COBERTURA ESPECIAL - Especial Terror - Inteligência

15 de Setembro, 2016 - 09:30 ( Brasília )

Autoridades alemãs alertam para terroristas comandados do exterior

Detenção de três suspeitos chama a atenção para as células que recebem instruções de fora por meio das redes sociais. Internet também é usada para recrutamento e posterior divulgação dos atentados por meio de vídeos.

Após a prisão, num abrigo de refugiados no norte da Alemanha, de três sírios suspeitos de planejar atos de terrorismo, o presidente do Departamento Federal de Proteção da Constituição (BfV), Hans-Georg Maassen, soou o alerta: "Estamos preocupados com um novo tipo de agressor, que apenas parece agir de forma solitária", afirmou nesta quarta-feira (14/09), em Berlim.

Segundo Maassen, esses potenciais autores de atentados são comandados a partir do exterior por meio de serviços de mensagens instantâneas. "Essa situação é um desafio especial para as autoridades de segurança – como também a detecção de células adormecidas", prosseguiu o presidente do BfV.

Os três sírios detidos esta terça-feira possivelmente formam uma dessas células adormecidas – que aguardam instruções, por exemplo do grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI), para agir. Os três – Mahir H. (17 anos), Ibrahim M. (18) e Mohamed A. (26) – foram postos em prisão preventiva nesta quarta-feira, após serem interrogados por juízes de instrução da Corte Federal de Justiça.

A corte, que é a instância superior da jurisdição ordinária, afirmou que os suspeitos não se manifestaram sobre as acusações. O mais jovem dos três suspeitos já havia sido ouvido nesta terça-feira pela BGH.

Uso da internet

Na opinião das autoridades, o trio viajou para a Alemanha a mando do EI, "a fim de executar uma ordem já recebida ou se preparar para novas instruções." O presidente do BfV falou de uma "guerra híbrida". Maassen disse ser uma novidade o chamamento, em redes sociais como Facebook, Whatsapp e Telegram, para a execução de atentados "em que os autores escapam ilesos e incógnitos".

Em círculos de segurança acredita-se num "uso cruzado" da internet. Nesse caso, a rede é plataforma para radicalização, recrutamento, comunicação e controle à distância de potenciais assassinos. Isso também vale para o planejamento e a divulgação dos atentados, como, por exemplo, em forma de mensagens de vídeo. A esse repertório também pertencem instruções de ação e a intermediação de contatos.

Segundo as autoridades de segurança, a cena salafista da Alemanha é muito suscetível aos contatos externor pela internet. A cena passa por um rápido crescimento. De acordo com o órgão de proteção da Constituição, ela cresceu, desde junho, de 8,9 mil para 9,2 mil pessoas.

Recrutamento entre os refugiados

Os grupos terroristas também tentam conseguir novos recrutas entre os muitos refugiados que chegaram à Alemanha. Por isso, o órgão de proteção da Constituição elaborou um guia para os trabalhadores voluntários que ajudam refugiados, com o objetivo de ajudá-los a identificar possíveis riscos. Como reconhecer atividades extremistas e de inteligência? é o título do livreto.

Segundo o manual, na opinião das autoridades alemãs de segurança deve se partir do princípio de que, entre os refugiados, haja simpatizantes e membros de organizações terroristas. A prisão dos três suspeitos nesta terça-feira parece confirmar essa tese.

França prende adolescente suspeito de ligação com EI

A polícia francesa prendeu nesta quarta-feira (14/09), em Paris, um adolescente de 15 anos suspeito de planejar um ataque terrorista. Segundo as autoridades, o jovem teria usado canais criptografados de uma rede social para se comunicar com um militante do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, confirmou a operação, conduzida pela agência de inteligência doméstica da França. "Estamos trabalhando com extremo afinco para identificar aqueles que acreditamos que possam realizar ataques", declarou.

Cazeneuve não deu muitos detalhes sobre a relação entre o adolescente e o EI, mas destacou que o grupo terrorista tem utilizado "meios criptografados para encorajar indivíduos cada vez mais jovens". O ministro citou o aplicativo Telegram como meio de comunicação entre os suspeitos. Declaração semelhante foi dada por autoridades alemãs nesta quarta-feira.

Segundo a emissora francesa BFM TV, o jovem nasceu em 9 de julho de 2001, não tinha passagem pela polícia e tentava conseguir uma arma para cometer um atentado iminente.

Investigadores afirmaram que o adolescente estava em contato, através do Telegram, com o jihadista de nacionalidade francesa Rachid Kassim, de 29 anos, um militante do "Estado Islâmico" que as autoridades acreditam estar na Síria ou no Iraque.

De acordo com esses investigadores, Kassim vinha mantendo contato com outros supostos terroristas presos recentemente pela polícia francesa, incluindo um garoto de 15 anos que também estaria planejando um ataque em nome do EI e que foi detido no sábado passado em Paris.

O jihadista ainda teria trocado mensagens com o grupo de três mulheres suspeitas de tramar um atentado terrorista na estação ferroviária Gare de Lyon, na capital francesa. O presidente François Hollande declarou que o ataque foi frustrado, e as mulheres foram presas na semana passada.

A França se recupera de uma onda de atentados terroristas que mataram mais de 230 pessoas desde janeiro de 2015. Como consequência dos atos em Paris de 13 de Novembro, que deixaram ao menos 130 mortos, o país decretou estado de emergência e endureceu as leis antiterrorismo.