07 de Fevereiro, 2018 - 09:10 ( Brasília )

Tecnologia

Versão Business do WhatsApp, a "formalização" do app no mundo corporativo


Finalmente foi liberada a versão Business do WhatsApp, que chega com recursos estratégicos para ajudar as empresas a se relacionarem melhor com seus clientes e prospects. De acordo com a especialista em empreendedorismo digital, Simone Siqueira, a versão antiga vinha, até o momento sendo adaptada para os negócios e sendo praticada como marketing de permissão em listas de transmissão, mas, que a versão comercial oferece recursos mais focados nas necessidade das empresas, por isso, separou algumas dicas para quem está começando a testá-la.

Mensagem de saudação: Construa uma mensagem pensada de forma estratégica, esse momento é ideal para gerar o máximo de engajamento, criando antecipação e autoridade da empresa na preparação da venda. Essa mensagem será enviada quando a pessoa entrar em contato com você pela primeira vez.

Analytics: Permitirá que a empresa verifique a quantidade de mensagens que recebeu e quais foram entregues, já que neste caso o receptor pode ter apagado seu número de contato do WhatsApp dele e por isso, mesmo estando em sua lista de transmissão, não irá receber.

Etiquetas: A criação de TAGs, como novo cliente, novo pedido, pago, pedido finalizado e outros são muito úteis para sinalizar conversas pendentes e permitem que o usuário categorize seus clientes e propects. Uma dica é gerar ofertas de vendas segmentadas e categorizadas por interesse em determinado produto ou serviço, inclusive, se sua empresa não investe em produto ou serviço que tenha pagamento recorrente, como Netflix por exemplo, pense na possibilidade de criar um para ampliar seu faturamento.

“Algumas empresas, que são mais antenadas, observam o comportamento de determinados clientes e criam produtos específicos com preço mensal baixo e grande entrega. Um exemplo disso é o mercado da beleza, que oferece pacotes mensais para um conjunto de serviço”, destaca Simone.

Resposta rápida: Agora é possível criar atalhos para um texto já pronto. Você digita a mensagem que usa com maior frequência e atribui um atalho à ela, dessa forma não precisa escreva-la à todo momento.

Empresa física: Inclusão do mapa de localização, horários e dias de atendimento.

Empresa online: Inclusão do endereço de e-mail e possibilidade de direcionamento dos contatos para vários links.

Segundo a especialista, se utilizados de forma correta, estes novos recursos impactarão de forma muito positiva na organização e segmentação de contatos. “Esta nova versão possibilitará a criação de campanhas de vendas mais focadas nos interesses e comportamentos, bem como planos de ações e ativações em vendas, mas, é importante ressaltar que no WhatsApp prevalece o conceito de marketing de permissão, ou seja, ele é feito para quem quer ouvir o que sua empresa tem a dizer”, completa.

Simone Siqueira teve sua primeira experiência como empreendedora aos 16 anos, como professora de piano, profissão que norteou sua primeira formação superior. Já na década de 1990 abriu uma empresa voltada à computação para crianças e, por isso, investiu em uma licenciatura na área, que a levou a atuar com tecnologia aliada à Educação, de forma autônoma.

Desde então fez outras especializações, como Design Instrucional, MBA em Administração e Marketing Digital. Desde 2011 está à frente da empresa Educação Digital e há 5 anos ingressou no universo do marketing digital com o propósito de ajudar pessoas a criar, de forma estratégica, network de qualidade nas redes sociais, produzindo conteúdos que agreguem valor à sua marca, resultando na conquista de uma forte Identidade digital.

O e-mail vai se juntar ao fax¹

O WhatsApp Business chegou para melhorar a comunicação entre as pequenas e médias empresas e logo vem a versão para grandes empresas. A proposta das duas versões do app é uma comunicação mais rápida, segura e em uma única plataforma, sacramentando que não dá mais para ficar esperando pelo e-mail pra fechar negócio.

A "formalização" do app no mundo corporativo (pois sabemos que há tempos empreendedores usam o WhatsApp para falar com clientes, vender produtos e serviços) é reflexo da entrada das novas gerações (Millennials e geração Z) no mercado de trabalho. 

Já não nos comunicamos ou consumimos mídia da forma tradicional. Os vídeos no YouTube ganham da televisão aberta, os filmes e séries no Netflix, a locomoção via bike ou aplicativos como Uber e Cabify, as listas de música no Spotify. É uma mudança natural, de comportamento, que veio para "ficar" – e cabem as aspas aqui porque nada em comportamento, geração, ou tecnologia é estático. As coisas permanecem enquanto fazem sentido. A mudança é inevitável e nos cabe extrair o melhor dela, usando as novidades ao nosso favor.

As novas gerações já vinham matando os e-mails no universo corporativo com uso de outras soluções de mensageria. Empresas como a Slack e a Wrike oferecem plataformas internas, blogs e interação entre os funcionários de uma companhia por meio de canais, grupos, chat e vídeo chamada em contexto empresarial. Criam-se canais sobre temas específicos, documentação centralizada, sem aquela longa troca de e-mails.

Agora, as novas versões do WhatsApp combinadas aos Bots vêm para efetivar uma mudança já anunciada, da Era App para a Era Bot. Segundo o estudo Digital in 2017, feito pelo instituto We are Social, são 139 milhões de usuários da Internet no Brasil e pelos dados do app de chat,120 milhões deles usam o Whatsapp.

Por ser um canal livre de spam (uma das maiores preocupações da empresa foi crescer sem nunca deixar isso mudar), já estar nos nossos celulares e não demandar aprendizado de uso. A dupla deve sacramentar a morte do e-mail mais rápido que esperamos.

O motivo para tal mudança é bem claro, o consumidor/cliente quer ser atendido a qualquer momento e espera conseguir as informações que deseja (principalmente o preço) no momento em que saca seu smartphone do bolso. Em vários casos no Google Trends a busca por "preço de produto" está acima de "onde comprar o produto": pense em você buscando um produto na internet, quer saber o preço e quanto tempo demora para chegar. As pessoas desejam pronto atendimento, informações claras, objetivas, rápidas.

Os bots integrados ao WhatsApp desempenharão esse papel muito bem. Neste sentido, também se espera, evidentemente, uma mudança no mercado de trabalho. O vendedor que só sabe tirar pedido também irá para o mesmo caminho fatal dos e-mails. Vai morrer. Perder seu lugar para o vendedor consultivo.

Em resumo, as novas versões de WhatsApp integradas aos Bots – a API ainda não foi liberada, mas olhando para o histórico da empresa, é mais provável que após o lançamento do Entreprise, ela seja liberada para alguns clientes de alto volume de interações escolhidos a dedo no início – vem sacramentar uma nova Era. Uma Era em que uma nova geração, com comportamentos nitidamente distintos da geração anterior, vem mudar as relações de trabalho, a forma como negociamos e nos comunicamos.

Estamos saindo da "Era dos Apps" para a "Era dos Bots" para manter um diálogo mais dinâmico com o cliente e também e possibilitando o acesso dele aos serviços de forma muito mais ágil. A tecnologia muda em uma velocidade cada vez maior e nós não conseguimos prever o que virá, mas me arrisco a fazer uma previsão de curto a médio prazo: o e-mail vai morrer e o "Botzapp" será, ao que tudo indica, o seu substituto.

 

¹com CIO From IDG / Mateus Azevedo, sócio da BlueLab e responsável pela Diretoria de MKT e Vendas

 



ÚLTIMAS

Tecnologia

MAIS LIDAS