23 de Abril, 2017 - 20:00 ( Brasília )

Geopolítica

SIPRI - Gastos Militares no Mundo - 2016

O Brasil caiu uma posição relativa de 12 para 13 como o maior orçamento (US$ 23,7 bilhões).

Nota DefesaNet

English version:

SIPRI - Trends in World Military Expenditure - 2016 [DefesaNet Link]

O editor



(Estocolmo, 24 de abril de 2017) O total de gastos militares no mundo aumentou para US$ 1,686 Trilhão, em 2016, um aumento de 0,4% em termos reais a partir de 2015, de acordo com novos dados do Instituto Internacional de Pesquisa para Paz, de Estocolmo (Stockholm International Peace Research Institute - SIPRI)

As despesas militares na América do Norte viram seu primeiro aumento anual desde 2010, enquanto as despesas na Europa Ocidental cresceram pelo segundo ano consecutivo. A atualização anual abrangente do Banco de Dados de Despesas Militares do SIPRI está disponível a partir de hoje em www.sipri.org.

As despesas militares mundiais aumentaram, pelo segundo ano consecutivo, para um total de US$ 1,686 trilhão, em 2016 - o primeiro aumento anual consecutivo desde 2011, quando os gastos atingiram seu pico de US$ 1,699 Trilhão.  As tendências e os padrões de gastos militares variam consideravelmente entre as regiões. As despesas continuaram a crescer na Ásia e Oceania, na Europa Central e Oriental e no Norte da África. Em contrapartida, os gastos caíram na América Central e no Caribe, no Oriente Médio (com base nos países para os quais existem dados disponíveis), na América do Sul e na África subsaariana.

Os gastos dos EUA voltam ao crescimento; Os gastos da Arábia Saudita caem significativamente

Os Estados Unidos continuam a ser o país com o maior gasto militar anual no mundo. Os gastos militares dos EUA cresceram 1,7 por cento entre 2015 e 2016 para US $ 611 bilhões. As despesas militares da China, que foi o segundo maiores gastos, em 2016, aumentaram 5,4 por cento para US$ 215 bilhões, uma taxa de crescimento muito menor do que em anos anteriores. A Rússia aumentou seus gastos em 5,9% em 2016 para US$ 69,2 bilhões, tornando-se o terceiro maior orçamento. A Arábia Saudita foi o terceiro maior orçamento, em 2015, mas caiu para a quarta posição, em 2016. As despesas da Arábia Saudita caíram 30 %, em 2016 para US$ 63,7 bilhões, apesar de seu contínuo envolvimento em guerras regionais. As despesas militares da Índia cresceram 8,5% em 2016 para US$ 55,9 bilhões, tornando-se o quinto maior investimento.


O crescimento das despesas militares dos EUA em 2016 pode sinalizar o fim de uma tendência de diminuição dos investimentos, resultante da crise econômica (2008) e da retirada das tropas dos EUA do Afeganistão e do Iraque. Os gastos dos EUA em 2016 permaneceram 20% abaixo do seu pico de 2010. "Apesar das contínuas restrições legais ao orçamento geral dos EUA, os aumentos nos gastos militares foram acordados com Congresso", disse o Dr. Aude Fleurant, Diretor do SIPRI Arms and Military Dispenditure (AMEX). "Os padrões de gastos futuros permanecem incertos devido à mudança da situação política nos EUA".

Aumentos na Europa ligados à percepção crescente de ameaças

As despesas militares na Europa Ocidental aumentaram pelo segundo ano consecutivo e subiram 2,6 por cento em 2016. Houve aumentos de gastos em todos os países, menos em três, na Europa Ocidental. A Itália registrou o aumento mais notável, com os gastos subindo 11% entre 2015 e 2016.

Os países com os maiores aumentos relativos das despesas militares entre 2015 e 2016 estão na Europa Central. Os gastos globais na Europa Central cresceram 2,4% em 2016. "O crescimento das despesas de muitos países na Europa Central pode ser parcialmente atribuído à percepção de que a Rússia representa uma ameaça maior", disse Siemon Wezeman, pesquisador sênior do programa SIPRI AMEX . "Isto apesar do fato de que os gastos da Rússia em 2016 foram apenas 27 por cento do total combinado de membros europeus da OTAN."

Grandes quedas nas despesas militares em muitos países exportadores de petróleo
"A queda das receitas do petróleo e os problemas econômicos associados ao choque do preço do petróleo obrigaram muitos países exportadores de petróleo a reduzir os gastos militares", disse o Dr. Nan Tian, ??pesquisador do programa SIPRI AMEX. "Por exemplo, entre 2015 e 2016 a Arábia Saudita teve a maior queda absoluta em gastos de US $ 25,8 bilhões".
Os maiores cortes nas despesas militares em 2016 relacionaram-se com a queda das receitas petrolíferas nacionais na:

-  Venezuela (-56 %);
-  Sul do Sudão (-54 %);
-  Azerbaijão (-36 %);
-  Iraque (-36 %), e,
-  Arábia Saudita (-30 %).


Outras diminuições notáveis ??foram observadas em Angola, Equador, Cazaquistão, México, Omã e Peru. Apenas 2 dos 15 países com maiores quedas em gastos em 2016 não são exportadores de petróleo. No entanto, uma minoria de países exportadores de petróleo, como a Argélia, o Irã, o Kuwait e a Noruega, estão mais bem equipadas economicamente para lidar com os choques do preço do petróleo e poderão continuar com os seus planos de despesas existentes em 2016.

Outros desenvolvimentos notáveis

• As despesas militares mundiais em 2016 representaram 2,2% do PIB mundial. As despesas militares em percentagem do PIB foram as mais elevadas no Oriente Médio (para os países onde existem dados disponíveis), com uma média de 6,0 por cento do PIB em 2016, enquanto a mais baixa foi nas Américas, com uma média de 1,3 por cento do PIB.

• As despesas na África diminuíram 1,3% em 2016, um segundo ano de queda após 11 anos consecutivos de aumentos. Isto se deveu principalmente aos cortes de gastos nos países exportadores de petróleo da África Subsaariana (por exemplo, Angola e Sudão do Sul).

• Na Ásia e Oceania, as despesas militares aumentaram 4,6% em 2016. Os níveis de despesa estão relacionados com as muitas tensões na região, tais como os direitos territoriais no Mar da China Meridional.

• As despesas militares na América Central e no Caribe e na América do Sul combinadas diminuíram 7,8 por cento para um nível não observado desde 2007. A queda é explicada em grande parte pelas reduções de gastos por países exportadores de petróleo, como Equador, México, Peru e Venezuela. Os gastos do Brasil continuaram a cair em consequência do agravamento da crise econômica. O Brasil caiu uma posição relativa de 12 para 13 como o maior orçamento (US$ 23,7 bilhões).

• Não existe uma estimativa para o Oriente Médio, uma vez que os dados não estão disponíveis para vários gastadores importantes, como os Emirados Árabes Unidos. Para países onde os dados estão disponíveis, aumentos substanciais foram observados no Irã e Kuwait, enquanto diminuições consideráveis ??foram observadas no Iraque e na Arábia Saudita.

* Todas as variações percentuais são expressas em termos reais (preços constantes de 2015).

SIPRI Trends World Military Expenditure 2016  on Scribd