COBERTURA ESPECIAL - PROSUPER - Naval

29 de Maio, 2017 - 09:45 ( Brasília )

Em colapso, indústria naval já demitiu quase 50 mil e tem dívida bilionária

Decadência. Dos 40 estaleiros instalados no País, 12 estão parados e o restante opera bem abaixo da capacidade; sem encomendas e com sócios envolvidos na Operação Lava Jato, setor não lembra em nada a euforia de investimentos após a descoberta do pré-sal

Renée Pereira e Daniel Teixeira


Símbolo de um Brasil que tentou repetir o crescimento dos anos 70, O setor naval entrou em colapso. De um conjunto de 40 estaleiros instalados no País, 12 estão totalmente para dose o restante está operando bem abaixo da capacidade instalada.

Sem encomendas, com o caixa debilitado e, em alguns casos, com sócios envolvidos na Operação Lava Jato, cinco desses estaleiros entraram em recuperação judicial ou extrajudicial.

Dos tempos de euforia, sobraram uma dívida bilionária para pagar no mercado e quase 50 mil trabalhadores demitidos, segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria Naval (Sinaval).

Entre os estaleiros que ainda estão em operação, uma parte é voltada para a construção de embarcações fluviais, como barcaças, ou de transporte de passageiros, como os catamarãs comuns no Norte do País.

A indústria voltada para a construção de plataformas e navios offshore, que nasceu para atender as demandas da Petrobrás, está em contagem regressiva, com os últimos projetos em fase final de construção.

Alguns grandes estaleiros têm pouco mais de dois meses de trabalho e depois podem engrossar a lista de estabelecimentos parados. A euforia de investimentos em estaleiros começou no governo Lula, com a descoberta do Pré-Sal pela Petrobrás.

A partir daí, começaram a pipocar projetos de novos estaleiros em todo o litoral brasileiro, uma grande notícia para o governo que queria gerar emprego e turbinar a economia.

Para quem aceitasse o maior porcentual de conteúdo local nas embarcações, o governo se propunha a financiar até 90% do projeto. De 2007 para cá, algo em torno de R$ 45 bilhões foram desembolsados do Fundo de Marinha Mercante (FMM) por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e demais bancos públicos e privados para financiar o setor.

Até 2014, a política do governo se mostrava positiva, apesar de alguns atrasos na entrega de projetos. A essa altura o setor empregava 82 mil pessoas e desenvolvia uma enorme cadeia produtiva.

Mas, com a Operação Lava Jato, que atingiu em cheio a Petrobrás, queda no preço do petróleo e derrocada da Sete Brasil, empresa responsável pela contratação de navios para a estatal, a indústria naval brasileira desmoronou com uma sequência de cancelamentos de encomendas de embarcações. “Foi a tempestade perfeita”, diz André Carvalho, da Veirano Advogados.

Para complicar a situação, a Petrobrás fez um pedido à agência reguladora do setor (ANP) para reduzir os porcentuais de conteúdo local na construção de uma plataforma para o Campo de Libra, alegando que a produção no Brasil encarece em40% o produto. “Os investimentos foram feitos baseados na política de conteúdo local. A eliminação seria muito complicada”,afirma Rodrigo Mattos, diretor da Alvarez & Marsal(A&M).

A crítica é que a crise veio num momento em que a curva de aprendizado estava crescendo, com milhões de reais investidos em treinamento de pessoal. “Pior. A crise pegou alguns estaleiros ainda na curva de investimentos”, diz o presidente da A&M, Marcelo Gomes.

É o caso por exemplo do Enseada Paraguaçu, que tem como sócia as empreiteiras envolvidas na Lava Jato Odebrecht, OAS e UTC, além da japonesa Kawasaki. Com 82% das obras concluídas, o estaleiro está parado e em recuperação extrajudicial. A solução tem sido buscar novas atividades para a área.

O presidente da empresa, Fernando Barbosa, afirma que a opção em análise é a criação de um polo industrial e logístico. Outros estaleiros seguem o mesmo caminho e buscam reestruturar suas atividades, como o Inhaúma (RJ), afirma Sergio Leal, do Sinaval.

No caso do Estaleiro Rio Grande, também em recuperação judicial, a solução em estudo é criar uma unidade produtiva isolada e vender em leilão aparte que inclui todos os equipamentos. “Se nada for feito, em dois anos estará tudo destruído”, diz Leal.


VEJA MAIS