31 de Outubro, 2014 - 15:30 ( Brasília )

Geopolítica

Programa nuclear da Coreia do Norte está avançando, diz general

Comandante das forças americanas na península coreana acredita que Pyongyang está cada vez mais perto de dominar ciclo de produção de mísseis nucelares

Por David Francis – Texto do Foreign Policy

Tradução, adaptação e edição – Nicholle Murmel

 
A Coreia do Norte agora é capaz de fabricar ogivas nuclearas que podem ser colocadas em foguetes. Trata-se de um passo significativo nos esforços de Kim Jong Un para desenvolver mísseis atômicos. As informações foram concedidas a repórteres na última sexta (24OUT14) pelo general Curtis Scaparotti, comandante das forças americanas na península coreana.
 
Segundo o general, durante anos Pyongyang lutou para progredir em seu programa nuclear, mas a realidade agora é outra: o país é capaz de construir uma ogiva atômica miniaturizada, o precursor do um míssil nuclear. “Acredito que eles sejm capazes de miniaturizar um dispositivo [atômico] a essa altura, e que tenham tecnologia para efetivamente entregar o que alegam ter”, afirmou Scaparotti, enfatizando que os comentários eram opinião pessoal dele, não fatos oficiais.
 
O comandante acrescentou que as relações da Coreia do Norte com outras potências nucleares o levoaram a acreditar que o país fez progressos na área. “Eles têm relações de proliferação com outros países, Índia e Paquistão em particular”, explica.
 
Os comentários do general surgem em um momento de tensão crescente entre as Coreias do Norte e do Sul. Foi registrado recentemente um número siginificativo de pequenas hostilidades ao longo da zona desmilitarizada entre os dois países. As provocações partem normalmente das tropas norte-coreanas. “Nós avisamos Pyongyang veementemente acerca de provocações militares inconsequentes, que levariam ao aumento das tensões”, declarou o porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano, Kim Min-seok, no começo da semana.
 
O novo alerta sobre os avanços nucleares do Norte também vem logo após a prorrogação do controle americano sobre as forças militares de Seul. A medida é uma forma de dissuasão contra Pyongyang e tem previsão de expirar no ano que vem. Em pronunciamento oficial conjunto, representantes da Coreia do Sul e dos Estados Unidos declararam na última quinta (23OU14) que o tempo extra permitirá a Seul “se concentrar para que a Coreia do Sul alcance capacidade crítica de defesa contra as ameaças cada vez mais intensas do Norte”.