COBERTURA ESPECIAL - Prosub - Naval

06 de Maio, 2015 - 11:00 ( Brasília )

Comandante da Marinha pede apoio de Eduardo Cunha a projetos em tramitação na Câmara

Entre as propostas está a construção de um submarino nuclear no Rio de Janeiro

Sergio Barreto Motta


¹ O comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Leal Ferreira, reuniu-se nesta terça-feira (5) com o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha, para pedir apoio aos projetos da Marinha em tramitação na Casa.

“Vim fazer uma visita de cortesia ao presidente da Câmara, tendo em vista que assumi o comando da Marinha [em fevereiro] e já que existem muitos projetos da Marinha em tramitação aqui”, destacou.

Entre esses projetos, ele citou o projeto de submarino nuclear no estado do Rio de Janeiro, que deve criar milhares de empregos, segundo ele, e o projeto de novos submarinos convencionais. “O apoio da Câmara é importante para nós”, salientou.

Envelhecimento da frota militar é perigo imediato²

envelhecimento da frota da Marinha do Brasil é um fato irrefutável. Há alguns meses, a fragata União, quando se deslocava para ser a nau capitânia da Força Naval da ONU no Líbano pifou, com avaria na propulsão. Agora, está sendo consertada na Itália, ao preço de R$ 1,17 milhão. No dia 20 de março, esta coluna estampou: “Marinha do Brasil sofre com frota envelhecida”. As fragatas já atuam há 30 anos.

Agora, surge um caso mais grave, pois o navio Ceará ficou seis dias à deriva, com 600 militares a bordo, perto da Guiana, a caminho do Haiti. Por sorte, não houve consequência maior, mas o fato é lamentável. O navio de desembarque de doca (NDD) Ceará é o que se pode chamar de relíquia, pois começou a operar na Marinha dos Estados Unidos em 1956, antes da fundação de Brasília – ocorrida em 1961. Foi incorporado ao pavilhão verde e amarelo em 1990 e, embora acabe de sofrer longa reforma, que durou seis anos, não é mais um jovem cheio de vida e... dá mostras de sua fraqueza.

Um especialista comentou com a coluna: “As consequências do envelhecimento da frota da nossa Marinha têm sido implacáveis e provavelmente continuarão a demonstrar que não estamos preparados para prover segurança confiável em nossas águas e afastar a atuação dos tráfegos de armas, drogas e contrabando e até futuros atos de terrorismo.

É imprescindível, e urgente, para o nosso país dispor de um mínimo de navios modernos que, no momento, não precisam ser caros e sofisticados, mas que possam realizar o esperado em termos de defesa de nossas áreas estratégicas”. E acrescenta: “As dificuldades orçamentárias são severas, há tantos anos, que já se fala em tentar estender a vida desses antigos navios por mais dez ou 15 anos, trocando-se exatamente a propulsão e alguns itens do sistema de combate tais como radares e software. Com isso se perderia boa parte do dinheiro que poderia estar sendo empregado em navios novos”.

A Marinha projeta reforma, de R$ 1 bilhão, no porta-aviões São Paulo, que tem passado mais tempo atracado do que no mar. Como esse porta-aviões já tem cinco décadas de vida, não se sabe se vale a pena investir em reformas. Talvez fosse melhor lançar um programa de navios novos, pouco sofisticados, de porte médio, mas capazes de executar missões importantes, em vez de investir em navios e um porta-aviões já desgastados pela dura vida no mar.

Tudo isso prejudica não apenas a proteção no mar – onde estão as bilionárias plataformas de petróleo – como afeta a imagem de um país que pleiteia um assento no Conselho de Segurança da ONU. E, nos próximos dias, a tesoura de Joaquim Levy passará por todos os ministérios, inclusive o da Defesa, não se sabe com que intensidade. Além da Marinha, não se conhece, com exatidão, as carências nos recantos da FAB e nos quartéis do Exército.


¹ Com agência Camara dos Deputados
² Sergio Barreto Motta /
PRIMEIRA LINHA - Monitor Mercantil