COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Pensamento

14 de Maio, 2020 - 10:40 ( Brasília )

Gen Ex Santa Rosa - Divagações Coevas


DIVAGAÇÕES COEVAS

 

Maynard Marques de Santa Rosa



John Lewis Gaddis, em As Grandes Estratégias, obra elaborada à luz da História, alertou que “o bom-senso é como o oxigênio: quanto mais alto se sobe, mais escasso se torna”.

A crise de poder que perturba o governo decorre de falta de conhecimento e de discernimento. A ignorância torna a administração errática; e a ausência de discernimento leva o governante a dispersar as energias anímicas em vão.

A ordem vigente no país ensejou uma situação inusitada entre os Poderes da República, fruto das idiossincrasias brasileiras. O Legislativo age como uma hidra de 33 cabeças e cérebro babélico, que arrasta a própria inércia e uma carga fisiológica atávica, perdendo espaço crescente para o ativismo judiciário. O STF, devidamente aparelhado pelos governos anteriores, tornou-se caixa de ressonância dos partidos de oposição. E o Executivo, timoneiro que é do destino coletivo, virou refém dos outros dois.

A dialética das pressões mergulhou a governança em um ambiente infernal, onde a falta de bússola e a ausência de luz podem levar o penitente ao reino de Hades.

Estudando múltiplas personalidades à luz da História, Maquiavel filtrou a espécie em três tipos de homens: “o que discerne por si próprio, o que discerne com o auxílio dos outros e o que não se enquadra em nenhum dos dois casos. Este último não serve para ser príncipe”.

O problema se agrava quando a qualidade da assessoria depende de nepotismo ou amizade, tornando-se inepta e inócua ou quase inútil. Preocupou-se o mestre florentino em prevenir o poder dos bastidores, ao recomendar que deve o príncipe ouvir o assessor quando lhe convém, e não quando convém ao assessor. Contudo, a necessidade sugere, também, atentar para a sabedoria popular: “Quem não ouve conselho, raramente acerta”.    

A resiliência das instituições exige uma mudança de feição. A dialética agressiva merece dar lugar a uma atitude mais ponderada. O discurso tem de ser dirigido ao conjunto, e não a uma só das partes. Todos devem obedecer ao princípio de separação de interesses: não confundir o que é público com o particular ou privado. A cúpula tem de integrar-se em equipe. E a estrutura precisa ser mais equânime, sem a existência de ministérios hegemônicos, para que a Casa Civil consiga coordenar e integrar as atividades estratégicas.

Concluindo estas divagações, vale relembrar a citação de um sociólogo europeu de notória sabedoria: A saúde de uma sociedade democrática pode ser medida pela qualidade de funções desempenhadas por seus cidadãos” (Alexis de Tocquéville).

 

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Vant

Vant

Última atualização 27 OUT, 16:16

MAIS LIDAS

Pandemic War