAC. "A OEA não serve mais", assegurou, adiantando que avançarão criando uma Secretaria-Geral e uma estrutura organizacional para a CELAC, órgão continental que não inclui os Estados Unidos nem o Canadá e do qual o Brasil permanece afastado.
 
Aliás, está marcada para 25JUL2022 a visita de Fernández à Casa Branca, oferecida pelo governo Biden ao argentino como uma das recompensas por sua participação na Cúpula das Américas. Alguns membros da equipe de Biden parecem se sentir à vontade com Fernández como interlocutor regional, em detrimento do Brasil.

 

 

*****

 
Em 26JUN2022, em declarações ao programa 4 por 4, Jair Bolsonaro relatou uma conversa com Alberto Fernández quando se encontraram na Cúpula das Américas, em 09JUN2022 em Los Angeles. Bolsonaro teria pedido a Fernández que intercedesse junto ao governo boliviano para que a ex-presidente Jeanine Añez pudesse sair da prisão e deixar o país para o Brasil, onde receberia asilo político. Añez está presa desde 13MAR2021, primeiro em condição de “prisão preventiva” e desde 10JUN2022 condenada a 10 anos de prisão como parte de um processo de vingança política realizado por Evo Morales contra a mulher que assumiu a vaga presidencial, em 12NOV2019, quando ele renunciou ao cargo e deixou o país.
 
Bolsonaro, que no início do governo tinha uma equipe de política externa pouco capacitada em ativismo internacional, tem sido muito limitada em suas ações diplomáticas diretas. Sua decisão de se envolver pessoalmente na tentativa de resgatar a presa política Añez foi um ato inusitado na política de Bolsonaro e, com base em seus resultados, parece ter sido um ato de ingenuidade política recorrer a Fernández.

O argentino zombou de Bolsonaro durante o programa de TV de 29JUN2022. "Como ele já tornou isso público, eu já posso dizer." "Ele me pediu para interceder junto ao Brasil para que Añez fosse para o exílio e eu respondi que não podia, graças a Deus, fazer isso."

Curiosamente, na mesma entrevista, ao se referir ao líder esquerdista argentino Milagro Sala, que continua preso após ser condenado por fraude contra a administração pública, o presidente argentino disse que rejeitou a prisão de Sala e criticou que com ela "se tenham tornado prisão em uma condenação antecipada.
 

*********


“O Brasil tem o último governo pró-americano no continente e é nosso aliado mais importante no Hemisfério Ocidental. Permitir que o Brasil se torne uma colônia chinesa seria um grande golpe para os EUA e uma potencial ameaça militar, e o governo Biden é a favor disso". Foi assim que o jornalista americano Tucker Carlson, da rede FOX, apresentou uma entrevista gravada no dia 29JUN2022, no Palácio da Alvorada, em Brasília, com o presidente Jair Bolsonaro. Carlson se referiu ao desinteresse demonstrado por Joe Biden pelo governo brasileiro.
 
Na entrevista que foi veiculada pela FOX nos EUA em 30JUN2022, Bolsonaro se referiu à possibilidade de vitória de Lula da Silva nas eleições marcadas para 02OUT2022. "Se eles voltarem ao poder, nunca mais o deixarão." O Brasil “seguiria o mesmo caminho da Venezuela, Argentina, Chile e agora Colômbia. O Brasil se tornará mais um vagão desse trem. E os EUA se tornarão praticamente um país isolado no mundo.”

Bolsonaro alertou sobre suspeitas de fraude eleitoral. Ele assegurou que pesquisas como a da empresa Datafolha associada ao grupo editorial da Folha de São Paulo, que dão ampla vantagem a Lula, visam "dar credibilidade a uma possível manipulação de votos" sobre a qual disse ter "evidências circunstanciais."
 
Por certo. Em entrevista a Carlson, Bolsonaro acusa a esquerda de usar os problemas econômicos globais causados ??pela guerra na Ucrânia para derrotá-lo nas eleições. Em sua entrevista com Sylvestre, Fernández acusou o macrismo de usar os problemas econômicos globais causados ??pela guerra na Ucrânia para desestabilizá-la. Direita e esquerda usando oo mesmo  argumento .


VEJA MAIS