COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Defesa

30 de Maio, 2012 - 12:14 ( Brasília )

Brasil, Colômbia e Peru vão ampliar cooperação militar para segurança da tríplice fronteira


Brasil, Colômbia e Peru reforçaram, em âmbito militar, o compromisso de proteger a fronteira comum contra ilícitos transacionais. Em reunião tripartite dos chefes dos Estados-Maiores Conjuntos das Forças Armadas realizada ontem (29), em Manaus (AM), representantes dos três países concordaram em fortalecer políticas de cooperação multilateral para combater crimes como narcotráfico, mineração ilegal e contrabando.

"A palavra chave é cooperação", disse o anfitrião do encontro, o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general José Carlos De Nardi. Segundo ele, o apoio mútuo entre as nações é fundamental para que a América do Sul encontre soluções para ameaças comuns, sobretudo na área fronteiriça. "Mas não podemos esquecer da nossa missão principal: a defesa da pátria e garantia da soberania nacional", ressalvou.

Durante a reunião, realizada na sede do Comando Militar da Amazônia (CMA), De Nardi e os chefes das delegações do Peru e da Colômbia, almirante Jose Cueto Aservi e general Leonardo Alfonso Barrero Gordillo, respectivamente, debateram propostas para incrementar a proteção da área da tríplice fronteira, além de medidas que possam gerar cooperação na luta contra crimes transnacionais.

Ao avaliar a evolução de medidas já adotadas pelos três países, o chefe do EMCFA defendeu que o fortalecimento do intercâmbio de inteligência se dê não apenas na esfera política — entre ministros de Estado ou envolvendo a alta cúpula das Forças Armadas —, mas também na "linha de frente", entre as próprias unidades fronteiriças. "Os comandantes de batalhão precisam se comunicar", afirmou. Para De Nardi, é preciso criar mecanismos que permitam replicar, em outros escalões, a aproximação obtida por Brasil, Colômbia e Peru em nível institucional.

A necessidade de incrementar a interação de informações também foi abordada pelas demais delegações. Além da troca de dados de inteligência, o almirante peruano Jose Cueto Aservi propôs a implementação de programas de treinamento conjunto em setores como inovação tecnológica militar, operações especiais (do tipo reconhecimento e combate noturno) e sistemas de simulação.

Já o general Barrero Gordillo, falando pelos colombianos, mencionou a importância do intercâmbio para manutenção e revitalização de equipamentos militares — como os veículos brasileiros Urutu e Cascavel, utilizados em seu país —, além da necessidade de contar com instâncias que permitam a troca de informações "em tempo real".

Ao debater algumas das ideias apresentadas, o general De Nardi lembrou que o tratamento de questões de segurança nas fronteiras não está restrito à atuação das Forças Armadas, e que uma abordagem mais ampla para o trato dos problemas enfrentados envolve a participação de outros atores institucionais, como o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério da Justiça, no caso do Brasil.

Defesa cibernética

Ao longo da programação, militares brasileiros fizeram apresentações sobre temas diversos, recorrendo ao uso de slides e vídeos. A primeira delas tratou da questão da defesa cibernética no país e abordou desde a estrutura do setor, hoje sob responsabilidade do Exército Brasileiro, até os programas e projetos em andamento. Segundo o panorama apresentado, o núcleo do recém-criado Centro de Defesa Cibernética, em vias de ser ativado, deve multiplicar por quatro o número de profissionais empregados nos próximos dois anos.

Recentemente, cerca de R$ 20 milhões foram investidos pelo governo federal para a segurança cibernética da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que acontece daqui a duas semanas, no Rio de Janeiro. Investimentos na montagem de sistemas de proteção semelhantes devem ser feitos para outros grandes eventos, como a Copa das Confederações, em 2013, e a Copa do Mundo, no ano seguinte.

Em outra apresentação, o chefe de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa, general João Carlos Vilela Morgero, falou das lições aprendidas na Operação Ágata, de combate a ilícitos nas fronteiras. Após fazer um balanço geral das quatro edições já realizadas, Vilela destacou o substancial aumento da participação de órgãos públicos na iniciativa, que integra o Plano Estratégico de Fronteiras. De acordo com o general, enquanto a Operação Ágata 1, realizada há menos de um ano, teve a participação de três ministérios, a Ágata 4, concluída há duas semanas, teve a participação de dez ministérios e cerca de 40 órgãos públicos federais e estaduais.

Militares colombianos e peruanos foram apresentados também ao "Guarani", nova família de blindados sobre rodas que começou a ser produzida no Brasil. E tiveram a oportunidade de realizar visitas ao Centro Regional do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) em Manaus, ao Cindacta 4 e ao Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS).

Esta foi a segunda reunião tripartite realizada pelos chefes dos Estados-Maiores Conjuntos das Forças Armadas do Brasil, da Colômbia e do Peru. A primeira ocorreu em outubro de 2010, na cidade de Leticia, na Colômbia. A próxima edição do evento está prevista para acontecer no primeiro semestre de 2013, em cidade ainda a ser definida, no Peru.