COBERTURA ESPECIAL - Especial Terror - Geopolítica

08 de Agosto, 2013 - 10:49 ( Brasília )

Por que a Al-Qaeda do Iêmen preocupa o Ocidente


Frank Gardner

O suposto plano de ataque de dois líderes da Al-Qaeda, interceptado por agentes americanos, claramente aturdiu o serviço de inteligência dos EUA, a ponto de Washington fechar 19 de suas missões diplomáticas no Oriente Médio, na Ásia e na África.

Na capital do Iêmen, Sanaa, onde a ameaça de ataque era considerada maior, Reino Unido, França e Alemanha também fecharam suas embaixadas.

EUA e Grã-Bretanha também retiraram toda a sua equipe diplomática do território iemenita.

Mas por que o ramo iemenita da Al-Qaeda causa tanta preocupação em Washington?

A Al-Qaeda na Península Arábica (AQAP, na sigla em inglês), braço da organização radical no Iêmen, não é a maior ramificação do grupo de Osama Bin Laden, nem necessariamente a mais ativa ? há outras células mais ruidosas de jihadistas espalhadas pela Síria e pelo Iraque, envolvidas em confrontos quase diários com outros muçulmanos.

No entanto, a Casa Branca considera a AQAP como sendo, de longe, a mais perigosa delas sob os olhos do Ocidente, por ter tanto habilidades técnicas como alcance global.

Além disso, essa célula é leal ao líder nominal da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, e ao que resta da liderança central do grupo escondida no Paquistão.

Para o Ocidente, a AQAP traz três perigos:

  • Localmente, para embaixadas e cidadãos no Iêmen;
  • Como influência para outros jihadistas ao redor do mundo, por meio de uma revista online chamada "Inspiração";
  • Globalmente, por plantar bombas em aviões.

Bombas sofisticadas

Em agosto de 2009, o principal fabricante de bombas da AQAP, o saudita Ibrahim al-Asiri, construiu um dispositivo explosivo tão difícil de ser detectado que ou estava amarrado junto à virilha do jihadista ou estava dentro de seu corpo.

Ele então encarregou seu irmão, Abdullah, de fazer-se de homem-bomba para matar o príncipe saudita responsável pelas ações de contraterrorismo de seu país. O plano quase deu certo.

Fingindo estar se entregando à polícia, Abdullah al-Asiri enganou as forças de seguranças sauditas e conseguiu ficar próximo ao príncipe Mohammed Bin Nayef para que a bomba fosse detonada remotamente, possivelmente via telefone celular.

A explosão matou Abdullah, mas o príncipe apenas teve uma mão ferida.

A AQAP prometeu tentar novamente e de fato tentou.

Em dezembro de 2009, Ibrahim al-Asiri construiu um novo dispositivo para ser usado por um voluntário ? desta vez, um jovem nigeriano chamado Omar Farouk Abdulmutallab.

O jovem conseguiu embarcar da Europa a Detroit, nos Estados Unidos, com um explosivo escondido em sua roupa de baixo, num grave erro de inteligência e segurança das autoridades ocidentais.

Mas quando ele tentou detonar a bomba, na hora que o avião se preparava para pousar em Detroit, ele foi identificado, preso e condenado por tentar usar uma arma de destruição em massa.

No ano seguinte, a AQAP voltou a agir: contrabandeou bombas em aviões que transportavam cargas de cartuchos de tinta. Os EUA eram o destino final, e um dos dispositivos chegou a território britânico.

O plano foi interceptado no último minuto, por um informante dentro da AQAP, mas o grupo prometeu não desistir.

Ataques polêmicos

Desde então, a liderança do grupo tem sido alvo de ataques de aviões não-tripulados dos EUA. Diversos líderes foram mortos, inclusive Saeed al-Shihri e os influentes Anwar al-Awlaki e Samir Khan.

Segundo o think tank New America Foundation, os ataques não-tripulados dos EUA no Iêmen cresceram de 18 em 2011 para 53 em 2012.

Nesta terça, um drone supostamente atingiu um carro que levava militantes da Al-Qaeda no país.

Esses aviões não-tripulados são altamente impopulares no Iêmen, porque muitas vezes erram o alvo e acabam matando famílias inteiras de civis.

Grupos de direitos humanos os qualificam de matanças extrajudiciais. E os iemenitas também os consideram uma violação de sua soberania.

Mas autoridades americanas e iemenitas argumentam que, nas partes mais remotas do país ? como as províncias Shabwa, Abyan e Marib ?, as ofensivas aéreas baseadas em dicas de informantes são a única maneira de prevenir novos atentados contra o Ocidente.