13 de Setembro, 2016 - 11:50 ( Brasília )

Geopolítica

Rússia e China realizam manobras militares marítimas conjuntas


Foi inaugurado hoje (13) o exercício militar conjunto das marinhas chinesa e russa, Coalizão Marítima 2016.

O diretor-geral chinês e vice-comandante da marinha chinesa, Wang Hai, disse que essa operação conjunta visa impulsionar as coordenações estratégicas sino-russas na área de segurança, aprofundar os intercâmbios e cooperações entre os dois países, os dois exércitos, e particularmente as duas marinhas.

Segundo Wang, a manobra foi baseada na informatização, normalização e na simulação de um ambiente de guerra real.

O diretor-geral russo e vice-comandante da marinha russa, Alexander Fedotenkov, disse que os soldados realizarão intercâmbios de competição em várias áreas específicas e terão treinos de combate entre as partes vermelha e azul, o que é muito favorável para melhorar a capacidade de ações conjuntas das duas marinhas.
 

Chanceleres da Rússia e do Japão discutem questão nuclear da Península Coreana

O chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, conversou nesta segunda-feira (12) por telefone com o ministro das Relações Exteriores do Japão, Fumio Kishida sobre os recentes testes nucleares realizados pela República Democrática Popular da Coreia (RDPC), bem como as relações nipo-russas.

A chancelaria russa considerou que os testes nucleares da RPDC violaram as resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Moscou destacou que a questão da Península Coreana deve ser resolvida pela via diplomática, perante a premissa do alívio da tensão política e militar no Nordeste Asiático.

Segundo a chancelaria russa, os dois ministros estão satisfeitos com o desenvolvimento das relações bilaterais, desde que o presidente da Rússia e o primeiro-ministro do Japão se reuniram duas vezes ao longo do ano. Os dois ministros decidiram que darão continuidade à proposta de cooperação reconhecida pelos líderes dos dois países.


China urge que partes envolvidas na questão da Península Coreana evitem provocações mútuas

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, reiterou a posição chinesa na questão nuclear da RPDC em uma coletiva de imprensa realizada hoje (13) em Beijing, afirmando que, na atual situação, as partes relevantes devem evitar provocações mútuas que provoquem a escalada das tensões na região, o que não corresponde ao interesse de ninguém.

Segundo a porta-voz, a China recomenda fortemente que as partes se concentrem no bem maior e evitem provocações mútuas. Embora a atual situação seja muito difícil, as partes interessadas não devem desistir da perspectiva de resolver pacificamente a questão nuclear da RPDC através do diálogo e consulta.

Hua Chunying disse que, como membro permanente do Conselho de Segurança e um membro responsável da comunidade internacional, a China vai continuar a participar das discussões do Conselho de Segurança com uma atitude construtiva e responsável, implementar as resoluções relevantes, e se esforçar com as partes interessadas para promover a questão nuclear da Península de volta para o caminho certo,através do diálogo e consulta.