COBERTURA ESPECIAL - Especial MOUT - Defesa

22 de Fevereiro, 2017 - 09:00 ( Brasília )

Pezão pede a permanência do Exército no Rio até o fim do carnaval


Vera Araújo

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, pediu na manhã desta terça feira ao governo federal que mantenha as Forças Armadas no Rio até o fim do carnaval. O prazo do convênio entre o estado e a União para a permanência do Exército termina na quarta-feira. Pezão aguarda a decisão do presidente Michel Temer e do Ministro da Defesa, Raul Jungman.

Desde a semana passada, nove mil militares — oito mil do Exército e outros mil da Marinha — iniciaram a Operação Carioca, cujo objetivo é reforçar o policiamento no Rio e na Região Metropolitana. Na ocasião do anúncio do início da operação, o ministro da Defesa afirmou que o período de patrulhamento poderia ser estendido.

O pedido de patrulhamento do Exército foi feito na mesma época em que a Polícia Militar ameaçava fazer uma greve. Á época, no entanto, o governador negou que esse fosse o motivo. Outro foco de preocupações do governo são os protestos em frente à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), com a votação do pacote de ajuste fiscal, que devem se intensificar.

O Exército ficou responsável pelo patrulhamento da Avenida Brasil e da Transolímpica, mas não fará o policiamento das Linhas Amarela e Vermelha. Já os fuzileiros da Marinha ficam entre a região Portuária, do Caju ao Aeroporto Santos Dumont, e por toda a Zona Sul, exceto em São Conrado.

Baixada Fluminense e favelas do Rio não receberão patrulhamento de militares

Os nove mil militares das Forças Armadas (oito mil do Exército e mil fuzileiros da Marinha) que começaram a patrulhar pontos do Rio na tarde desta terça-feira, estarão em apenas algumas vias expressas da cidade. A Baixada Fluminense também não foi incluída na área de atuação das Forças Armadas, e também não haverá, segundo o ministro da Defesa, presença de militares em favelas da cidade.

Apesar de uma das justificativas para a vinda dos militares, segundo o governador Luiz Fernando Pezão, foi o aumento do número de turistas nas ruas durante o carnaval, o aeroporto do Galeão também não foi incluído nas áreas de patrulhamento, ao menos neste início da operação.
 
A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Comando Militar do Leste, que reafirmou que a situação do Rio de Janeiro é considerada de “normalidade”.

O Exército ficará responsável pelo patrulhamento da Avenida Brasil e da Transolímpica, mas não fará o policiamento das Linhas Amarela e Vermelha. Já os fuzileiros da Marinha serão distribuídos entre as zonas Portuária e Sul da cidade.

Além dessas vias, os agentes do Exército estarão presentes em Deodoro e em regiões de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.  O Centro do Rio também foi excluído da área de atuação militar da operação. De acordo com Jungmann, o policiamento na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro será feito pela Força Nacional de Segurança e pela Polícia Militar. A Alerj tem sido palco frequente de protestos, como o ocorrido na tarde desta terça-feira.

Zona Sul será patrulhada

Já os mil fuzileiros da Marinha estarão presentes no Caju, na Zona Portuária no aeroporto Santos Dumont e em toda a Zona Sul, exceto em São Conrado.

Durante o anúncio do patrulhamento, Jungmann afirmou que a operação é preventiva. Segundo ele, as tropas das Forças Armadas terão poder de polícia. Os agentes serão autorizados, por exemplo, a fazer revistas em ônibus, como realiza a Polícia Militar em algumas linhas durante a Operação Verão.

— Estamos iniciando nesta terça-feira a Operação Carioca. Não existe nenhum descontrole dos meios para manutenção da ordem, nenhuma insuficiência ou indisponibilidade dos recursos dos órgãos de segurança pública para manutenção da lei e da ordem — explicou o ministro da Defesa.

O ministro reconheceu que há protestos de familiares de policiais militares, mas minimizou o prejuízo ao trabalho da corporação:

— Diferentemente do que se passou no Espírito Santo, não há descontrole, não há desordem. O policiamento está na ordem de 95% nas ruas. O pedido do governador foi, diante da amplitude das tarefas, a necessidade do emprego preventivo das Forças Armadas. De fato, temos protestos, mas não estão impedindo que as forças policiais trabalhem. Essas são as informações do nosso setor de inteligência.



Outras coberturas especiais


Russia Docs

Russia Docs

Última atualização 13 DEZ, 13:00

MAIS LIDAS

Especial MOUT