18 de Fevereiro, 2013 - 08:35 ( Brasília )

Terrestre

Aeroterrestre - FT Biguá realiza salto no mar


No dia 8 de fevereiro, os oficiais e sargentos da Força Tarefa (FT) Biguá realizaram o primeiro salto em massa d’agua na Zona de Lançamento de SAHY, em Mangaratiba.

A FT BIGUÁ, elemento de manobra da Brigada de Infantaria Paraquedista, com base no 27º Batalhão de Infantaria Paraquedista, realiza treinamentos para operações em ambiente de selva, com o assalto aeroterrestre, por meio de paraquedas, nos rios e lagos da região Amazônica.

O 27° Batalhão de Infantaria Pára-quedista tem suas raízes na Infantaria Pára-quedista, que surgiu da Companhia Escola de Infantaria, criada ao mesmo tempo que a Escola de Pára-quedistas em 1945.

A Companhia Escola de Infantaria, embrião da Infantaria Pára-quedista, era composta inicialmente de duas companhias de alunos e ocupava as instalações do extinto Primeiro Regimento de Artilharia Anti-aérea, localizadas na Colina Longa, passando a funcionar no dia 8 de outubro de 1946.

O primeiro Comandante da Companhia Escola de Infantaria foi o então Cap Newton Lisboa Lemos, páraquedista pioneiro número 25, com curso nos Estados Unidos da América, que compôs na época, a canção “Eterno Herói”, a qual tornou-se a melodia símbolo da tropa paraquedista.

Em 1951, por meio da Port Min Res nº 90-76a, de 19 de setembro de 1951, a Companhia Escola de Infantaria foi transformada em Batalhão de Infantaria.

Em seguida, devido a dificuldades de intalações, a Infantaria Pára-quedista passou a ocupar parte do aquartelamento do 2º Regimento de Infantaria, atual 2º Batalhão de Infantaria Motorizada, localizado na avenida Duque de Caxias, permaneceu nesta situação até 14 de maio de 1957.

A região do Arroio dos Afonsos, atual localização das valorozas tropas de Infantaria Pára-quedista, foi ocupada em 16 de setembro de 1957, data da inauguração oficial do Batalhão Santos Dumont. As condições das instalações eram ainda precárias, nas atuais garagens dos Batalhões.

O Batalhão mudou sua denominação para Regimento Santos Dumont em 1961, pelo Decreto nº 49.883, de 11 de janeiro de 1961. O primeiro comandante do recém criado regimento foi o então Ten Cel José de Aragão Cavalcanti.

O Decreto-Lei nº 63.573, de 07 de novembro de 1968, desdobrou o Regimento Santos Dumont em 1° , 2° e 3° Batalhões de Infantaria Aeroterrestre, sendo o 1º Batalhão denominado Batalhão Santos Dumont, conforme previsto no texto daquele decreto. A Port nº 03/Res, de 21 Jun 69, do Ministério do Exército, confirma a designação do 1° Batalhão de Infantaria Aeroterrestre como Batalhão Santos Dumont.

A partir do dia 1° de fevereiro de 1969, o Ten Cel Renato Horta Lopes assume o Comando do 2° Batalhão de Infantaria Aeroterrestre.

Em 1971, o Decreto n° 1 de 11 de novembro de 1971, em seu artigo 5° - Res, conforme propõe o Estado-Maior do Exército, conforme Of n° 152-E1.1 - Res, de 9 de outubro de 1972, ratificado pela Port Min Res n° 41, de 07 de novembro de 1972, do Ministério do Exército, determina a transformação do 1° Batalhão Aeroterrestre em 26° BI Pqdt; do 2° Batalhão Aeroterrestre em 27° BI Pqdt; e do 3° Batalhão Aeroterrestre em 25° BI Pqdt.