COBERTURA ESPECIAL - Modernização FAB - Aviação

19 de Janeiro, 2018 - 09:30 ( Brasília )

A missão de Defender está no DNA da FAB desde sua criação

Ministério da Aeronáutica completa 77 anos de criação no dia 20 de janeiro

Tenente Gabrielli / Major Alle

Criado em 20 de janeiro de 1941, o então Ministério da Aeronáutica – gérmen do atual Comando da Aeronáutica (COMAER) – agregou as missões de Controlar, Defender e Integrar o País, ações que até hoje compõem a identidade da Força Aérea Brasileira (FAB), remetendo ao DNA da instituição, criada há 77 anos.

Defender As histórias da criação do Ministério da Aeronáutica e da participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial se confundem. Apenas três anos após o início do conflito entre o Eixo e os Aliados - que foi de 1939 até 1945 - a instituição entrou na guerra, culminando na criação do Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAvCA).

Comandado pelo então Major Nero Moura, em 1943, o grupo realizou um treinamento preliminar de sete meses nos Estados Unidos. Com a aeronave escolhida, o P-47 Thunderbolt, os brasileiros desembarcaram na Itália em outubro de 1944 e começaram a combater no mês seguinte.

Foram mais de 440 missões de guerra. Os militares que constituíam a unidade eram todos voluntários: esse foi o primeiro critério de Nero Moura para a seleção dos combatentes.

O dia 22 de abril do ano seguinte marcou o maior número de missões realizadas em solo italiano por pilotos brasileiros no conflito: foram 44 missões em um só dia e, por isso, é relembrado até hoje como o Dia da Aviação de Caça.

Um marco relevante na missão de Defender veio na segunda metade da década de 1970, quando o País – por meio da Embraer – fechou uma parceria com a Itália para o desenvolvimento de um caça subsônico ítalo-brasileiro, o AMX.

O acordo foi assinado em 1981 e o avião voou pela primeira vez três anos depois, na Itália. No dia 16 de outubro de 1984, o primeiro protótipo brasileiro alçou voo em São José dos Campos (SP) e, após incorporado aos esquadrões da Força Aérea Brasileira (FAB), substituiu os AT-26 Xavante, nas missões de ataque ao solo. Coexistindo com o AMX – aeronave modernizada em 2013 e que na Força Aérea Brasileira também é conhecido como A-1M – outro importante vetor de defesa aérea foi o caça francês Mirage 2000.



Atualmente, além dos A-1M, as aeronaves responsáveis diretamente na missão precípua de Defender são os A-29 Super Tucano e os F-5M.

De olho no futuro, a Força Aérea se prepara para receber uma nova aeronave de caça – o Gripen NG - em um projeto que envolve a indústria nacional, coordenada pela Embraer, e a empresa sueca Saab, que participam de um abrangente programa de transferência de tecnologia.

O futuro caça passará a fazer parte da Força Aérea Brasileira nas missões de Defender o cenário de 22 milhões de quilômetros quadrados – a Dimensão 22.

Artigo relacionado:  

Dimensão 22: o DNA da FAB [Link]


 

Leia também:  

Notícias relacionadas ao Gripen NG [Link]

Fotos: Agência Força Aérea - FAB


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Especial MOUT

Especial MOUT

Última atualização 24 SET, 21:30

MAIS LIDAS

Modernização FAB