COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Pensamento

10 de Janeiro, 2022 - 11:50 ( Brasília )

Correio da Manhã - Editorial - A grave insubordinação de um contra-almirante


 

 Correio da Manhã
Editorial
A grave insubordinação de um contra-almirante

 

Claúdio Magnavita
Diretor de redação do Correio da Manhã
10 Janeiro 2022

 
 
O atual presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) serviu de bucha de canhão para a mídia de oposição ao Presidente Jair Bolsonaro esta semana. Antônio Barra Torres virou o protagonista do tolo ato de insubordinação de um oficial general contra o comandante supremo das forças armadas brasileiras.

Ele começa uma nota pública, divulgada neste sábado, 8 de janeiro (cópia da carta em anexo), se qualificando como oficial general da Marinha brasileira. Ser contra-almirante, aliás, foi o seu principal predicado para ser indicado diretor-presidente da Anvisa. Foi uma indicação do almirante Flávio Rocha.

Na carta, ele pede que o Comandante das Forças Armadas se RETRATE.  É exatamente isso: um contra-almirante exigindo retratação do presidente da República e comandante chefe das Forças Armadas.  O pior é que o presidente Bolsonaro não fez nenhuma acusação ao cidadão e oficial general da reserva Barra Torres. Ele apenas questionou que interesses a ANVISA teria na liberação da vacina para crianças.

Para piorar a sua situação de motim, o atual presidente da agência assina a nota como contra-almirante RM1 Médico/Marinha do Brasil. Não há dúvidas. É um oficial general da reserva remunerado da Marinha, ocupando uma função de altíssima confiança no Governo Federal, peitando a sua autoridade maior.

Este comportamento, que atropela, inclusive, o comandante-geral da Marinha, almirante Almir Garnier Santos, e o Ministro da Defesa, general Braga Netto, aos quais deveria submeter, por hierarquia, o seu desconforto. Com esta atitude, Barra Torres não defende a sua honra. Pelo contrário, macula o uniforme que usou por 32 anos.

O respeito à hierarquia é o pilar principal da vida militar. O mais grave é que este contra-almirante se escuda no mandato de diretor da agência, que termina em dezembro de 2024. Se o brio militar fizesse parte do seu crédito, deveria primeiro entregar a sua carta de renúncia do cargo que ocupa na Anvisa, indicado em 4 de novembro de 2020 pelo próprio presidente, que agora ele confronta.

O comportamento de Barra Torres já emitia sinais de que ele era uma bomba relógio ambulante. O Correio da Manhã, através de duas notas na Coluna Magnavita, já havia feito o registro. No dia da sessão da ANVISA, que aprovaria a primeira vacina, ele apareceu usando um colete de padrinho de casamento. Também, em coletivas, usou e abusou dos símbolos da Ordem de Malta, da qual é cavaleiro, tanto em gravatas, lapela e máscara .  Sinais de uma personalidade incomum, ao ser submetido ao estrelato.

É lamentável assistir um oficial das forças armadas brasileiras colocando seus colegas de farda em saia justa, principalmente aqueles que endossaram a sua indicação. O respaldo de caserna evitaria um comportamento traidor e torpe.
  
Barra Torres reedita, em reverso,  a essência do mesmo compartimento do marinheiro José Anselmo dos Santos, o cabo Anselmo, em 1964.  Entregar a carta de demissão e recolher-se a sua insignificância é que lhe resta a fazer. 

Com a palavra agora, o comandante-geral da Marinha e o seu Estado-Maior, que não podem endossar com silêncio o ato insubordinado do diretor, já que usou o nome da Marinha do Brasil.



VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 18 JAN, 21:00

MAIS LIDAS

Pandemic War