COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Inteligência

04 de Dezembro, 2021 - 22:30 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Esquerda planeja controlar o continente

O Grupo Puebla deixa rapidamente de ser um grupo de "reflexão" e propaganda da esquerda continental para se tornar um aparato de ação política paraestatal internacional.

Relatório Otálvora: Esquerda planeja controlar o continente

 

EDGAR C. OTÁLVORA
Diario Las Americas
4 de dezembro de 2021
@ecotalvora


 
Os EUA poderiam fornecer uma frota de aeronaves F16 para a Colômbia

A principal plataforma de vôo da Força Aérea Colombiana são os caças israelenses Kfir, adquiridos no final da década de 1980. Apesar das inúmeras atualizações, os Kfir colombianos, herdeiros do francês Mirage 5, exigem substituição imediata e o mercado mundial de armas está se movimentando na competição pela venda de duas dezenas de aeronaves de combate. As relações particulares da Colômbia com os EUA e um notável interesse do governo Biden em alavancar a indústria militar norte-americana, levantam especulações sobre uma decisão colombiana a favor da versão F-16V, em detrimento das ofertas sueca e francesa.

A propósito, a Casa Branca estaria planejando uma visita antecipada de Joe Biden à Colômbia. Inicialmente, teria sido combinada uma viagem de dois dias, provavelmente a Cartagena das Índias, em meados de dezembro de 2021. A viagem não se concretizou e os dois governos estariam negociando uma nova data.

(Nota DefesaNet - Caso a Colômbia opte pelo caça SAAB JAS 39 Gripen o Brasil participaria como co-produção na EMBRAER. A Força Aérea Brasileira (FAB) receberá as primeiras quatro unidades no início de 2022.)
 

*****

 
O Departamento de Estado dos Estados Unidos decidiu renovar a lista de organizações e indivíduos relacionados ao terrorismo na Colômbia. Além de retirar da lista de terroristas guerrilheiros falecidos como o chefe das FARC Manuel Marulanda e seu genro Raúl Reyes, o governo dos Estados Unidos também retirou de sua lista negra líderes políticos "pacificados", como Rodrigo Londoño Timochenko e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, a organização guerrilheira das FARC foi dissolvida e transformada no partido Comunes.

O governo dos Estados Unidos advertiu que "a decisão de revogar a designação não altera a posição em relação a qualquer acusação ou possível acusação nos EUA contra ex-líderes das FARC, incluindo tráfico de drogas" nem apaga a culpa por crimes contra a humanidade, mas "facilitará a capacidade dos EUA de apoiar melhor a implementação do acordo de 2016, incluindo o trabalho com desmobilizados ”.

Simultaneamente, a lista controlada pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos passa a incluir os nomes adquiridos pelos "dissidentes" das FARC que nunca cederam as armas: Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia - Ejército del Pueblo FARC-EP  o "Segunda Marquetalia". As organizações guerrilheiras chefiadas por Iván Márquez, Hernán Darío Velásquez "El Paisa" e Henry Castellanos "Romaña" e que são aliados declarados do regime chavista venezuelano agora fazem parte da lista oficial de terroristas. De acordo com a lista atualizada do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, Iván Márquez está domiciliado no estado de Apure, na fronteira da Venezuela com a Colômbia.
 
A propósito, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos aproveitou as mudanças na lista de terroristas para atualizar informações sobre vários líderes chavistas. Um deles é Fredy Bernal Rosales, que as autoridades eleitorais do regime proclamaram governador do estado de Táchira, fronteira com a Colômbia, na votação de 21NOV2021.
 

*****

 
O Grupo Puebla rapidamente deixa de ser um grupo de "reflexão" e propaganda da esquerda continental para se tornar um aparato de ação política internacional paraestatal. Diplomacia paralela à oficial, que os governos Castro-Chavista chamaram de "diplomacia social" e que realizaram nas últimas duas décadas tendo Hugo Chávez como pivô e financista, agora está centrada no Grupo Puebla, que se reuniu, em 30NOV a 02DEZ 2021, na cidade do México.
 

*****

 
Embora a reunião não tenha sido realizada em um prédio do Estado, já que foi realizada no famoso hotel "Fiesta Americana Reforma", ela teve o patrocínio oficial do Estado mexicano e do partido governante Morena. Estiveram presentes o chanceler Marcelo Ebrard e o presidente da Morena Mario Delgado, e o evento também foi transmitido nos sistemas de internet do governo mexicano. O encontro contou com a participação, via internet ou presencial, de altas autoridades da Argentina, Bolívia, Peru e México, incluindo os presidentes Alberto Fernández e Luis Arce da Argentina e Bolívia, a vice-presidente peruana Dina Boluarte e ministros da Argentina e do México. Em última análise, foi um evento com a presença oficial de pelo menos quatro governos.
 
Além disso, estiveram presentes os espanhóis José Rodríguez Zapatero e Juan Carlos Monedero, ambos operadores internacionais do regime chavista; os brasileiros Lula da Silva (participação via tele) e Dilma Rousseff, os colombianos Ernesto Samper Pizano e Iván Cepeda, o paraguaio Fernando Lugo e o equatoriano Rafael Correa. Samper atua como coordenador da produção de documentos do grupo.

Como de costume, a proclamação da reunião do México incluiu o apoio às ditaduras da Venezuela, Nicarágua e Cuba, embora os “pueblanos” tenham o cuidado de não incluir representantes desses regimes nos acontecimentos do Grupo Puebla.

 

*****


Uma intervenção particularmente relevante, via vídeo, foi a do ex-presidente do Parlamento Europeu Martín Schulz, que também é ex-presidente do Partido Social-Democrata (SPD). Schulz anunciou que o novo governo alemão, liderado por seu partido, tenderá a unir forças com as forças "progressistas" da América Latina para enfrentar a "extrema direita". O alemão interveio no fórum mexicano na qualidade de presidente da Fundação Friedrich Ebert (FES) pertencente ao SPD, o que sugere que a Fundação Social-democrata alemã está obtendo financiamento para as despesas operacionais do Grupo Puebla. (Veja a apresentação de Schulz na íntegra em um espanhol de fácil entendimento)
 

*****


É marcante a reiterada presença da mexicana Alicia Bárcena nos acontecimentos do Grupo Puebla, apesar de sua condição de funcionária da ONU como Secretária Executiva da CEPAL. A intervenção de altos funcionários da ONU em eventos "políticos" é um terreno acinzentado nas regulamentações trabalhistas da organização multilateral, mas a participação de Bárcena em um evento político claramente partidário, e dentro de seu país de origem, é uma violação aberta das normas. que a ONU impõe aos seus funcionários.

(Importante ler
Bases para un Modelo Solidario de Desarrollo” Link)
 

*****

O secretário e fundador do Grupo Puebla, o chileno Marco Enríquez-Ominami, disputou quatro eleições presidenciais em seu país. No mais recente, o primeiro turno das eleições de 2021, somou apenas 7% do total de votos presidenciais.

No primeiro turno das eleições presidenciais peruanas de 11ABR2021, a candidata “natural” de Castro-Chavismo e fundadora do Grupo Puebla, Verónika Mendoza, mal conseguiu 7% dos votos. Estes resultados fizeram com que todo o aparato internacional Castro-Chavista se voltasse para apoiar o "candidato secreto" de Evo Morales, o finalmente vitorioso e atual presidente do Peru Pedro Castillo. Um evento semelhante está ocorrendo no Chile. A derrota de Ominami deu origem à virada automática do castrochavismo, com proclamações abertas desde a reunião do Grupo Puebla, apoiando o candidato de esquerda Gabriel Boric que enfrenta José Antonio Kast no segundo turno de 19DEZ 2021. Tanto o espanhol Zapatero quanto o alemão Schulz fizeram, durante seus discursos, ataques dietos ao candidato chileno e na declaraçã final do evento se referem  a ultra-direita no Chile.
 

*****

 
O Grupo Puebla comemorou o triunfo em Honduras do candidato castrista-chavista Xiomara Castro, anunciou que uniu forças para conquistar a vitória de Boric no Chile e se sente confiante na vitória de Lula da Silva nas eleições brasileiras de 2022. Triunfo de Lula no Brasil "vai mudar o continente e a ordem internacional", conjecturou Zapatero, que prevê uma futura aliança entre o México e o Brasil para criar um "órgão de integração latino-americano", evidenciando o propósito de desmantelar a OEA.
 
Segundo conta do Grupo Puebla, até o final de 2022 deve haver pelo menos uma dezena de governos latino-americanos em mãos “progressistas”, incluindo as três principais economias regionais: Brasil, México e Argentina. Além dos aliados caribenhos, o cenário “progressista” também inclui a possibilidade de triunfo de seu candidato colombiano Gustavo Petro. A esquerda continental, a aliança “progressista” com setores da esquerda europeia e os governos de Castro-Chávez estão trabalhando, com objetivos precisos, para aumentar seu espaço de poder na América, com a complacência e o apoio de dois atores extrarregionais: a Rússia e China.

Por sua vez, Nicolás Maduro, que limitou o número e o alcance de suas viagens fora da Venezuela desde que os Estados Unidos anunciaram uma recompensa por sua captura, viajou a Havana em 2621 de novembro. Como de costume, a transferência para Cuba foi mantida em segredo até que foi divulgada pela imprensa cubana, que destacou que Maduro foi recebido no aeroporto por Raúl Castro e Miguel Díaz-Canel.

(Leia a íntegra da Declaración del 7º Encuntro del Grupo de Puebla Link)

 

*****


Outros que, após as votações regionais de 21 de novembro na Venezuela, viajaram para o exterior foram os representantes dos partidos de oposição venezuelanos. Em DEZ 0121, a Subsecretária de Estado para Assuntos Políticos, Victoria Nuland, acompanhada do Embaixador dos Estados Unidos na Venezuela (residente em Bogotá) James Story, recebeu um grupo de opositores, quase todos de Caracas. Eram integrantes da delegação da oposição que participou das negociações com o governo de Maduro realizadas no México entre agosto e outubro passado. A delegação incluiu Gerardo Blyde, Freddy Guevara, Tomás Guanipa, Luis Emilio Rondón, Luis Aquiles Moreno, Roberto Enríquez, Mariela Magallanes, Claudia Nikken e Stalin González.

A franca divisão da oposição venezuelana faz com que o grupo que viajou a Washington não represente mais uma aliança em torno de Juan Guaidó, mas um aglomerado de partidos com planos divergentes de curto e longo prazo. A realização da reunião no Departamento de Estado foi revelada, no dia seguinte, pela subsecretária Nuland por meio de um tweet informal no qual garantiu que os Estados Unidos esperam que Maduro volte à mesa de negociações.

A posição dos Estados Unidos foi a de confirmar o reconhecimento de Guaidó, expresso pelo Subsecretário de Estado para o Hemisfério Ocidental, Embaixador Brian Nichols. Por enquanto, não há mudança de planos de Washington em relação à Venezuela e os votos do 21NOV21 apenas confirmaram a inexistência de condições para eleições livres e democráticas.
 

*****


Em 26NOV2021, por meio de uma conferência pela Internet, Guaidó realizou um encontro de trabalho com os diplomatas que mantém em vários países da América. O objetivo da reunião foi avaliar a situação após as votações do 21NOV21 e coordenar ações. A reunião foi um termômetro para medir o estado de colapso da aliança de oposição venezuelana.
 
Julio Borges, líder do partido Primero Justicia que reside na Colômbia e detém o status de Comissário Presidencial de Relações Exteriores da Venezuela, não participou do encontro de Guaidó com os diplomatas do "governo" do qual Borges é supostamente seu "chanceler."


VEJA MAIS