23 de Outubro, 2014 - 10:25 ( Brasília )

Tecnologia

CPqD e Aeronáutica inauguram laboratório voltado à evolução do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro


Um ambiente simulado de rede de telecomunicações destinado a dar suporte à evolução e modernização do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB). Esse é o objetivo do novo Laboratório de Qualificação de Sistemas para o Controle do Espaço Aéreo (LQCEA), que foi inaugurado ontem (21/10) pelo CPqD, em parceria com a Força Aérea Brasileira.

Montado nas instalações do CPqD, em Campinas, o LQCEA permitirá que novos equipamentos, tecnologias e sistemas sejam testados e validados antes de serem inseridos no SISCEAB.

Para isso, foi construído um ambiente que permite simular, de forma mais próxima possível da realidade, as instalações que hoje têm papel fundamental no complexo sistema de controle de tráfego aéreo no país e que dependem de redes de telecomunicações para o tráfego de informações necessárias às suas atividades. É o caso dos centros de controle de área (ACC-CINDACTA), de centros de controle de aproximação (APP) e das torres de controle, além de sítios de suporte que possuem sistemas de radar, de telefonia ou de rádio.


“Esse novo laboratório, inédito no Brasil, é uma referência nacional e internacional para simulações desse tipo”, enfatiza Hélio Graciosa, presidente do CPqD. “A implantação dessa infraestrutura avançada é um passo importante dentro do projeto de evolução do sistema de comunicações do controle do espaço aéreo do país”, acrescenta.


Em meados do ano passado, o CPqD assinou, com o Comando da Aeronáutica, um contrato de prestação de serviços de engenharia visando dar suporte à Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) no projeto destinado a colocar em operação no país uma moderna Rede de Telecomunicações Aeronáuticas (ATN Nacional).

E o LQCEA é uma iniciativa essencial para viabilizar a implantação dessa rede, que permitirá o compartilhamento de recursos e aplicações que suportam a prestação do serviço de controle do tráfego aéreo no Brasil.


“Ao encarregar o CPqD da construção e operação desse laboratório, a CISCEA tem a intenção de propiciar ao país o acesso ao conhecimento e domínio da tecnologia envolvidos, em benefício não só do projeto da Rede ATN como também de outros projetos de missão crítica de interesse do Ministério da Defesa”, afirma o Major Brigadeiro do Ar Carlos de Aquino, presidente da CISCEA.

 

Migração para o universo IP


Por serem críticos, os serviços de controle do espaço aéreo - no Brasil e no mundo -, tradicionalmente, têm utilizado redes determinísticas (baseadas em circuitos dedicados). Com a expansão e a evolução das redes IP - especialmente no que diz respeito ao aumento da qualidade do serviço -, a EUROCAE (European Organization for Civil Aviaton Equipment) e outros órgãos de padronização internacional passaram a trabalhar na elaboração de normas voltadas à migração desses serviços para o universo IP. Para isso, é fundamental a realização de testes de equipamentos e sistemas em ambiente simulado de rede IP.


“Esse é um dos principais objetivos do Laboratório de Qualificação de Sistemas para o Controle do Espaço Aéreo”, explica Everton Corrêa, gerente de Defesa e Segurança do CPqD. “Com a infraestrutura montada no laboratório, será possível fazer os testes e a validação de sistemas considerando o cenário de migração de tecnologias de comunicação determinísticas para a implementação de serviços sobre IP, dentro dos padrões internacionais definidos pela EUROCAE”, acrescenta.


Além da rede IP, o novo laboratório também permitirá a simulação de ambientes de redes de telecomunicações determinísticas terrestres (E1) e de satélite. Com a integração das diversas tecnologias (rádio, telefonia e dados), o LQCEA oferecerá todos os cenários de redes de longa distância utilizadas no Brasil para o transporte de informações relacionadas ao controle do tráfego aéreo.


A implantação desse laboratório é uma iniciativa conjunta do CPqD e da CISCEA, que conta com o apoio do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), do Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA), dos fornecedores de equipamentos Frequentis, SITTI, ParkAir e Audiosoft e de sistemas da Atech e Saipher.