COBERTURA ESPECIAL - Modernização FAB - Aviação

26 de Outubro, 2016 - 09:10 ( Brasília )

Ministério de Ciência e Tecnologia e Aeronáutica devem priorizar projetos conjuntos

FAB aposta em novo modelo brasileiro para exploração espacial. Assunto foi abordado em encontro entre Comandante da Aeronáutica e ministro do MCTIC

A necessidade de um novo conceito brasileiro para exploração da área espacial foi um dos assuntos na pauta do encontro do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, com o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab.

A reunião, realizada nesta terça feira (25/10), em Brasília (DF), contou com a participação do Alto Comando da Aeronáutica, do secretário-executivo e do secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento da pasta, além de assessores do MCTIC.

"Começamos [o Programa Espacial Brasileiro] junto com Índia e China e estamos bem atrasados nesse assunto", afirmou o Comandante que, em recente visita à Índia, pôde constatar a diferença no nível de desenvolvimento entre os dois países nesta área. Entre os principais gargalos está a falta de investimento.

De acordo com o oficial-general, a nação indiana investe cerca de nove bilhões de dólares por ano apenas em desenvolvimento tecnológico. “Em valores absolutos, a Argentina investe dez vezes mais que o Brasil na área espacial”, complementou.

A proposta do Comando da Aeronáutica para o novo modelo brasileiro de exploração espacial é investir em satélites ópticos e de observação da Terra de órbita baixa com lançador apropriado e buscar acordos com países que detêm tecnologia neste segmento.

“De acordo com a Estratégia Nacional de Defesa, a área espacial está sob responsabilidade da Força Aérea Brasileira”, explicou.

O Tenente-Brigadeiro Rossato ressaltou ainda a necessidade de fomentar o assunto junto às demais instituições da área espacial. Uma das grandes vantagens desse estreitamento seria o uso compartilhado de imagens geradas por satélites por diversos órgãos ministeriais para o controle das fronteiras. Um exemplo prático desse tipo de sinergia ocorreu durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, quando o satélite israelense EROS-B (Earth Remote Observation System-B) abasteceu órgãos de inteligência envolvidos nos eventos.

Desenvolvimento tecnológico – O Comandante Rossato também enfatizou a estreita relação entre o Comando da Aeronáutica e o MCTIC sob o aspecto de desenvolvimento de tecnologias. Como exemplo, o oficial-general expôs a transferência de tecnologia, o intercâmbio de profissionais, o potencial de exportação e a geração de empregos de alta tecnologia como alguns dos benefícios para o País a partir dos projetos Gripen NG – o novo avião de caça da FAB – e o cargueiro reabastecedor KC-390.

“São coisas fundamentais para o futuro do Brasil”, enfatizou o Tenente-Brigadeiro Rossato sobre o transbordamento das tecnologias para outros setores econômicos além da defesa. No próximo mês, por exemplo, será inaugurado em Gavião Peixoto (SP) o centro de desenvolvimento do Gripen NG.

Para o ministro Kassab, o MCTIC e o Comando da Aeronáutica “têm muita convergência”. “Até por que a Aeronáutica tem o seu desenvolvimento essencialmente baseado na tecnologia. Nossa disposição, portanto, é dar todo apoio aonde seja necessário para que ela possa atingir seus objetivos, em especial em um momento em que a conjuntura econômica do Brasil é tão difícil e as questões precisam ser muito bem pontuadas, muito bem priorizadas”, avaliou o ministro.

Segundo Kassab, os dois órgãos demonstraram disposição para trabalhar em uma agenda conjunta de prioridades e que, como isso, é mais fácil acertar. “Vamos definir em conjunto as prioridades que ainda não foram definidas”, concluiu.



Outras coberturas especiais


Crise

Crise

Última atualização 20 NOV, 12:35

MAIS LIDAS

Modernização FAB

5