COBERTURA ESPECIAL - Intel - Inteligência

10 de Janeiro, 2021 - 22:00 ( Brasília )

Woloszyn - A ESPIONAGEM CHINESA


Nota DefesaNet

Texto em inglês

CHINESE SPYING Link

O editor



A ESPIONAGEM CHINESA

                                                                                                                              André Luís Woloszyn
Analista de Assuntos Estratégicos
alwi.war@gmail.com

 
Embora existam ferramentas de alta tecnologia como a vigilância eletrônica, o monitoramento do tráfico de mensagens digitais e as operações financeiras online, a espionagem tradicional, aquela realizada por fontes humanas, conhecida como HUMINT, com a inflitração de agentes em instituições públicas e privadas, nunca deixou de existir. Atualmente, com a disputa acirrada por mercados econômicos internacionais entre EUA e China, o assunto retornou ao debate com grande intensidade e preocupação.
          
Para algumas autoridades estadunidenses como John Ratcliffe, Diretor de Inteligência Nacional e Mike Pompeo, Secretário de Estado, a China vem concentrando seus esforços em membros do Congresso Norte-Americano, representando a maior ameaça à democracia e à liberdade, desde a Segunda Guerra Mundial enquanto a infiltração nas universidades norte-americanas reprimem as críticas a Pequim e reforçam a propaganda comunista entre a juventude com o oferecimento de intercâmbios culturais e distribuição de bolsas de pesquisa por meio de institutos de fachada. 

Aliás, esta foi uma tática amplamente aplicada nas universidades brasileiras entre as décadas de 1950 e 70, pelos soviéticos, com excelentes resultados, em especial, no recrutamento ideológico por meio da propaganda. (New York Post – By Miranda Devine, December 13, 2020)

Em meio a esta polêmica, outros episódios têm contribuído para mantê-la acirrada. O mais recente foi o vazamento de que um banco de dados contendo registros de membros do Partido Comunista Chinês (PCCh), por do aplicativo de mensagens criptografadas Telegram em 2016 e divulgado no mes de dezembro de 2020 para um grupo internacional de legisladores denominado Aliança Interparlamentar na China (AIC) expondo uma infiltração massiva em filiais chinesas de empresas norte-americanas como a Pfizer, Boeing e Qualcomm.  

Ademais, os ataques cibernéticos e invasões a sistemas de empresas em território estadunidense se multiplicaram no biênio 2019-2020, segundo alegam estas autoridades, incluindo vazamentos de assuntos considerados de segurança nacional, ligados a tecnologias das forças armadas.

Pelo que vem sendo noticiado na mídia estadunidense, os EUA vem sofrendo  constantes ataques da China, por meio de ações da espionagem tradicional e da  ciberespionagem, em busca de segredos tecnológicos, numa verdadeira guerra de bastidores.  Até que ponto todos os fatos que vem sendo explorados são verdade e em que intensidade acontecem, não saberemos e as provas deste contexto são pouco robustas. A única certeza é a de que ambos os países possuem grande expertise em espionagem e com ferramentas similares.

Contudo, não esta descartada a hipótese de uma campanha de dissimulação governamental para desviar a atenção internacional do forte golpe sofrido pela primeira economia do mundo, com a pandemia de Covid-19 além dos 365 mil óbitos já registrados. Culpar a China pela disseminação intencional do vírus pode fazer parte da mesma estratégia que ao final, permanece apenas no campo psicológico, face aos interesses comerciais envolvidos.

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Comando Artilharia

Comando Artilharia

Última atualização 06 MAI, 12:12

MAIS LIDAS

Intel

3
08 ABR, 14:40

O soldado do silêncio