04 de Abril, 2014 - 14:45 ( Brasília )

Terrestre

Segundo a imprensa Russa: "Tanque invisível polaco não passa do papel"

A Polônia apresentou o mais moderno tanque "invisível" PL-01.

Ele pesa significativamente menos do que o americano Abrams e, o que é principal, está equipado com um sistema de camuflagem ativa. Isso torna o veículo invisível para os detetores de infravermelhos.

O tanque está coberto por uma tinta de que absorve as emissões de rádio. Desse modo, a acreditar na informação existente, as Forças Armadas da Polônia receberão um tanque milagroso, invulnerável para os complexos blindados de combate. O "mock up" do veículo foi exibido no ano passado na exposição de armamentos na Polônia.

A parte polaca, que trabalha no PL-01 com a empresa militar britânica BAE Sistems, fez sonoras declarações sobre o seu equipamento com módulos de blindado compósito combinado. Porém, por enquanto, tudo isso não passa de um conceito, nem sequer existe um protótipo para testes, é um "mock up", assinala Viktor Murakhovsky, redator da revista Arsenal Otechestva:

“Tudo isso provocará dúvidas até que apareça um veículo em metal e comecem os testes. Nesse tanque foram tomadas medidas para a diminuição de visibilidade térmica através da dispersão de gases de escape do motor e empregues materiais que absorvem calor. Mas os sistemas modernos de direção do tiro dos tanques, dos helicópteros, dos meios de combate a tanques apoiam-se não só em canais de observação infravermelhros, térmicos, mas também em meios óticos e radar. Por isso, a conversa sobre a invisibilidade do tanque é um claro exagero”.

Claro que a invisibilidade é uma componente importante das caraterísticas tático-técnicas dos tanques modernos. Ninguém conhece os parâmetros reais do conceito polaco, não há dados sobre contraste, emprego de qualidades de disfarce através das tintas. Entretanto, hoje, numerosos países utilizam amplamente meios de redução da visibilidade, assinala Viktor Murakhovsky:

"Se falarmos da tecnologia russa, são conhecidos aparelhos como Nakidka e Ternovnik. Eles reduzem bruscamente a visibilidade no diapasão ótico, de radar e térmico. Há tipos análogos também noutros países. Não penso que os polacos tenham ultrapassado o nível desses países”.

Na blindagem de veículos são empregues os já conhecidos dos construtores de tanques materiais não-metálicos, blindagem combinada, novos tipos de defesa blindada. Mas é um exagero anunciar que o tanque será invisível, principalmente tendo em conta a sua massa. As leis da Física são iguais para todos. É praticamente impossível, com uma massa de 39 toneladas, obter um grau de defesa análogo aos tanques de última geração. O americano Abrams pesa 55 toneladas, o Merkava israelita pesa cerca de 56 toneladas, o britânico Challenger – cerca de 60 e o peso do tanque russo T-90 é de cerca de 45 toneladas.

Atualmente, os principais países fabricantes de armamento trabalham ativamente com vista a reduzir a visibilidade dos tanques, a reforçar o seu poder de fogo. Mas, ao mesmo tempo, continuam o trabalho para criar novos meios de combate contra blindados. Neste segmento, a Rússia é um dos líderes mundiais e fabrica com êxito complexos de mísseis anti-tanque, como, por exemplo, o Kornet.

O míssil comandado do complexo Kornet-EM fura uma blindagem de aço de 1200 milímetros. Com a massa declarada de 39 toneladas do tanque polaco, os seus criadores dificilmente poderão garantir, mesmo na parte lateral, a resistência da blindagem que o Kornet pode superar.

Texto/tradução: Voz da Rússia