05 de Outubro, 2012 - 11:20 ( Brasília )

Aviação

Jogo de manobra de crise avalia alunos do Curso de Política e Estratégia Aeroespaciais


A Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica, no Rio de Janeiro (RJ), realiza nesta semana o Jogo de Manobra de Crise. Durante quatro dias, 44 Coronéis da Força Aérea Brasileira, alunos do Curso de Política e Estratégia Aeroespaciais (CPEA), precisam elaborar soluções políticas e militares para enfrentar uma situação simulada de crise que ameaça a soberania nacional.

O jogo envolve plenárias, coletivas de imprensa e até a simulação de uma audiência pública. A cada dia, os grupos recebem novas informações que complicam o cenário de crise, e precisam elaborar soluções para assessorar o Governo Federal. Além de um ano de aulas no curso, cada participante já traz a experiência de três décadas de serviços na Aeronáutica, incluindo experiências como Comandantes de Bases Aéreas, Esquadrões de voo, Adidâncias Militares no exterior e atividades em diversas áreas, como unidades de Intendência, Infantaria e Saúde.

"Nós estamos formando os futuros tomadores de decisão da Força Aérea", explica o Coronel-Aviador Luiz Paulo da Silva Costa, da equipe de coordenação do Jogo. Concluir o CPEA é um dos requisitos para ser promovido ao posto de Brigadeiro do Ar e assumir funções de Alta Chefia no Comando da Aeronáutica. "Aqui temos uma consolidação de experiências. É muito válido", completa o Coronel-Aviador Fernando Almeida Riomar, aluno do CPEA. Também participam do curso um Capitão de Mar-e-Guerra da Marinha do Brasil e dois Coronéis do Exército Brasileiro.

O Jogo de manobra de crise incluiu ainda a presença de convidados civis, que acrescentam pontos de vista diferenciados às discussões. Entre eles estão universitários dos cursos de ciências políticas, relações internacionais, defesa e engenharia nuclear. "Para nós, civis, acho importante que as pessoas tenham conhecimento do que os militares estão estudando", disse Diego Veras Santiago, estudante da Universidade Federal do Rio de Janeiro.



ÚLTIMAS

Aviação

MAIS LIDAS