COBERTURA ESPECIAL - Vant - Aviação

26 de Junho, 2018 - 11:10 ( Brasília )

Militares e civis debatem desafios de missões com Aeronaves Remotamente Pilotadas

Evento no Rio de Janeiro ainda apresentou novos sistemas e tecnologias

UNIFA , Tenente Jonathan Jayme e Major Alle


Os avanços tecnológicos para o desenvolvimento de Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP), os desafios para a aplicação operacional em situações reais e os sistemas e tecnologias associadas ao emprego do equipamento. Esses foram alguns dos temas em destaque do II Seminário Nacional sobre Aeronaves Remotamente Pilotadas em Combate realizado, entre os dias 20 e 21 de junho, pela Universidade da Força Aérea (UNIFA), localizada no Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro (RJ).

Para estimular a troca de conhecimentos e a atualização sobre o tema, o evento contou com mais de 300 participantes de diversas organizações militares e instituições civis. Entre elas estão: Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira, Receita Federal, Fundação Getúlio Vargas, Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Polícia Militar do Estado de São Paulo e Universidade Estácio de Sá.

Na abertura, o Chefe do Centro de Estudos Avançados da UNIFA e Coordenador Geral do Seminário, Coronel Alexandre Nogueira de Sousa, destacou a importância da integração entre as Forças Armadas e instituições civis. "Um evento deste porte não só fomenta o estudo de soluções científicas e tecnológicas que permitam o uso eficaz, eficiente e efetivo do sistema de ARP, mas também promove o desenvolvimento do Poder Aeroespacial Brasileiro e o fortalecimento da Indústria Nacional de Defesa", ressaltou.

O seminário contou com oito palestras e oito apresentações de trabalhos científicos, incluindo debates de temas que abordaram os obstáculos enfrentados no cumprimento de uma missão de ARP e promoveram discussão que fomentam novos trabalhos e produtos científicos, direcionados para a Indústria Nacional de Defesa.

Um dos destaques do seminário foi a palestra do Coronel Paulo Ricardo Laux, que compartilhou a sua experiência de Comando e Controle em situações reais com o uso de ARP, abrangendo os desafios táticos e estratégicos de tais operações. “Cada missão de ARP leva em conta as diversas variáveis de diferentes contextos operacionais, gerando demandas específicas de Comando e Controle,” explicou o palestrante.

Outro tema debatido foi a defesa cibernética nas operações de ARP. O Tenente-Coronel Wagner de Oliveira da Silva, em sua apresentação, destacou as vulnerabilidades cibernéticas na operação, além dos conceitos de exploração de dados e proteção.

Durante os dois dias de seminário, outros temas, como necessidade de infraestrutura de TI para suportar coleta de dados de ARP, análise de dados e interoperabilidade, independência tecnológica na produção de ARP, aspectos jurídicos do emprego de ARP, acurácia da navegação autônoma por imagens de ARP, foram objetos de debate.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Cyberwar

Cyberwar

Última atualização 14 DEZ, 11:50

MAIS LIDAS

Vant