30 de Novembro, 2013 - 11:22 ( Brasília )

Geopolítica

Pyongyang retoma trabalhos em base de mísseis, dizem especialistas


A Coreia do Norte reatou os trabalhos de construção, após quase um ano parados, em uma de seus principais bases de lançamento de mísseis, situada no nordeste do país, revelou neste sábado o site 38 North.

Através de novas imagens de satélite divulgadas pelo portal especializado na Coreia do Norte, os especialistas confirmam que os trabalhos foram retomados nas instalações de Tonghae, que estavam parados desde o final de 2012.

"O reinício dos trabalhos de construção nas novas instalações de Tonghae mostram que a Coreia do Norte continua empenhada em contar com dois pontos de lançamento", junto com a base de Sohae (também conhecida como Dongchang-ri) e localizada no noroeste do país, detalhou o site.

Em Tonghae, também conhecida como Musudan-ri, o regime de Kim Jong-un fez testes com mísseis balísticos intercontinentais em 1998 e 2006, mas no último caso o lançamento foi fracassado.

Mesmo que as imagens mostrem o reinício dos trabalhos nessas instalações, o site "38 North", que pertence à Universidade Johns Hopkins de Washington, considera que isso "não significa que a Coreia do Norte esteja planejando realizar em 2013 um novo lançamento de mísseis", detalhou.

Além disso, "embora seja difícil de prever", também não foram observados avanços "na nova estrada de apoio à construção e que servirá para o eventual transporte das distintas partes dos foguetes", o que torna "ainda mais complicado" um novo lançamento, afirmou o portal.

A notícia chega num momento de aparente distensão entre as duas Coreias, que estão tecnicamente em guerra após a assinatura do armistício em 1953, e no meio das tentativas de retomada do diálogo para a sua desnuclearização, do qual participam, além das duas Coreias, EUA, Japão, Rússia e China.

Foi na base de Sohae que a Coreia do Norte realizou há um ano o lançamento de um foguete que colocou em órbita o primeiro satélite espacial do país comunista, o que resultou em novas sanções por parte das Nações Unidas.