11 de Setembro, 2014 - 11:20 ( Brasília )

Geopolítica

Não hesitarei em atacar o Estado Islâmico na Síria', diz Obama


Um dia antes do aniversário dos ataques de 11 de setembro, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta quarta-feira que "não hesitará" em realizar ataques contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Em um pronunciamento na TV americana, Obama também disse que vai financiar e treinar rebeldes sírios para combater o grupo radical islâmico.

Ele afirmou ainda que pedirá apoio do Congresso do país para levar o plano adiante.

"Quem ameaçar os Estados Unidos, não encontrará porto seguro", afirmou Obama, referindo-se ao terrorismo.

Ele destacou, entretanto, que a ofensiva será diferente das ocorridas no Afeganistão e no Iraque, acrescentando que não haverá tropas americanas em solo.

Segundo Obama, seu objetivo é "enfraquecer e, em última análise, destruir" o Estado Islâmico por meio de uma estratégia de contra-terrorismo sustentada e abrangente.

Desde o início da Guerra da Síria, há três anos e meio, o presidente americano já declarou apoio aos rebeldes sírios contra o governo do presidente Bashar al-Assad.

Ainda não está claro, contudo, como Obama vai realizar ataques aéreos na Síria sem a permissão de Assad.

Obama acrescentou que os Estados Unidos vão liderar uma "grande coalizão" para conter o avanço do EI, mas não deu mais detalhes sobre quais países participariam da ofensiva.

"Em conjunto com o governo do Iraque, vamos expandir nossos esforços para além de proteger nosso pessoal e nossas missões humanitárias, de maneira a atingir alvos do EI na medida em que as forças iraquianas avancem", afirmou.

Estratégia

No domingo passado, Obama havia antecipado, em entrevista à rede americana NBC, que se pronunciaria nesta quarta-feira sobre sua estratégia conter o avanço do Estado Islâmico.

O presidente dos Estados Unidos vinha sendo duramente criticado pela lentidão em responder ao avanço do grupo radical islâmico.

Mais cedo, o secretário de Estado americano, John Kerry, viajou ao Iraque na tentativa de construir uma coalizão contra o Estado Islâmico.

Parlamentares da base governista de Obama estão tentando buscar apoio no Congresso para implementar o plano de ação contra o grupo radical islâmico.

Conhecido pela brutalidade, o Estado Islâmico controla vastos territórios da Síria e do Iraque.

O grupo sunita, que prega o massacre de xiitas e de outras minorias religiosas, está à frente de um governo de facto na cidade de Raqqa, na Síria.

Seus combatentes ganharam notoriedade pela brutalidade, gravando em vídeo a decapitação de inimigos e jornalistas do Ocidente.

Os Estados Unidos vêm fazendo ataques aéreos no Iraque, onde conta o apoio do governo local.

Obama já autorizou o repasse de US$ 25 milhões (R$ 58 milhões) às Forças Armadas do Iraque.

Ataques

No ano passado, o presidente dos Estados Unidos estava prestes a lançar ataques aéreos contra as forças do governo sírio devido ao uso de armas químicas.

Obama desistiu do plano após não conseguir angariar apoio necessário e a Síria concordar em destruir seus estoques.

Pesquisas de opinião mostram que a maioria dos americanos é a favor de algum tipo de ação contra o EI.

Mas Obama ainda enfrenta um enorme desafio para ter seus planos aprovados.

Nesta quarta-feira, o secretário de Estado americano, John Kerry, viajou o Iraque, onde elogiou os planos do novo governo para delegar mais poderes à minoria sunita e construir relações melhores com os curdos.

Muitos sunitas que se sentem marginalizados pela administração liderada pelos xiitas, anteriormente apoiada pelo Estado islâmico.

Kerry afirmou que o novo governo iraquiano tinha de ser o "motor" para a luta global contra o EI.

Mais cedo, o chanceler da França, Laurent Fabius, disse que seu governo vai colaborar nos ataques aéreos contra o grupo radical islâmico.