12 de Dezembro, 2012 - 09:33 ( Brasília )

Geopolítica

Coréia do Norte lança satélite e Conselho de Segurança da Onu vai discutir retaliação


Pela primeira vez a Coreia do Norte conseguiu enviar com sucesso um suposto satélite ao espaço. Os Estados Unidos e seus aliados condenaram o lançamento, feito a partir do centro espacial de Sohae, e denunciaram um teste disfarçado. A Casa Branca acredita que o foguete carregava um míssil nuclear.

Um porta-voz do governo americano considerou o teste "altamente provocador", sujeito a consequências. A pedido do Japão, o Conselho de Segurança da ONU se reúne na manhã desta quarta-feira, em Nova York, para discutir medidas de retaliação. A Rússia condenou abertamente o lançamento do foguete norte-coreano, enquanto a China criticou a operação em tom velado.

O governo de Pyongyang está eufórico com o resultado da missão e afirma em nota estar exercendo o direito à utilização pacífica do espaço, para o bem da economia do país.

Reações

O ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, condenou na quarta-feira, com grande "firmeza" o lançamento feito pela Coreia do Norte que ele qualificou de "provocação intencional”.

“Com essa provocação intencional, a Coreia do Norte viola de maneira irresponsável suas obrigações internacionais e aumenta as tensões na região”, afirmou o chefe da diplomacia da Alemanha.

A afirmação foi feita em Marrakech onde ele participa da reunião dos Amigos do povo sírio. Para Westerwelle, o Conselho de Segurança da ONU deve “dar uma resposta clara à esta violação do direito internacional”.

A União Europeia sugeriu nesta quarta-feira uma ameaça de novas sanções contre o regime. “A União Europeia vai avaliar uma resposta apropriada, em estreita consulta com seus principais parceiros, e de acordo com as deliberações do Conselho de Segurança das Nações Unidas, especificamente com possíveis novas sanções”, declarou em um comunicado a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton.

O Conselho de Segurança das Nações Unidos adotou duas séries de sanções entre 2006 e 2009 após testes nucleares anunciados pela Coréia do Norte.

A China, tradicional aliado de Pyongyang, lamentou o lançamento do foguete. “Nós expressamos nossa oposição em relação ao lançamento feito pela Coréia do Norte apesar das grandes preocupações da comunidade internacional”, disse o porta-voz da chancelaria chinesa, Hong Lei.

"A China sustenta que a abordagem primordial para garantir a paz e a estabilidade na península coreana deve ser feita através do diálogo. Nós esperamos que todas as partes envolvidas mantenham a calma", afirmou.