COBERTURA ESPECIAL - Nuclear - Aviação

19 de Agosto, 2014 - 14:50 ( Brasília )

Armas Laser e o futuro dos sistemas de interceptação


 

KELSEY D. ATHERTON - Texto do Business Insider
Tradução e edição: Nicholle Murmel

 
No dia 18 de julho deste ano, o voo MH-17 da Malasya Airlines foi abatido por um míssil. Os Estados Unidos acreditam que tenha sido um Buk de fabricação soviética, e satélites infravermelhos americanos apontam que o local de lançamento do míssil no leste da Ucrânia - região tomada por separatistas apoiados pelo governo russo. É possível que um aparato da Guerra Fria tenha lançado o míssil, tecnologia contemporânea tenha identificado de onde ele partiu, e a futura tecnologia dos lasers pudesse ter evitado o desastre?

A resposta é um retumbante talvez. Equipar aeronaves comerciais com laser antimísseis é um processo muito mais complexo e caro do que simplesmente evitar rotas aéreas sobre zonas de conflito, e mesmo que os feixes de luz direcionada atuais funcionem contra mísseis pequenos, ainda estão longe de dar conta de armamentos antiaéreos maiores.

Um editorial recente no Wall Street Journal argumenta que lasers contra projeteis menores que mísseis são factíveis agora. Já a National Defense Magazine vê um desenvolvimento mais gradual dque pode chegar a produzir sistemas antimísseis. Apesar de a tecnologia ainda estar nos laboratórios e áreas de teste, o campo cada vez mais crescente das armas de energia direcionada sugere que um futuro repleto de lasers para defesa é possível.

O panorama atual dos antimísseis

Abater objetos no ar é difícil e caro. Os esforços dos EUA em prover sistemas de defesa contra mísseis balísticos - uma contramedida anunciada há tempos contra ataques nucleares - são frequentemente tão inócuos que  o Congresso especificou que os testes precisam ser realistas para que os recursos sejam liberados. Mesmo quando não se trata de deter um míssil balístico intercontinental, acertar um foguete com outro foguete é complicado.

O sistema Iron Dome de Israel custa 45 milhões de dólares por um grupo de lançadores e mais 40 mil por foguete disparado. Os projeteis a serem detidos por esse sistema custam 750 dólares cada um para serem fabricados - 40 mil dólares por tentativa de abater um foguete que cusa 750. Uma medida que pode ser onerosa tanto monetariamente como em termos de vidas, caso a precisão do Iron Dome seja inferior ao prometido. (Leia o artigo sobre a performance do Iron Dome)

Mas os lasers poderiam mudar esse cálculo. É verdade que o desenvolvimento do sistema é caro - os EUA já investiram 40 milhões de dólares para construir um canhão contra drones, e aprimorar esse laser certamente custará ainda mais. Porém, uma vez projetado e colocado em uso, o laser se torna muito, muito barato. Conforme o projeto desenvolvido para a Marinha Americana, o sistema custa cerca de 1 dólar por disparo - mais barato do que a munição normalmente usada para o mesmo fim.

Por serem constituídos de luz, os raios laser viajam mais rápido do que qualquer arma com projeteis, e portanto são ideais para detê-los. Nas palavras de Ray Johnson, CTO da Lockheed, “Isso muda o jogo. Se você desenvolve uma arma operacional que dispara a uma velocidade de Mach vezes um milhão, isso muda o jogo”. Mas para chegar nesse ponto de mudar o jogo, os armamentos de luz direcionada precisam ser muito mais potentes do que são atualmente.

Armas laser hoje

Johnson estima que lasers de 100 kilowatts de potência devem entrar em serviço nos próximos anos, e acredita que os de 300kW serão realidade um dia. Mesmo os lasers atuais de 10kW são promissores. No segundo semestre do ano passado, o High Energy Laser Mobile Demonstratos (HEL MD) do Exército americano usou um feixe de luz de 10kW para “engajar” morteiros em voo. “Engajar” pode ser um termo pouco preciso, que define apenas “mirar e atingir”, sem especificar que o feixe deve ser constate “até que o alvo seja destruído”.

O Exército planeja continuar o desenvolvimento do HEL MD com potências de 50 e até 100 kilowatts, com a finalidade de criar um laser tão forte que possa danificar as cargas dos morteiros, desviar sua trajetória ou mesmo explodí-los. A empresa de defesa israelense Rafael também esta desenvolvendo um sistema de armamento laser, e o Office of Naval Research está pesquisando uma versão transportada por caminhão para os Fuzileiros Navais.

O desafio fundamental para os armamentos de luz direcionada é que, diferente de como acontece na ficção científica em que lasers voam como munição, um canhão na vida real precisa direcionar o raio por um longo período de tempo para incinerar o alvo - como uma criança brincando com uma lupa e insetos. Para a criança, o inseto é fácil de capturar, já o laser precisa se manter focado em um alvo que se movimenta enquanto é incinerado. Esse fogo não precisa destruir o míssil inimigo completamente. Em vez disso, pode-se danificar o sistema de guiagem, neutralizando o alvo.

Ainda há um debate consideráverl acerca de qual a potência necessária para neutralizar cada tipo de foguete e míssil, ou mesmo é lasers são realmente capazes disso. Um relatório do Congressional Research Office apresenta pareceres conflitantes.

O futuro da luz direcionada para interceptação

Por ainda estarem em desenvolvimento, não sabemos ainda o quão potentes os lasers podem vir a ser, ou se conseguirão fazer tudo o que se espera, mas eis algumas promessas.




O HEL MD da Boeing foi desenvolvido para localizar e engajar objetos voadores com o feixe de luz direcionada.

A Lockheed divulgou video em que demonstra o uso de um laser contra um foguete de teste que teve a ponta incinerada, explodindo em seguida.

O Airborne Laser Testbed foi projetado pela Boeing e pela Northrop Grumann para a Missile Defense Agency dos Estados Unidos, basicamente colocando um laser no nariz de um 747. O projeto foi cancelado por conta do custo alto e repetidas falhas (ver foto acima).



Tactical High-Energy Laser (foto acima),  THEL, um projeto conjunto entre Israel e os Estado Unidos. Em 2000 –1, nos testes destruiu  28 foguetes Katyusha e  5 granadas de artilharia. Porém, o protótipo tinha o volume de seis ônibus. Volume necesário para conter: centro de comando, radar e o telescópio para rastreamento dos alvos, o laser químico, combustível e tanques para os reagentes, o espelho rotativo para refletir o feixe de energia.
 
Em um vídeo conceitual (abaixo), a BAE Systems mostra seu projeto de laser em uma aeronave-conceito, mostrando o armamento como uma tecnologia garantida para o futuro. O laser abatendo mísseis ar-ar seria um dos muitos recursos desse avião fictício.


 



Veja a parte de Directed Energy System 1min e 20 s