COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Pensamento

12 de Março, 2019 - 09:50 ( Brasília )

Contra a Cibercensura, em benefício da comunicação online


Aline Wolff

A democracia pela produção de informação cresce proporcional aos avanços da web. Um conteúdo vasto é promovido hoje pelo o que chamamos de “marketing de conteúdo”, que explora o digital tornando influentes os profissionais que detém conhecimento em áreas específicas. A “infodemocracia” também oportuniza pelos canais “infodigitais” que jornalistas contem suas histórias com maior propriedade.

Ela destaca os blogueiros e os youtubers. E – muito importante – inclui opiniões sociais. Neste cenário está exatamente o objetivo de preservar tantos benefícios ofertados pela rede www. Também, a reflexão de uma década que celebra neste 12 de março o Dia Mundial Contra a Cibercensura.

Como tudo, a democracia pela produção de informação e publicação nos canais digitais oferece aos cibernautas os seus pós e os seus contras. Entre as objeções estão as fake News (notícias falsas ou imprensa marrom), o sensacionalismo exacerbado, o marketing digital incongruente e a poluição da informação que dificulta as pesquisas dos usuários e o destaque de produtores idôneos, como profissionais e marcas que sustentam a transmissão de conhecimento pelas multiplataformas digitais.

O ganho maior, sem dúvida, coloca todo o resto no bolso: é a liberdade de expressão. A facilidade de acesso à internet por pessoas em todo o planeta impulsiona o crescimento da comunicação online. Ainda que o Brasil esteja longe – e muito! – da salvação que resguarda a integridade e a vida de jornalistas investigativos, comemoramos a nossa atual posição distante das represálias políticas intensas experimentadas por restrições aos direitos dos cidadãos em diversos outros países. Estamos avançando no universo digital, até porque é um caminho sem volta.

O Dia Mundial contra a Cibercensura é celebrado mundialmente desde 2009 pela iniciativa da ONG "Reporters Without Borders" - Repórteres sem Fronteiras (RSF). A organização foi criada em 1985 na França. De acordo com o site da instituição, entre os países chamados “predadores” ou “inimigos da internet” estão: Arábia Saudita, Barein, Bielorrússia, China, Coreia do Norte, Cuba, Irã, Síria, Venezuela, México e Peru. 

Sobre nós, brasileiros, importa mencionar que a última pesquisa da RSF a respeito do Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa, coloca o Brasil em 104ª posição, “não estando à altura de um país que deveria ser uma referência regional. Em 2010, o país se encontrava na 58ª posição”, conforme cita. Os motivos principais são os índices de violência contra jornalistas e a ausência de iniciativas governamentais de proteção aos profissionais das mídias. 


Aline Wolff é graduada em jornalismo e Assessora de Imprensa. Em agosto de 2004 criou WH Comunicação. É também especialista em marketing digital e coach de comunicação, posicionamento e autoridade. Em 2016, lançou o programa próprio de formação de autoridades e influência no mercado, mesclando ferramentas da assessoria de imprensa, do coach e do imbound marketing. No mesmo ano, formou-se palestrante pela Apresentarte e assumiu também a diretoria de marketing da Livia Esportes, ministrando módulos de marketing esportivo aos profissionais do segmento.

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 16 JUN, 14:12

MAIS LIDAS

Cyberwar